Derrubar para Edificar

presenças e ausências raciais e de gênero no Museu de Arte Contemporânea do Ceará

Autores

  • Guilherme Marcondes dos Santos Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará (PPGS/UECE) https://orcid.org/0000-0001-6114-7944

DOI:

https://doi.org/10.1590/18070337-124311

Palavras-chave:

Arte Contemporânea, Gênero, Racialidade, Legitimação, Brasil

Resumo

Compreendendo os museus como espaços de preservação, divulgação e construção da memória, o acervo do Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC/CE) foi tomado para análise. O objetivo da pesquisa era entender quem eram os(as/es) artistas cujas produções estéticas compunham o acervo da instituição em termos raciais e de gênero. A pesquisa entrecruzou, então, a sociologia da arte com a sociologia das relações étnico-raciais e a sociologia do gênero, com especial enfoque nas teorias feministas negras, tendo como questão de trabalho, portanto, a pergunta: qual o papel da racialidade e do gênero no processo de legitimação de artistas no campo da arte contemporânea brasileira? Este artigo descreve o processo de pesquisa e seus resultados (que incluem uma exposição realizada no MAC/CE), apresentando as ausências e presenças no acervo em questão. Apesar do senso comum tomar o universo das artes visuais como um espaço de liberdade, cujas regras seriam menos rígidas e discriminatórias, a pesquisa, que contou também com a aplicação de questionário com artistas do acervo, indica que os padrões estabelecidos na sociedade envolvente também se fazem presentes no mundo da arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Marcondes dos Santos, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará (PPGS/UECE)

Professor Adjunto do Departamento de Sociologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É também Doutor e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da UFRJ com pós-doutorado em Sociologia no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará. Suas pesquisas entrecruzam a sociologia da arte e da sociologia das relações étnico-raciais.

Referências

BECKER, Howard S. Art worlds. Berkeley: University of California Press, 2008 [1982].

BENTO, Aparecida. O pacto da branquitude. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

BICUDO, Virgínia. Atitudes raciais de pretos e mulatos em São Paulo. Organizado por Marcos Chor Maio. São Paulo: Editora Sociologia e Política, 2010 [1945].

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

COLETIVO COMBAHEE RIVER. Manifesto do Coletivo Combahee River. Tradução: Stefania Pereira e Letícia Simões Gomes. PLURAL, Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da USP, v. 26, n. 1, p. 197-207, 2019 [1977].

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

ELIAS, Norbert. Mozart – Sociologia de um gênio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1995.

GOMES, Mariana S. Dos museus dos descobrimentos às exposições do Império: o corpo colonial em Portugal. Revista Estudos Feministas, v. 27, n. 3, 2019.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Organizado por Flávia Rios e Márcia Lima. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HEINICH, Nathalie. Práticas da arte contemporânea: uma abordagem pragmática a um novo paradigma artístico. Revista Sociologia & Antropologia, v. 4, n. 2, p. 373-390, 2014.

HILL COLLINS, Patricia. Pensamento feminista negro. Trad. Jamille Dias. São Paulo: Boitempo, 2019.

HOOKS, bell. Olhares negros – raça e representação. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação – episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. In: BUARQUE DE HOLLANDA, H. (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

MARCONDES, Guilherme. Procuram-se artistas: aspectos da legitimação de (jovens) artistas da arte contemporânea. Rio de Janeiro: Editora Telha, 2021.

MARCONDES, Guilherme. Arte e consagração: os jovens artistas da arte contemporânea. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

MARCONDES, Guilherme. Arte contemporânea e legitimação: o caso das jovens artistas. Cadernos Pagu, n. 60, e206012, 2020.

MARCONDES, Guilherme. Arte, Crítica e Curadoria: Diálogos sobre Autoridade e Legitimidade. Dissertação (Mestrado em Sociologia e Antropologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

MARCONDES, Guilherme. Autoridade e discurso: uma análise da trajetória de Mário Pedrosa. Revista Habitus: revista eletrônica dos alunos de graduação em Ciências Sociais – IFCS/UFRJ, v. 9, n. 1, p. 62-79, 2011.

MAYAYO, Patricia. En busca de la Mujer Artista. In: MAYAYO, P. Historias de mujeres, historias del arte. Madri: Cátedra, 2003.

MBEMBE, Achille. Políticas da Inimizade. São Paulo: N-1 Edições, 2020.

MOURA, Clovis. Rebeliões da senzala: quilombos, insurreições, guerrilhas. São Paulo: Anita Garibaldi, 2014 [1959].

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro – processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NASCIMENTO, Abdias. O quilombismo. Petrópolis: Vozes, 1980.

NOCHLIN, Linda. Why there have been no great women artists? Art and sexual politics. Nova York: Macmilan Publishing Co, 1973.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (org.). Epistemologias do sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.

SCHWARCZ, Lilia. O espetáculo das raças – Cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCOTT, Joan. Genre : une categorie utile d’analyse historique. Cahiers du GRIF, n. 37-38, p. 125-153, 1988.

SILVA, Denise F. da. A dívida impagável. São Paulo: Oficina de Imaginação Política, 2019.

SIMIONI, Ana Paula C. Entre convenções e discretas ousadias: Georgina de Albuquerque e a pintura histórica feminina no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 50, p.143-159, 2002.

SOFIO, Séverine. Como ter sucesso nas artes sem ser um homem? Manual para artistas mulheres do século XIX. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 71, p. 28-50, 2018.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. Trad. Jamille Dias e Raquel Camargo. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília: UNB, 1999. (Vol. 1).

ZOLBERG, Vera. Para uma Sociologia das Artes. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

Downloads

Publicado

2023-06-29

Como Citar

MARCONDES DOS SANTOS, G. Derrubar para Edificar : presenças e ausências raciais e de gênero no Museu de Arte Contemporânea do Ceará. Sociologias, [S. l.], v. 25, n. 62, 2023. DOI: 10.1590/18070337-124311. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/124311. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos