Habitar vertical: avaliação da qualidade espacial e ambiental de edifícios de apartamentos

Simone Barbosa Villa, Rita de Cássia Pereira Saramago, Camila Cristina Marçal Cardoso, Maria Julia de Almeida Paulino

Resumo


Frente ao significativo crescimento da produção de edifícios de apartamentos na última década no Brasil, vislumbrou-se a necessidade de se analisar sua qualidade. Assim, este artigo apresenta os principais resultados da pesquisa intitulada “Habitar vertical: avaliação da qualidade espacial e ambiental de edifícios de apartamentos”, que objetivou investigar a qualidade de empreendimentos habitacionais multifamiliares destinados à classe média e lançados pelo mercado imobiliário nas cidades de Uberlândia, MG, e Ribeirão Preto, SP. Essa comunicação aborda a fundamentação teórica da pesquisa e sua metodologia, bem como expõe alguns resultados que enfocam questões relativas à funcionalidade e à qualidade ambiental das habitações – derivados da aplicação de instrumentos de avaliação pós-ocupação (APO) em quatro estudos de caso. Os resultados apontam para o descumprimento de parâmetros básicos de funcionalidade nos edifícios avaliados, em função da redução dimensional dos apartamentos, da excessiva compartimentação dos espaços e da sobreposição de usos não planejada. Indicam também a incipiente incorporação de estratégias de sustentabilidade nos edifícios, além do baixo nível de consciência ambiental dos moradores. Acredita-se que bancos de dados alimentados por APO possam nortear o processo de concepção de produções imobiliárias que visem a uma maior qualidade do ambiente construído.


Palavras-chave


Edifícios de apartamentos; Avaliação Pós-Ocupação; Qualidade espacial e ambiental; Cidades de médio porte.

Texto completo:

HTML




Direitos autorais 2017 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio:

Indexado em: