João do Rio, Repórter da Pobreza na Cidade

Denise da Costa Oliveira Siqueira

Resumo


Tendo como modelo a Belle Époque parisiense, o Rio de Janeiro, na virada do século XIX para o XX, sofria a transição para uma ordem capitalista urbana. Nesse contexto, o escritor e repórter João Paulo Barreto - o João do Rio - vagou pela cidade, observou parcelas da sociedade que raramente figuravam nas páginas de livros e jornais. No livro A Alma Encantadora das Ruas dedicou um capítulo às várias formas de pobreza e exploração presentes na capital federal. A partir dessa temática, o objetivo deste artigo é estudar as representações da pobreza como apresentadas no livro de João do Rio e paralelamente abordar a questão do texto jornalístico como mediador simbólico - reflexo de um tempo e de uma cultura.


Palavras-chave


Jornalismo impresso; joão do rio; cidade; pobreza; história

Texto completo:

PDF




Em Questão | ISSN 1808-5245 | EQ no Facebook | EQ no Google Scholar

Classificação Qualis: A2 - Comunicação e Informação; B2 - Ciências Ambientais; B3 - Administração, Ciências Contábeis e Turismo; B4 - Sociologia; B5 - Engenharias I.

Programa de Pós-graduação em Comunicação  | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705, sala 519 | CEP 90035-007 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone: (51) 3308 2141| E-mail: emquestao @ufrgs.br 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária do San Francisco Declaration on Research Assessment (DORA)