A pálida História das Artes Visuais no Brasil: onde estamos negras e negros?

Renata Aparecida Felinto dos Santos

Resumo


Este artigo trata de como as produções em artes visuais que foram e são realizadas por artistas visuais negras e negros têm sido apagadas dos registros históricos, como livros e, consequentemente, do ensino de artes visuais. Quando são apresentados esses protagonismos e produções o são por meio de capítulos específicos em publicações e momentos pontuais em sala de aula para tratar de "arte negra" ou "afro-brasileira", dando a frágil percepção de que estamos incluindo a Lei 10.639/03 no currículo escolar, quando em verdade, continuamos a apartar os saberes da visualidade criados por essas e esses artistas daquele que chamamos de Artes Visuais, com letras maiúsculas. Propormos que artistas visuais negras e negros tenham suas biografias e criações aproximadas dos movimentos artísticos que já são estudados em artes visuais, quando possível, e quando não o for, que sejam apresentadas e apresentados como produção coetânea e paralela ao reconhecimento acadêmico e hegemônico, contextualizando sempre as disputas e supressões de narrativas que colocam o eurocentrismo como eixo da história das artes visuais e da humanidade. Dessa forma, propomos que a decolonialidade seja praticada em sala de aula e não apenas um termo contemporâneo utilizado nos estudos acadêmicos em humanidades numa perspectiva antirracista dos escritos.

Palavras-chave


Artes visuais. Artistas visuais negros e negras. Lei 10.639/03. História e ensino de artes visuais.

Texto completo:

PDF

Referências


Arthur Timótheo da Costa. Museu Afro Brasil. Índice Alfabético. Disponível em http://museuafrobrasil.org.br/pesquisa/indice-biografico/lista-de-biografias/2014/12/02/arthur-timotheo-da-costa. Acesso em: 10. fev. 2019.

Arte e a Lei de Diretrizes e Bases. Portal da Educação. Pedagogia. Disponível em: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/educacao/arte-e-a-lei-de-diretrizes-e-bases/36090. Acesso em: 10 jan. 2019.

Perícia conclui que Dilma não participou de pedaladas fiscais. O Globo. 27 jun. 2016. Disponível em http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2016/06/pericia-conclui-que-dilma-nao-participou-de-pedaladas-fiscais.html. Acesso em: 03 mar. 2019.

Conheça Alegoria dos Planetas e Continentes, de Giambattista Tiepolo. Universia Brasil. Em destaque. 20 jun. 2012. Disponível em: http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2012/06/20/944

/conheca-alegoria-dos-planetas-e-continentes-giambattista-tiepolo.html. Acesso em: 10 fev. 2019.

CARNEIRO, Sueli. Epistemicídio. Geledés. 04 set. 2014. Disponível em https://www.geledes.org.br/epistemicidio/. Acesso em: 03 mar. 2019.

CARDOSO, Bia. Feminisno interseccional. Que diabos é isso? (e porque você deveria se preocupar). Blogueiras Feministas. 24 jul. 2014. Disponível em https://blogueirasfeministas.com/2014/07/24/f

eminismo-intersecional-que-diabos-e-isso-e-porque-voce-deveria-se-preocupar/. Acesso em: 03 mar. 2019.

DÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil -1917-1945. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

GONZAGA-DUQUE. A Arte Brasileira: ensaios e documentos. Campinas (SP): Mercado das Letras, 1995.

KILOMBA, Grada. Descolonizando o conhecimento. Instituto Goethe. Tradução Jéssica Oliveira. Disponível em http://www.goethe.de/mmo/priv/15259710-STANDARD.pdf. Acesso em: 03 mar. 2019.

MARTÍ, Silas. MoMA expõe obras de Tarsila do Amaral nos anos 1920, como 'A Negra'. Arte. Folha de São Paulo. 08 fev. 2018. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/02/moma-expoe-obras-de-tarsila-do-amaral-nos-anos-1920-como-a-negra.shtml. Acesso em: 03 mar. 2019.

PORTO, Gabriella. Democracia Racial. Infoescola. Disponível em: , acesso 04 mar. 2019.

RODRIGUES, Raimundo Nina. As bellas-artes nos colonos pretos do Brazil: a esculptura. Kósmos: revista artistica, scientifica e litteraria. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 11-16, ago., 1904.

SANTOS, Renata Aparecida Felinto. A Forma como sobrevivência: dengo para o olhar. In: PEDROSA, Adriano; OLIVA, Fernando (Orgs.). Maria Auxiliadora: vida cotidiana, pintura e resistência. São Paulo: Editora MASP, 2018.




DOI: https://doi.org/10.22456/2357-9854.94288

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Revista GEARTE

ISSN 2357-9854 | e-ISSN 2596-3198 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil

http://www.seer.ufrgs.br/gearte

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.