Produção de uma cinza do bagaço da cana-de-açúcar de elevada pozolanicidade via fracionamento densimétrico e moagem ultrafina

Autores

  • Guilherme Chagas Cordeiro Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro http://orcid.org/0000-0001-6844-8360
  • Beatriz Dias Fernades Linhares Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Mônica Nunes Lemos Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Palavras-chave:

Cinza do bagaço da cana-de-açúcar, Pozolana, Fracionamento densimétrico, Moagem ultrafina, Atividade pozolânica

Resumo

A cinza do bagaço da cana-de-açúcar é um resíduo produzido pela cogeração de energia a partir da queima de biomassa. Diferentes processos podem ser aplicados a esse material para adequar suas caracteríscitcas químicas e físicas ao emprego como pozolana. Este trabalho visa avaliar a efetividade do processo de fracionamento densimétrico na produção de uma cinza do bagaço da cana-de-açúcar de elevada pozolanicidade. Inicialmente, uma cinza rica em quartzo foi coletada em caldeira industrial e submetida ao fracionamento densimétrico para remoção das partículas de quartzo por meio de decantação. Em seguida, a parcela de cinza potencialmente pozolânica foi submetida à moagem ultrafina. Os resultados mostraram elevado teor de amorfos (94,8%) na cinza após fracionamento. Ensaios de condutividade elétrica e índice de desempenho confirmaram a adequada pozolanicidade das cinzas processadas. Além disso, pastas com 20% de substituição por cinzas do bagaço (em massa) mostraram redução do calor de hidratação. Portanto, o fracionamento densimétrico foi eficiente na produção de um material de elevada reatividade em comparação com a cinza original devido à redução de contaminantes e, consequentemente, pelo aumento da concentração de sílica amorfa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Chagas Cordeiro, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Cientista do Nosso Estado Faperj e Bolsista de Produtividade em Pesquisa (nível 1-D), Guilherme Chagas Cordeiro concluiu o doutorado em Engenharia Civil pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPE/UFRJ) em 2006. Foi Pesquisador da COPPE, vinculado à Fundação Coppetec, entre 2006 e 2007. Desde 2007 é Professor Associado do Laboratório de Engenharia Civil da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro e Professor Colaborador do Programa de Engenharia Civil da COPPE/UFRJ. Desenvolveu um estágio pós-doutoral (2015-2016) no Georgia Institute of Technology (School of Civil and Environmental Engineering) sob a supervisão da Profa. Kimberly Kurtis. Publica trabalhos em periódicos internacionais e nacionais, anais de eventos internacionais e nacionais, além de publicações técnicas. Atua na área de Engenharia Civil, com ênfase em estruturas e materiais de construção, principalmente na pesquisa dos seguintes temas: materiais pozolânicos, emprego de resíduos no concreto, concreto de alto desempenho, concreto autoadensável, concreto leve, concreto reforçado com fibras, pastas para cimentação de poços petrolíferos, agregados reciclados, moagem e técnicas analíticas utilizadas na caracterização de materiais cimentícios.

Beatriz Dias Fernades Linhares, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Estudante de graduação e bolsista de Iniciação Científica (CNPq) da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Mônica Nunes Lemos, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Estudante de graduação e bolsista de Iniciação Científica (CNPq) da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Publicado

2022-09-12

Edição

Seção

Edição Especial sobre Aproveitamento de Resíduos na Construção