A semântica da complexidade e sua estrutura social: o materialismo "pós-estruturalista" da teoria dos sistemas

Autores

  • Pablo Holmes Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-020004713

Palavras-chave:

Teoria dos sistemas – complexidade – estrutura/semântica – materialismo sistêmico

Resumo

Este artigo explora a diferença entre estrutura e semântica como chave explicativa para as reivindicações da teoria dos sistemas acerca de suas vantagens como autodescrição sociológica da sociedade moderna. O argumento central é o de que a teoria dos sistemas se utiliza dessa diferença para explicar como estruturas sociais desencadeiam semânticas específicas. A relação entre estrutura social e semântica é mediada pela complexidade das estruturas. Nesse sentido, a teoria dos sistemas se distingue de teorias pós-modernas, do discurso ou do poder. Em lugar de constatar a pluralidade de narrativas e tirar daí consequências muitas vezes precipitadas acerca da contingência, como a centralidade do poder na reprodução social (um primado do “político”), a teoria dos sistemas insiste em um primado do social que aponta para as raízes estruturais da visibilidade dessa contingência. Isso torna a sociedade capaz de refletir sobre suas possibilidades a partir de uma teoria adequada à sua própria complexidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-04-17

Como Citar

HOLMES, P. A semântica da complexidade e sua estrutura social: o materialismo "pós-estruturalista" da teoria dos sistemas. Sociologias, [S. l.], v. 20, n. 47, 2018. DOI: 10.1590/15174522-020004713. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/63537. Acesso em: 4 out. 2022.