A fábrica Móveis Cimo e seus mobiliários: a escola como um mercado atraente - The factory Móveis Cimo and their furniture: is school an attractive market

Gustavo Rugoni de Sousa, Vera Lucia Gaspar da Silva, Brasil

Resumo


Este trabalho, vinculado às discussões acerca da cultura material escolar, tem como objetivo compreender as relações existentes entre a fábrica Móveis Cimo e o mercado escolar. Para tanto, os investimentos se concentram nas relações entre as escolas públicas primárias, a indústria e o Estado. A escolha por estas categorias se fundamentou na compreensão de que a escola de massas é um fenômeno do mundo ocidental que se articulou com a expansão industrial. Compreende-se que a circulação de ideias pedagógicas difundiu saberes que modificaram a idealização dos artefatos escolares a partir de um padrão referencial, aceito internacionalmente e que a Móveis Cimo buscou adequar seus mobiliários a um modelo de escola ideal, o que contribuiu para a comercialização de seus produtos.

Palavras-chave: história da educação, cultura material, mobiliário escolar.

 

THE FACTORY MÓVEIS CIMO AND THEIR FURNITURE: IS SCHOOL AN ATTRACTIVE MARKET

Abstract

This research, linked to the discussions about school material culture, aims to understand the relationships between Móveis Cimo Factory and the school market. Therefore, these searches are focused in the relations between the public elementary schools, industry and the State. The selection of these specific categories is based on the understanding that the mass schooling is a phenomenon in the Western world, which is linked to the industrial expansion. It can be understood the circulation of pedagogical ideas spread a knowledge that changed the idealization of school artifacts from a reference standard, internationally accepted and the Móveis Cimo Factory sought to adapt its furniture’s to an ideal school model, which contributed to the commercialization of their products.

Key-words: history of education, material culture, school furniture.

 

LA COMPANIA MÓVEIS CIMO Y SUS MOBILES: LA ESCUELA COMO UN MERCADO ATRACTIVO

Resumen

Este trabajo esta relacionado con las discusiones acerca de la cultura material de la escuela tiene como objetivo comprender las relaciones entre la fábrica de Móveis Cimo y el mercado de la educación. Con este fin, las inversiones se concentran en las relaciones entre la escuela pública primaria, la industria y el Estado. La elección de estas categorías se basa en el entendimiento de que la escuela es un fenómeno de masas en el mundo occidental que está articulada a la expansión industrial. Se entiende que las ideas pedagógicas ha propogado el conocimiento que cambió la idealización de los artefactos de la escuela a partir de un patrón de referencia, internacionalmente aceptado y que la Móveis Cimo trató de adaptar sus muebles a un modelo de escuela ideal, lo que contribuyó a la comercialización de sus productos.

Palabras-clave: historia de la educación, cultura material, mobiliario escolar.

 

LA SOCIÉTÉ MÓVEIS CIMO ET SES MEUBLES: L’ÉCOLE COMME UN MARCHÉ ATTRACTIF

Résumé

Ce travail, lié aux discussions sur la culture matérielle scolaire, a pourobjectif de comprendre les rapports qui existent entre la société Móveis Cimo et le marché scolaire. Pour cela, les investissements se concentrent sur les rapports entre les écoles publiques élémentaires, l’industrie et l’État. Le choix de ces catégories se base sur la compréhension que l’école de masses c’est un phénomène du monde occidental qui s’articule avec l’expansion industrielle. On comprend que la circulation d’idées pédagogiques a diffusé des savoirs qui ont modifié l’idéalisation des artéfacts scolaires à partir d’un standard référentiel, accepté internationalement et que l’entreprise Móveis Cimo a cherché à harmoniser ses meubles à un modèle d’école idéale, ce qui a contribué à la commércialisation de ses produits.

Mots-clé: histoire de l’éducation, culture matérielle, meubles scolaires.


Palavras-chave


História da educação, cultura material, mobiliário escolar

Texto completo:

PDF

Referências


ALCÂNTARA, Wiara Rosa Rios. Por uma história econômica da escola: a carteira escolar como vetor de relações (São Paulo, 1874-1914). São Paulo: USP, 2014. 339f. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

ARRUDA, Glória Lúcia Rodriguez Correia de. O design na indústria moveleira brasileira e seus aspectos sustentáveis: estudo de caso no polo moveleiro de Arapongas-PR. Bauru: Unesp, 2009. 118f. Dissertação (mestrado em Design). Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

BENCOSTTA, Marcus Levy. Mobiliário escolar francês e os projetos vanguardistas de Jean Prouvé e André Lurçat na primeira metade do século 20. Educar em Revista, Curitiba: UFPR, n. 49, 2013, p. 19-38.

BUCAILLE, Richard; PESEZ, Jean-Marie. Cultura material. In: ROMANO, Ruggiero (orgs.). Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1989. v. 16, p. 11-47.

