Relação entre dimensões de janela e piso para iluminação natural e eficiência energética em edificações no trópico úmido

Autores

Palavras-chave:

Iluminação natural, Sombreamento, Trópico úmido, Área de janela, Profundidade de ambiente

Resumo

O presente trabalho teve por objetivo identificar a razão entre área de janela e piso, associada à iluminação natural eficaz e à eficiência energética, no trópico úmido. As recomendações de pré-dimensionamento mais usadas por arquitetos nas etapas preliminares de projeto, visando a uma iluminação natural eficaz, abordam o tamanho da janela e a profundidade do ambiente. Códigos de obras brasileiros determinam relações entre área de janela e piso para garantir iluminação natural adequada, mas essas relações não estão respaldadas em trabalhos científicos. O método consistiu em uma análise comparativa do desempenho de modelos quanto à iluminância natural útil, à uniformidade da iluminação natural, à iluminância natural excessiva e ao consumo energético com iluminação e resfriamento a fim de comparar relações janela/piso em condições de janela sombreada, ar-condicionado e iluminação híbrida. As iluminâncias e o consumo energético foram simulados com as ferramentas Daysim e DesignBuilder. A análise dos dados comparou a amplitude de variação do desempenho de grupos de modelos, classificados por quatro valores da razão janela/piso. Os resultados validaram a eficácia da razão 1/6, mas não da razão 1/8, ambas exigidas por códigos de edificações brasileiros. Também demonstraram a eficácia das razões 2/6 e 2/8, que não constam nos códigos de cidades com clima quente e úmido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iuri Ávila Lins Araújo, Universidade Federal de Alagoas

Possui graduação (2001), mestrado (2006) e Dourado (2021) em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL. Atualmente, é professor adjunto no curso de Arquitetura e Urbanismo da UFAL / Campus Arapiraca. Tem experiência na área de Adaptação do edifício ao clima para conforto térmico e luminoso passivos, visando maior eficiência energética.

Leonardo Salazar Bittencourt, Universidade Federal de Alagoas

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Pernambuco (1977) e doutorado em Environment and Energy Studies - Architectural Association Graduate School (1993 Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Pernambuco (1977) e doutorado em Environment and Energy Studies - Architectural Association Graduate School (1993). Atualmente é professor voluntário da Universidade Federal de Alagoas, atuando nos cursos de mestrado e doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Foi Vice-diretor e Diretor do Centro de Tecnologia (2006-2010) e Vice-Diretor e Diretor da Faculdade de Arquitetura da UFAL (2007-2011).. Tem experiência em consultoria, projetos e pesquisas na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Sustentabilidade Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: conforto ambiental, sustentabilidade do espaço construído, arquitetura bioclimática, eficiência energética em edificações e projeto de arquitetura. Publicou livros, capítulos de livros, artigos em revistas científicas e mais de uma centena de artigos em anais de eventos nacionais e internacionais. Atualmente é professor da Universidade Federal de Alagoas, atuando nos cursos de mestrado e doutorado em Arquitetura e Urbanismo. Tem experiência em consultoria, projetos e pesquisas na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Sustentabilidade Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: conforto ambiental, sustentabilidade do espaço construído, arquitetura bioclimática, eficiência energética em edificações e projeto de arquitetura. Publicou livros, capítulos de livros e mais de uma centena de artigos em eventos nacionais e internacionais.

Downloads

Publicado

2022-09-12

Edição

Seção

Edição especial ENCAC