METODOLOGIAS ATIVAS NO PROCESSO FORMATIVO EM SAÚDE

Marcelo Rodrigues Reser, Cristine da Rocha, Sabrina Lacerda da Silva

Resumo


As metodologias ativas propõem que o indivíduo seja colocado no centro do processo de ensino-aprendizagem, estimulando-o e transformando-o no principal agente de seu desenvolvimento crítico e reflexivo. Este ensaio tem o propósito de discutir a utilização dessas metodologias ativas e sua contribuição na formação de profissionais da saúde. As mudanças no campo da ciência e tecnologia e também na sociedade provocam uma necessidade de rever a forma de praticar o processo educativo. Estudos sugerem o estímulo da autonomia, da relação dialética entre docente e discente, do respeito, da responsabilização, da reflexão crítica e da ressignificação. Para se atingir essa proposta, são necessárias mudanças das políticas educacionais e das posturas docente e discente. A problematização, como exemplo de metodologia ativa, situa o estudante ao problema e à realidade, favorecendo o exercício da ação-reflexão-ação. A avaliação dos resultados deve ser adequada ao processo educativo em uso, sendo caracterizada pela autoavaliação, colaboração, planejamento, dinâmica, estimulação, compreensão e confronto de experiências. A busca da qualidade do que se aprende e se ensina torna-se importante por considerar a diversidade dos sujeitos, seus ritmos de aprendizagem, dificuldades e interesses individuais e coletivos. Tal valorização impulsiona o uso das metodologias ativas, resultando na formação de profissionais mais críticos e comprometidos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMA-ATA. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, 1978.

AYRES, J. R. C. M. Hermenêutica e humanização das práticas de saúde. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 549-560, 2005. Disponível em: Acesso em: 4 dez. 2018.

BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. Metodologias ativas de aprendizagem na Educação Profissional e Tecnológica. B. Tec. Senac, Rio de Janeiro, v. 39, n. 2, p. 48-67, maio/ago. 2013.

BOURDIEU, P. Escritos de educação. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

BRASIL, Lei Federal n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, Seção 1, p. 27833. Disponível em: Acesso em: 3 dez. 2018.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES n. 1133, de 07 de agosto de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Enfermagem, Medicina e Nutrição. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, Seção 1E, p. 131. Disponível em: Acesso em: 3 dez. 2018.

BRIGHENTE, M. F.; MESQUIDA, P. Paulo Freire: da denúncia da educação bancária ao anúncio de uma pedagogia libertadora. Pro-Posições, Campinas, v. 27, n. 1, p. 155-177, jan./abr. 2016.

CARNEIRO, R. P. Reflexões acerca do processo ensino-aprendizagem na perspectiva freireana e biocêntrica. Thema, Pelotas, v. 9, n. 2, p. 1-18, 2012.

CARVALHO, L. M. O.; MARTINEZ, C. L. P. Avaliação Formativa: A auto-avaliação do aluno e a autoformação de professores. Ciência & Educação, Bauru, v. 11, n. 1, p. 133-144, 2005.

COMIS, D. A função social da escola e da avaliação da aprendizagem. Dialogia, São Paulo, v. 5, p. 135-144, 2006.

CURY, L. Revisitando Morin: os novos desafios para os educadores. Comunicação & Educação, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 39-47, jan./jun., 2012.

DIESEL, A.; BALDEZ, A. L. S.; MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Thema, Pelotas, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017.

FERNANDES, F. A. S.; SANTOS, E. G.; MORAIS, L. B. Utilização da PBL como metodologias ativas na graduação: área de exata na cidade de Palmas/TO. Rev. Educ., Brasília, v. 40, n. 154, p. 192-206, jul./dez., 2017.

FLICKINGER, Hans-Georg. Gadamer e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 63. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2017.

GADAMER, H. G. Incapacidade do discurso (1972). In: ______. Verdade e método II. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. São Paulo Perspec., São Paulo, v. 14, n. 2, p. 3-11, abr./jun., 2000.

GEMIGNANI, E. Y. M. Y. Formação de professores e metodologias ativas de ensino-aprendizagem: ensinar para a compreensão. Revista Fronteiras da Educação, Recife, v. 1, n. 2, p. 1-27, 2012.

GUIMARÃES, J. C. F. et al. Formação docente: uso de metodologias ativas como processo inovador de aprendizagem para o ensino superior. In: MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO, 16., 2016, Caxias do Sul. Anais...Caxias do Sul, 2016. p. 1-14. Disponível em:

. Acesso em: 2 dez. 2018.

HOFFMANN, J. Avaliação Mito e desafio: uma perspectiva construtivista. 35. ed. Porto Alegre: Medicação, 2005.

