Bonecas sexuais

conexões colonizadoras entre fabulações, tecnologias e sexualidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/18070337-125976

Palavras-chave:

Gênero, Teoria Queer, Tecnologias Sexuais, Bonecas sexuais, Mercado do sexo

Resumo

Resenha do livro: RUBERG, Bo. Sex dolls at sea: imagined histories of sexual technologies. Cambridge: The MIT Press, 2022.

Em Sex Dolls at Sea: Imagined Histories of Sexual Technologies, Bo Ruberg assume a genealogia foucaultiana e a leitura feminista como método para esmiuçar a nebulosa intersecção entre fabulação, história e ciência que paira as dames de voyage. A partir de análise bibliográfica e investigação em arquivos, filmes, jornais, relatos e uma diversidade de outros documentos, a pesquisadora não só desvela práticas acadêmicas viciosas e misóginas no século XX e XXI, mas também, como o imaginário em torno das bonecas de viagem moldaram a indústria do mercado sexual a criar uma série de tecnologias sexuais como bonecas infláveis, vibradores e brinquedos de borracha. Nesse processo, o limiar entre bonecas, bonecas sexuais, “ser mulher”, profissional do sexo, santas, vai sendo borrado, modelizando visões de posse, uso, descarte, pureza às corporalidades feminilizadas, ao mesmo tempo em que narrativas e estruturas de poder masculinas, colonizadoras e eurocêntricas vão condicionando as práticas sexuais, o imaginário sobre o sexo e os produtos que consumimos. Os robôs sexuais são apresentados como o futuro, e, diante de uma sociedade solidificada em discursos que segregam mulheres, pessoas queer e negras do âmbito da produção e consumo de tecnologias, sobretudo as digitais, é importante desestabilizar essas narrativas dominantes, identificando como as tecnologias sexuais foram imaginadas e agenciam as práticas sociais contemporâneas, para que possamos produzir outras perspectivas para o futuro em que a inclusão e o prazer sejam centrais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilmar Montargil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestre e Doutorando em Comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCOM/UFRGS). Mestre em Estudos da Linguagem pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (PPGEL/UTFPR).

Referências

ARENDT, Hannah. Truth and politics. In: ARENDT, H. Between past and future: eight exercises in political thought. Nova York: Penguin, 1977. p. 227-264.

BOZON, Michel. Sociologia da Sexualidade. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

GOULART, Lucas A. Jogos vivos para pessoas vivas: Composições queer-contrapúblicas nas culturas de jogos digitais. 2017. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

GRAY, Kishonna L. Intersectional tech: black users in digital gaming. Baton Rouge: Louisiana State University Press, 2020.

HALBERSTAM, Jack. Female Masculinity. Durham: Duke University Press, 1998.

HARAWAY, Donna. A manifesto for cyborgs: Science, technology, and socialist feminism in the 80’s. In: SEIDMAN, S. (ed.). The postmodern turn: news perspectives on social theory. Nova York: Cambridge University Press, 1994. p. 82-118.

MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Editora Cultrix, 1969.

MONTARGIL, Gilmar. Loopando e barbarizando com streamers queers: precarização do trabalho, audiovisualidade tecnogendrada e hackeamentos do corpo-mídia. 2023. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2023.

MORTENSEN, Elvira T. Anger, fear and games: the long event of #Gamergate. Games and Culture, v. 13, n. 8, p. 787-806, 2018. https://doi.org/10.1177/1555412016640408

PRECIADO, Paul B. Pornotopia: PLAYBOY e a invenção da sexualidade multimídia. São Paulo: n-1 edições, 2020.

PRECIADO, Paul B. Testo Junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. 1. ed. São Paulo: n-1 edições, 2018.

RODRIGUES, Letícia. Questões de gênero em jogos digitais: uma coleção de recursos educacionais abertos em apoio à mobilização. 2017. Dissertação (Mestrado em Tecnologia e Sociedade) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

RUBERG, Bo. Sex dolls at sea: imagined histories of sexual technologies. Cambridge, MA: The MIT Press, 2022.

RUBERG, Bonnie. The queer games avant-garde: how LGBTQ game makers are reimagining the medium of video games. Durham: Duke University Press Books, 2020.

RUBERG, Bonnie. Video games have always been queer. Nova York: NYU Press, 2019.

Downloads

Publicado

2023-07-12

Como Citar

MONTARGIL, G. Bonecas sexuais: conexões colonizadoras entre fabulações, tecnologias e sexualidades. Sociologias, [S. l.], v. 25, n. 62, 2023. DOI: 10.1590/18070337-125976. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/125976. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Resenhas