CÂNDIDO, Manuelina Maria Duarte. Cultura material: interfaces disciplinares da Arqueologia e da Museologia. Cadernos do Ceom, Chapecó, v. 18, n. 21. 2005, p. 75-90.

CASTRO, César Augusto de et al. Cultura material escolar: fontes para a história da escola e da escolarização elementar (MA, SP, PR, SC e RS, 1870-1925). In: SOUZA, Rosa Fátima de; GASPAR DA SILVA, Vera Lucia; SÁ, Elizabeth Figueiredo de (orgs.). Por uma teoria e uma história da escola primária no Brasil: investigações comparadas sobre a escola graduada (1870-1930). Cuiabá: UFMT, 2013, p. 273-316.

CIA. INDUSTRIAL DE MÓVEIS. Catálogo da Cia. Industrial de Móveis. [entre 1944 a 1954].

DITTRICH, Klaus. As exposições universais como mídia para a circulação transnacional de saberes sobre o ensino primário na segunda metade do século 19. Hist. Educ. (Online), Porto Alegre, v. 17, n. 41, 2013, p. 213-234.

ESCOLANO BENITO, Agustín. Patrimonio material de la escuela e historia cultural. Revista Linhas, Florianópolis: Udesc, v. 11, n. 2, 2010, p. 13-28.

ESCOLANO BENITO, Agustín. Las materialidades de la escuela. In: GASPAR DA SILVA, Vera Lucia; PETRY, Marília Gabriela (orgs.). Objetos da escola: espaços e lugares de constituição de uma cultura material escolar (Santa Catarina - séculos 19 e 20). Florianópolis: Insular, 2012. p. 11-18.

FERBER, Luiza Pinheiro; Kinchescki, Ana Paula de Souza; SOUSA, Gustavo Rugoni de. Móveis Cimo S.A: notas iniciais acerca do mobiliário em escolas primarias catarinenses. Revista @mbiente Educação, Rio Grande: Universidade Cruzeiro do Sul, v. 6, 2013, p. 44-53.

GASPAR DA SILVA, Vera Lucia. Vitrines da República: Os grupos escolares em Santa Catarina (1889-1930). In: VIDAL, Diana Gonçalves (orgs.). Grupos escolares: cultura escolar primária e escolarização da infância no Brasil (1893-1971). São Paulo: Mercado de Letras, 2006, p. 341-376.

HEYSE, Cirene Linzmeier. O desenvolvimento do setor moveleiro no padrão de design e na identidade socioeconômica e cultural na região do Algo Vale do Rio Negro. Canoinhas: Universidade do Contestado, 2009. 142f. Dissertação (mestrado em Desenvolvimento Regional). Universidade do Contestado.

INDÚSTRIAS REUNIDAS DE MADEIRAS. Capa do catálogo: fábrica de cadeiras e carteiras escolares, installações para theatros, cinemas, bars e restaurantes. [entre 1932 a 1944a]. Disponível no Acervo do Arquivo Público de Rio Negrinho, Santa Catarina.

INDÚSTRIAS REUNIDAS DE MADEIRAS. Catálogo Indústria Reunidas de Madeira - Jorge Zipperer e Cia. [entre 1932 a 1944b]. Disponível no Acervo do Arquivo Público de Rio Negrinho, Santa Catarina.

INDÚSTRIAS REUNIDAS DE MADEIRA. Carteiras com assentos e encostos de madeira compensada: São Paulo e Aula. [entre 1932 a 1944c]. Disponível no Acervo do Arquivo Público de Rio Negrinho, SC.

INDÚSTRIAS REUNIDAS DE MADEIRA. Carteiras extra fortes para escolas superiores: Gymnasio e Prefeitura. [entre 1932 a 1944d]. Disponível no Acervo do Arquivo Público de Rio Negrinho, SC.

KAESEMODEL, Maria Salete Munhoz. A indústria moveleira em São Bento do Sul - SC. Florianópolis: UFSC, 1990, 129f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Centro de Ciências Humanas, Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Catarina.

KLOSTERMANN, Lara Anelise. Banco de imagens de catálogos da Móveis Cimo S/A. Curitiba: UTFPR, 2007. 38f. Monografia (especialização em Design de Interiores). Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

KUHLMANN JÚNIOR, Moysés. As grandes festas didáticas: a educação brasileira e as exposições internacionais (1862-1922). Bragança Paulista: USF, 2001.

LAWN, Martin. Uma pedagogia para o público: o lugar de objetos, observação, produção mecânica e armários-museus. Revista Linhas: Florianópolis: Udesc, v. 14, n. 26, 2013, p. 222-243.

MACHADO, Maria de Fátima Costa Monteiro de Sá. Maneiras de sentar: contributo para a história das carteiras escolares do ensino primário em Portugal (1835-1970). Porto: FPCEUP, 2004. Dissertação (mestrado em Educação). Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação.

