Aprendizagem Colaborativa e Violência entre Jogadores de League of Legends

Jonathan Bernardes Golart, Renata Fischer da Silveira Kroeff, Póti Quartiero Gavillon

Resumo


Este trabalho busca mostrar que o jogador vivencia, dentro dos espaços de afinidade que circundam o jogo digital, um protagonismo na produção de conhecimento que reforça a participação em espaços de aprendizado colaborativo. A escolha deste tema apoia-se numa posição ético-política, que busca pensar os videogames como objetos culturais e protótipos de novos modos de alfabetização. Foi realizada uma entrevista semi-estruturada com um jogador profissional de League of Legends, assim como a análise de postagens de jogadores no fórum online Reddit, buscando compreender a relação dos jogadores em comunidade, a criação de laços com outros jogadores, bem como outras formas de aprendizado. Os resultados apontam que mesmo que o jogo tenha conteúdo que representa violência, ou que os jogadores possam ser violentos nas competições dentro do jogo, não há indício de que o mesmo produza violência em outros espaços.

Palavras-chave


Espaços de afinidade, Cultura participativa, League of Legends, Violência.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. & CARVALHO, A. M. (2011). Videogame: É do bem ou do mal? Como orientar pais. Psicol. Est., Maringá, 2011, 16.2: 251-258.

ALVES, L. R. G. (2004). Game Over: Jogos Eletrônicos e Violência. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

ARRIAGA, P., ESTEVES,F., MONTEIRO, M.B. (2007). Violência em jogos eletrônicos e reações emocionais a imagens da vida real: hipótese da dessensibilização. Percursos de investigação em psicologia social e organizacional v.2, p.119-143. Lisboa. Editora Colibri.

BARTLE, R. (2010). A Digital Culture, Play and Identity: A World of Warcraft Reader. Game Culture, 10(1). Disponível em: http://gamestudies.org/1001/articles/bartle

BAUM, C. (2012). Sobre o videogame e cognição Inventiva. Tese de Mestrado, Universidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

BLIZZARD ENTERTAINMENT Inc (1994). Warcraft. Blizzard, Irvine, California.

DE PAULA, G. N. (2010). Caracterizando o videogame como novo letramento: uma proposta para a escola. Revista educação & tecnologia. 15(1)

FRAGOSO, (2015). “HUEHUEHUE I’m BR”: Spam, Trolling and Griefing in online games. Revista Famecos. Porto Alegre, 22(3).

GAVILLON, P. Q. & MARASHCIN, C. (2015). Políticas cognitivas, aprendizagem e videogames. Em Jogos eletrônicos, mobilidades e educações: trilhas em construção (Alves, L. e Nery, J. Orgs). p. 323-340.

GEE, J. P. (2003). What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave/Macmillan.

GEE, J.P. (2010) Bons videojogos + boa aprendizagem: Colectânea de ensaios sobre os videojogos, a Aprendizagem e a Literacia. Edições pedago.

JENKINS, H. (2006). Fans, Bloggers and gamers: exploring participatory culture. New York University Press.

JENKINS, H. (2009). Cultura da Convergência. São Paulo, Aleph.

MARASCHIN, C. & BAUM, C. (2011) Explorando Arkaham Asylum: Sobre videogame e aprendizagem inventiva. Revista Pólis e Psique v1(2) p38-52.

PAIVA, N. SILVA COSTA, J. (2015) A influência da tecnologia na infância: desenvolvimento ou ameaça? Psicologia.pt, Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0839.pdf

RIOT GAMES (2013) Infográfico da comunidade. Riot Games Inc. Disponível em: http://na.leagueoflegends.com/en/community-infographic

RIOT GAMES (2014) The Riot Manifesto. Riot Games Inc. Disponível em: http://www.riotgames.com/riot-manifesto#1

RIOT GAMES Inc. (2009) League of Legends. Riot Games. California, US.

SALEN, (2004) Rules of Play: Game Design Fundamentals. The MIT Press, Cambridge, Massachusetts.

SQUIRE, K. (2006) From content to context: videogames and designed experience. Educational researcher, v35 n8 p19-29.

SQUIRE, K. (2011) Videogames and learning: teaching and participatory culture in digital age. Teachers college press, New York.

STEINKUEHLER, C. (2006) Why Game (Culture) Studies Now? Games and Culture, 1(1), 97.

SUZUKI, F., MATIAS, M. V., SILVA, M. T. & OLIVEIRA, M. P. (2009). O uso de videogames, jogos de computador e internet por uma amostra de universitários da Universidade de São Paulo. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 58(3), 162-168.

VOLK, P. (2016). League of Legends now boasts over 100 million monthly active players worldwide. The Rift Herald. Disponível em: http://www.riftherald.com/2016/9/13/12865314/monthly-lol-players-2016-active-worldwide




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X