USOS, REUSOS E ABUSOS: ATRAVESSANDO “FRONTEIRAS” E “LUSO-AFRICANIDADES” NAS HISTORIOGRAFIAS DE ANGOLA, CABO VERDE E GUINÉ-BISSAU PARA OS SÉCULOS XV, XVI E XVII

Alec Ichiro Ito

Resumo


Este artigo ensaístico destrincha as noções de “fronteira” e “luso-africanidade”, abordando alguns casos ancorados na escrita da história de Angola, Cabo Verde e Guiné-Bissau para os séculos XV, XVI e XVII. O fio condutor desta narrativa é o compartilhamento e a circularidade dessas noções, cindido em dois momentos. No primeiro, depreenderemos a noção de fronteira africanista, assim como ela incide nos estudos desenvolvidos pela historiografia norte-americana desde o pós-guerra. Em um segundo momento, introduziremos algumas noções de “luso-africanidade”, chamando atenção para o enfoque dado às práticas identitárias múltiplas. Ao término deste artigo, indicaremos alguns dos riscos e empecilhos que permeiam a noção de luso-africanidade, sendo que o principal deles é a dissolução das diferenças, assimetrias e desigualdades que percorreram os contatos euro-africanos. Como hipótese de trabalho, assumimos que futuras pesquisas realizem mais investigações empíricas, como também sustentem uma postura mais crítica a respeito do hibridismo cultural, da miscigenação sanguínea, das identidades múltiplas, do sincretismo religioso e da fusão social pacífica.

Palavras-chave


história de Angola; história de Cabo Verde e Guiné-Bissau; fronteiras e identidades

Texto completo:

PDF (English) PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2448-3923.94704

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Estudos Africanos (RBEA)

e-ISSN 2448-3923; ISSN 2448-3907

Publicação do CEBRAFRICA/UFRGS