ILHA, D. D.; LIBRELOTTO, G. R. A Escola no meio digital: novos desafios do ensinar e do aprender. VIDYA, Santa Maria, v. 32, n. 2, p. 65-81, jul./dez., 2012.

LIMA, V. V. Espiral construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface Comunic., Saúde, Educ., Botucatu, v. 21, n. 61, p. 421-434, 2017.

LÜCK, H. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teórico-metodológicos. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

MELLO, C. C. B.; ALVES, R. O.; LEMOS, S. M. A. Metodologias de ensino e formação na área da saúde: revisão de literatura. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 16, n. 6, p. 2015-2028, nov./dez., 2014.

MELO, B. C.; SANT’ANA, G. A prática da metodologia ativa: compreensão dos discentes enquanto autores do processo ensinoaprendizagem. Comun. Ciência Saúde, Brasília, v. 23, n. 4, p. 327-339, set./dez. 2012.

MITRE, S. M. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 13, supl. 2, p. 2133-2144, 2008.

MORÁN, J. Mudando a Educação com metodologias Ativas. In: SOUZA, C. A.; MORALES, O. E. T. (Orgs). Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa: UEPG, 2015. 180p.

MOREIRA, J. R.; RIBEIRO, J. B. P. Prática pedagógica baseada em metodologia ativa: aprendizagem sob a perspectiva do letramento informacional para o ensino na educação profissional. Outras Palavras, Brasília, v. 12, n. 2, p. 93-114, 2016. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2018.

PAIVA, M. R. F. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE, Sobral, v. 15 n. 2, p. 145-153, jun./dez. 2016.

PELISSONI, A. M. S. Objetivos educacionais e avaliação da aprendizagem. Anuário da Produção Acadêmica Docente, Jaboticabal, v. 3, n. 5, p. 129-139, 2009.

PEREIRA, B. G.; SIEDE, R. O.; SILVA, L. S. Metodologias ativas no ensino superior: sala de aula invertida como estratégia pedagógica na catalisação da habilidade de escrita. Int. J. Activ. Learn., Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 13-21, jan./fev. 2017.

RAMOS, D. K. Cadernos da Pedagogia. A aprendizagem colaborativa e a educação problematizadora para um enfoque globalizador. Cadernos da Pedagogia, São Carlos, v. 6, n. 12, p. 105-115, jan./jun., 2013.

RAUSCH, R. B.; SILVA, M. Z.; THEISS, V. Avaliação formativa no processo ensino e aprendizagem na educação superior: um estudo de caso realizado na disciplina de matemática financeira. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISAS EM ADMINISTRAÇÃO, 36., 2012. Anais...Rio de Janeiro, 2012. p. 1-16. Disponível em: < http://www.anpad.org.br/admin/pdf/2012_EPQ472.pdf>. Acesso em: 1 dez. 2018.

RIOS, M. P. G. A avaliação formativa como procedimento de qualificação docente. Revista E-Curriculum, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-7, dez./jul., 2005-2006. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2018.

ROMAN, C. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem no processo de ensino em saúde no Brasil: uma revisão narrativa. Clin. Biomed. Res., Porto Alegre, v. 37, n. 4, p. 349-357, 2017.

SANTOS, L. A articulação entre a avaliação somativa e a formativa, na prática pedagógica: uma impossibilidade ou um desafio? Ensaio: aval. pol. públ. educ., Rio de Janeiro, v. 24, n. 92, p. 637-669, jul./set. 2016.

SCHAFRANSKI, M. D. A educação e as transformações da sociedade. Publ. UEPG Ci. Hum., Ci. Soc. Apl., Ling., Letras e Artes, Ponta Grossa, v. 13, n. 2, p. 101-112, dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2018.

SEGRE, M.; FERRAZ, F. C. O conceito de saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 31, n. 5, p. 538-542, out. 1997.

SILVA, A. A. Formação em saúde: representações de acadêmicos sobre metodologia ativas de ensino e aprendizagem. Cadernos da Fucamp, Monte Carmelo, v. 14, n. 21, p. 120-138, 2015.

SILVA, M. A.; KAYSER, A. M. O papel da educação contemporânea, uma reflexão a partir da pedagogia da autonomia de Paulo Freire. Revista Dynamis, Blumenau, v. 21, n. 2, p. 3-15, 2015.

SILVA, R. H. A.; SCAPIN, L. T. Utilização da avaliação formativa para a implementação da problematização como método ativo de ensino-aprendizagem. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 22, n. 50, p. 537-552, set./dez. 2011. Disponível em:

< http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/1969/1945> Acesso em: 2 dez. 2018.

UBERTI, L. Intencionalidade educativa. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 4, p. 1223-1242, out./dez. 2013. Disponível em: Acesso em: 2 dez. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.