Sistema descentralizado individual de água não potável: a necessidade da gestão da qualidade e da quantidade

Tiago de Vasconcelos Gonçalves Ferreira, Lúcia Helena de Oliveira

Resumo


A implantação de sistemas de água não potável em edifícios residenciais está crescendo, tendo em vista a redução dos níveis atuais de demanda de água potável. Esse fato vem ocorrendo mesmo sem o embasamento teórico adequado por meio de normas técnicas, regulamentos ou legislações específicas para o projeto, execução e operação de tal sistema. Nesse sentido, o objetivo deste artigo é avaliar o desempenho qualitativo e quantitativo de um sistema descentralizado individual nas etapas de operação e manutenção. O método utilizado foi o estudo de caso. Para tal, foram realizadas a caracterização do sistema e a coleta de informações de usuários. Os resultados mostram que o sistema de água não potável, além de não ter apresentado um impacto de redução no consumo de água, propiciou um surto de infecção gastrointestinal para a população do edifício, devido à falta de capacitação dos profissionais envolvidos em todas as etapas do sistema e, em especial, na etapa de operação e manutenção, o que afetou a saúde dos usuários. Conclui-se que a capacitação profissional para executar, operar e manter o sistema de água não potável é indispensável para garantir a eficiência no sistema e preservar a saúde dos usuários.


Palavras-chave


Água não potável; sistema descentralizado; Sistema individual

Texto completo:

HTML




Direitos autorais 2017 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio:

Indexado em: