Sociologia de risco: globalizando a modernidade reflexiva

Renata Motta

Resumo


Esta resenha pretende trazer um pouco dos argumentos recentes da sociologia de risco de Ulrich Beck para o debate brasileiro sobre risco. Em sua recente obra, que poderia ser traduzida em português como Sociedade global de risco: na busca da segurança perdida, o autor se baseia em experiências como o terrorismo global, a ameaça de crise ecológica e as crises financeiras internacionais para defender o conceito de uma sociedade global de risco. Esta se configura em dois momentos: a modernização reflexiva e o momento cosmopolita. A tese é que os perigos fabricados pela sociedade industrial que se tornam evidentes, na sociedade de risco, como resultado da modernização, extrapolam as fronteiras nacionais. Esta resenha repassa os argumentos centrais do livro, dentre os quais destacaria o fim da separação entre realidade objetiva e percepção cultural do risco, cuja realidade residiria no seu caráter controverso; conseqüentemente, a negação do status privilegiado da ciência para avaliar os riscos e a ênfase na figura do desconhecimento e sua relação com a política.

Palavras-chave


Sociologia do risco; Modernização reflexiva; Risco; Desconhecimento

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.