REPRESENTAÇÕES DE PODER EM MAYOMBE: “OS HOMENS SERÃO PRISIONEIROS DAS ESTRUTURAS QUE TERÃO CRIADO”

Autores

  • Carolina Bezerra Machado Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22456/2448-3923.100444

Palavras-chave:

Pepetela, Angola, Mayombe

Resumo

Com a independência de Angola em 1975, se solidificou uma estrutura política em que o Estado/MPLA passou a ser o principal meio para a distribuição de benefícios e privilégios, contribuindo para o fortalecimento de uma política autoritária e patrimonialista. Sendo assim, o presente artigo tem por objetivo partir do romance Mayombe (1980), do escritor angolano Pepetela, para analisar o processo político em Angola em sua contemporaneidade. Compreende-se que as estruturas de poder existentes em Angola após a independência, já aparecem desenhadas nesse romance, tecido ainda na guerrilha. Do mesmo modo, aparecem os debates acerca da nação e identidade propaladas em meio ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA). Parte-se do pressuposto de que as contradições, ambivalências e acomodações de interesses presentes entre a sociedade angolana e o Estado já estavam sendo estruturadas internamente antes mesmo da independência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Bezerra Machado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Departamento de História, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil

Publicado

2020-10-19

Como Citar

Machado, C. B. (2020). REPRESENTAÇÕES DE PODER EM MAYOMBE: “OS HOMENS SERÃO PRISIONEIROS DAS ESTRUTURAS QUE TERÃO CRIADO”. Revista Brasileira De Estudos Africanos, 5(9). https://doi.org/10.22456/2448-3923.100444