Intelectuais à prova das barricadas: Félix Guattari e a subjetivação militante de 68

Autores

  • Nilton Ken Ota Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-020004703

Palavras-chave:

Maio de 68, engajamento, subjetividade, intelectuais, pensamento francês

Resumo

O legado do pensamento francês dos anos de 1970 não se resume ao conjunto de problemas teóricos e à inventividade conceitual de seus principais representantes. Sua disposição crítica dependeu de intensa interlocução com o contexto político da época, ponto de certa forma negligenciado pelos especialistas, na maioria das vezes excessivamente focados em abordagens monográficas ou apreciações internas às obras de um determinado autor. Exemplo disso, a militância de Félix Guattari tem sido analisada, sobretudo, a partir do conteúdo propositivo extraído de sua teoria, em detrimento da compreensão da conjuntura social na qual ela encontrou seus limites e seus espaços de significação. Uma de suas iniciativas políticas mais marcantes, o Centre d'études, de recherches et de formation institutionnelles (CERFI), vem merecendo pouca atenção e interesse. Nenhum estudo sistemático sobre a organização foi registrado até este momento entre os pesquisadores brasileiros, situação não muito diferente da observada na França. Com apoio de pesquisa documental realizada no arquivo pessoal do autor, depositado no Institut Mémoires de l’édition contemporaine (IMEC), este artigo apresenta e analisa a proposta guattariana de constituição de um processo de subjetivação militante calcada nos valores de 68, colocado em curso, com todos os impasses e contradições, por meio do CERFI.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilton Ken Ota, Universidade de São Paulo

Doutor em Sociologia (FFLCH/USP).

Pesquisador de Pós-doutorado em Filosofia (FFLCH/USP)

Downloads

Publicado

2018-04-17

Como Citar

OTA, N. K. Intelectuais à prova das barricadas: Félix Guattari e a subjetivação militante de 68. Sociologias, [S. l.], v. 20, n. 47, 2018. DOI: 10.1590/15174522-020004703. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/60809. Acesso em: 1 dez. 2022.