“Limpar o mundo” em tempos de COVID 19

trabalhadoras domésticas entre a reprodução e a expropriação social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/18070337-121566

Palavras-chave:

trabalhadoras domésticas, feminismo marxista, racismo, capitalismo, divisão sexual do trabalho

Resumo

O objetivo do artigo consiste em pensar o trabalho doméstico remunerado no Brasil em meio à crise pandêmica associada ao novo coronavírus, à luz de perspectivas teóricas que reposicionam, sobre novas bases epistêmicas, as intersecções das opressões de classe, gênero e raça enquanto elementos estruturantes do sistema capitalista. Dados estatísticos mostram o impacto da Covid-19 e da crise econômica subsequente no aprofundamento da desvalorização, precarização e no empobrecimento de trabalhadoras domésticas, em sua maioria mulheres negras, pouco escolarizadas e com baixo acesso a políticas sociais. A pandemia, em suas graves consequências tornou latentes as hierarquias raciais e de gênero, tributárias da experiência da colonialidade e da escravidão, prolongadas e mantidas em permanente reinvenção no contexto brasileiro. Por fim, o artigo, apoiando-se na proposição teórica inovadora de Nancy Fraser a respeito da categoria “expropriação”, propõe aplicá-la em combinação à noção de “reprodução social”, encetada pelo feminismo marxista há mais de quatro décadas, para situar o trabalho doméstico remunerado no encontro dessas duas “condições de possibilidade” do capitalismo contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Teixeira, Universidade Federal do ABC

Doutora em Sociologia (USP) e professora da Universidade Federal do ABC, no Centro de Engenharias e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) e no Programa de Pós-graduação em Ciências Humanas e Sociais

Priscila dos Santos Rodrigues, Universidade Federal do ABC

Graduada em Sociologia e mestranda em Ciências Humanas e Sociais na Universidade Federal do ABC.

Referências

ARRUZZA, Cinzia. Feminismos interseccional e da reprodução social: rumo a uma ontologia integrativa. Cadernos Cemarx, n. 10, 2018, p. 13-38.

ÁVILA, Maria Betânia et al. Reflexões feministas sobre informalidade e trabalho doméstico. Recife: SOS Corpo, 2008.

BERNARDINO-COSTA, Joaze. Sindicato das Trabalhadoras Domésticas no Brasil: teorias da descolonização e saberes subalternos. 2007. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade de Brasília, 2007.

BHATTACHARYA, Tithi. O que é a teoria da reprodução social? Revista Outubro, n. 32, p. 101-113, 2019.

BRITES, Jurema G. Trabalhadoras domésticas e a mobilização digital durante a pandemia da Covid-19. In: PINTO, C. P. et al. Os sindicatos das trabalhadoras domésticas em tempo de pandemia: memórias da resistência. Santa Maria: FACOS-UFSM, 2021. p. 105-121.

BRUSCHINI, Maria Cristina A. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, 2007.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE – CEPAL. Disasters and inequality in a protracted crisis: towards universal, comprehensive, resilient and sustainable social protection systems in Latin America and the Caribbean (LC/CDS.4/3). Santiago: CEPAL, 2021. Disponível em: https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/47376/3/S2100467_en.pdf

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE – CEPAL; ONU MULHERES; ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Trabalhadoras remuneradas do lar na América Latina e no Caribe frente à crise do COVID-19. Santiago: CEPAL, 2020. Disponível em: https://www.cepal.org/pt-br/publicaciones/45725-trabalhadoras-remuneradas-lar-america-latina-caribe-crise-covid-19

CHANCEL, Lucas; PIKETTY, Thomas; SAEZ, Emmanuel; ZUCMAN, Gabriel. World Inequality Report 2022. [S. l.]: World Inequality Database, 2021. Disponível em https://wir2022.wid.world/

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS – DIEESE. Brasil: a inserção das mulheres no mercado de trabalho. São Paulo: DIEESE, 2021. Disponível em: https://www.dieese.org.br/outraspublicacoes/2021/graficosMulheresBrasilRegioes2021.pdf

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS – DIEESE. Quem cuida das cuidadoras: trabalho doméstico remunerado em tempos de coronavírus. Estudos e Pesquisas, n. 96. São Pulo: DIEESE, 2020. Disponível em: https://www.dieese.org.br/estudosepesquisas/2020/estPesq96covidTrabalhoDomestico.html

FRASER, Nancy. Por trás do laboratório secreto de Marx. Por uma concepção expandida do Capitalismo. Revista Direito e Práxis, v. 6, n. 10, p. 704-728, 2015.

