Ventilação natural como instrumento na redução da propagação da Covid-19 em salas de aula

Autores

  • Pedro Henrique Bruder Decker Universidade Estadual de Londrina
  • Camila Gregório Atem Universidade Estadual de Londrina

Palavras-chave:

Coronavírus, Ventilação Natural, Ventilação Cruzada, Ventilação Unilateral, Escolas, Salas de Aula.

Resumo

A pandemia de Coronavírus despertou preocupação da comunidade acadêmica com a qualidade do ar interior. A principal via de propagação da doença se dá por aerossóis, com vírus presentes em partículas que permanecem em suspensão no ar por longos períodos. Este trabalho busca compreender o papel da ventilação natural na probabilidade de contágio da doença em salas de aula. Taxas de ventilação foram calculadas por método algébrico para salas de aula em duas situações: ventilação cruzada e unilateral. Foi proposta redução da ocupação máxima das salas de aula, tanto considerando distância mínima de 2 metros entre ocupantes, quanto mantendo taxa mínima de ventilação de 27 m³/h por pessoa. A probabilidade de contágio foi calculada para as capacidades originais e reduzidas de cada sala, seguindo metodologia proposta na literatura. Cada recinto também foi classificado de acordo com seu número de trocas de ar por hora. A ventilação unilateral se mostrou insuficiente para manter taxas adequadas de ventilação em todos os casos. Para 11 das 31 salas avaliadas o distanciamento de 2 metros entre ocupantes é insuficiente para manter as taxas de ventilação adequadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-09-12

Edição

Seção

Edição especial ENCAC

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)