MEDA, Juri. A história material da escola como fator de desenvolvimento da pesquisa histórico-educativa na Itália. Revista Linhas, Florianópolis: Udesc, v. 16, n. 30, 2015, p. 7-28.

MOEGLIN, Pierre. Les industries éducatives. París: PUF, 2010.

PANIZZOLO, Claudia. Patrimônio cultural e história da educação: reflexões investigativas acerca da escola republicana e seus materiais. In: CASTRO, Cesar Augusto; CASTELLANOS, Samuel Luis Velázquez (orgs.). A escola e seus artefatos culturais. São Luis: UFMA, 2013, p. 81-105.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Exposições universais: espetaculos da modernidade do século 19. São Paulo: Hucitec, 1997.

REPRESENTANTES COMERCIAIS. Penteado, Ayres & Cia. Ltda: representantes para o Brasil das Industrias Reunidas de Madeiras, vendas realizadas durante o anno de 1930. 1930. Disponível no Acervo do Arquivo Público de Rio Negrinho, SC.

REPRESENTANTES COMERCIAIS. Eduardo Whitaker Penteado: representante das Industrias Reunidas de Madeiras, pedido que faz o snr. Pedro Bonzoni. 1934. Disponível no Acervo do Arquivo Público de Rio Negrinho, SC.

SANTA CATARINA. Ofícios da Directoria de Instrucção Pública para o Presidente da Província. janeiro a junho de 1881. Disponível no Arquivo Público do Estado de Santa Catarina.

SANTA CATARINA. Regimento Interno das Escolas Públicas Primárias. Decreto n. 371, 25 mar. 1908. Gab. Typ. D’O Dia. Florianópolis, 1908. Acervo: Apesc.

SANTA CATARINA. Regimento Interno dos Grupos Escolares do Estado de Santa Catarina. Decreto n. 588, 22 abr. 1911. Gab. Typ. D’ O Dia. Florianópolis, 1911. Acervo: Apesc.

SANTA CATARINA. Minutas da Diretoria de Instrução Pública para Diversos, fl. 276. Janeiro/Dezembro de 1931.

SANTA CATARINA. Ofícios para o Departamento de Instrução Pública. julho de 1932.

SANTI, Maria Angélica. Mobiliário no Brasil: origens da produção e da industrialização. São Paulo: Senac, 2013.

SOUZA, Rosa Fátima de. História da Cultura Material Escolar: Um balanço inicial. In:

BENCOSTTA, Marcus Levy (orgs.). Culturas escolares, saberes e práticas educativas: itinerários históricos. São Paulo: Cortez, 2007, p. 163-189.

SOUZA, Rosa Fátima de. O bandeirismo paulista no ensino e a modernização da escola primária no Brasil: entre a memória e a história. Revista de Educação Pública, Cuiabá: UFMT, v. 20, n. 42, 2011, p. 123-143.

STEPHANOU, Maria. Discursos médicos, educação e ciência: escola e escolares sob exame. Revista Trabalho, Educação e Saúde, Manguinhos: EPSJV, v. 4, n. 1, mar. 2006, p. 33-64.

VIDAL, Diana Gonçalves. Entrevista a Wilson Gambeta. In: Scielo em Perspectiva Humanas. Entrevista concedida Disponível em http://humanas.blog.scielo.org/blog/2013/10/18/entrevista-com-diana-goncalves-vidal/. Acesso em 14 mar. 2016.

VICENTINI, Paula Perin; LUGLI, Rosario Genta. História da profissão docente no Brasil: representações em disputa. São Paulo: Cortez, 2009.

VIDAL, Diana Gonçalves; GASPAR DA SILVA, Vera Lucia. Por uma história sensorial da escola e da escolarização. Revista Linhas, Florianópolis: Udesc, v. 11, n. 2, 2010, p. 29-45.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



 

 

====================================================================


REVISTA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO / HISTORY EDUCATION JOURNAL

QUALIS/CAPES 2016: Educação - A1 / Ensino - A1 / História - A2 / Interdisciplinar - A2 / Direito - A2 / Linguística e Literatura - B1 / Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo - B1

ISSN online: 2236-3459

E-mail: rhe.asphe@gmail.com

 

REDES SOCIAIS / SOCIAL NETWORKS

 

                   




INDEXADORES / INDEXERS

 

                  

 

 

 

              

 

 

                    

 

 

 

 

                  

 

 

                       

 

 

                    

 

 

                              

 

 

                    

 

 

                     

 

 

 

PATROCINADORES E APOIADORES / SPONSORS AND SUPPORTERS

 

                            

 

 

              

 

 

 

AGÊNCIAS DE FOMENTO / DEVELOPMENT AGENCIES