FRASER, Nancy; JAEGGI, Rahel. Capitalismo em debate: uma conversa na teoria crítica. São Paulo: Boitempo, 2020.

FREITAS, Isabel; MANTOVANI, Denise. Trabalhadoras domésticas na pandemia: visibilidade na mídia e formas de resistência. In: PINTO, C. P. et al. Os sindicatos das trabalhadoras domésticas em tempo de pandemia: memórias da resistência. Santa Maria: FACOS-UFSM, 2021, p. 72-103.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e Sexismo na Cultura Brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, p. 223-244, 1984.

HIRATA, Helena. Novas Configurações da Divisão Sexual do Trabalho. Revista Tecnologia e Sociedade, v. 6, n. 11, 2010. http://dx.doi.org/10.3895/rts.v6n11.2557

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua. Trimestre móvel set./nov. de 2020. Rio de Janeiro: IBGE, 2021. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3086/pnacm_2020_nov.pdf

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Os desafios do passado no trabalho doméstico do século XXI: reflexões para o caso brasileiro a partir dos dados da PNAD Contínua. Texto para discussão 2528. Brasília: IPEA, 2019. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=35231&Itemid=444

IPEA. Vulnerabilidades das trabalhadoras domésticas no contexto da pandemia de Covid-19 no Brasil. Nota Técnica n. 75 (Disoc). Brasília: IPEA, 2020. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/10077

KOFES, Suely. Mulher, mulheres. Identidade, diferença e desigualdade na relação entre patroas e empregadas domésticas. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

MARTINS, Elisa. Casos de abusos a trabalhadoras domésticas crescem durante a pandemia da covid. Jornal O Globo, 13 jul. 2020. Disponível em: https://oglobo.globo.com/brasil/casos-de-abusos-trabalhadoras-domesticas-crescem-durante-pandemia-da-covid-19-24529311

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro I: O processo de produção do capital. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

MATOS, Myllena C. de. Luta jurídica contra a violação de direitos. In: PINTO, C. P. et al. Os sindicatos das trabalhadoras domésticas em tempo de pandemia: memórias da resistência. Santa Maria: FACOS-UFSM, 2021. p. 52-71.

MELO, Hildete P. de. Trabalhadoras domésticas. Revista do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher, v. 4, n. 4, 2002.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Hacer del trabajo doméstico un trabajo decente. Avances y perspectivas una década después de la adopción del Convenio sobre las trabajadoras y los trabajadores domésticos, 2011, n. 189. OIT, 2021. Disponível em: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---ed_protect/---protrav/---travail/documents/publication/wcms_802556.pdf

SAFFIOTI, Heleieth. Emprego doméstico e capitalismo. Petrópolis: Vozes, 1978.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1976.

THE WORLD BANK. Global economic prospects. A world group flagship report. Washington: The World Bank, 2021. Disponível em https://reliefweb.int/report/world/world-bank-global-economic-prospects-june-2021

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

VOGEL, Lise. Marxism and the oppression of women: toward a unitary theory. Nova Brunswick: Rutgers University Press, 2013.

Downloads

Publicado

2022-08-29

Como Citar

TEIXEIRA, A.; RODRIGUES, P. dos S. “Limpar o mundo” em tempos de COVID 19: trabalhadoras domésticas entre a reprodução e a expropriação social. Sociologias, [S. l.], v. 24, n. 60, 2022. DOI: 10.1590/18070337-121566. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/121566. Acesso em: 3 dez. 2022.