Traços de antinegitude em Cabo Verde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-120600

Palavras-chave:

racialização, ontologia do negro, racismo colonialista, africanidade, discursos antinegros

Resumo

A reflexão proposta toma o caso de Cabo Verde para ilustrar a hipótese de que nem mesmo nas nações africanas pós-coloniais se desmantelou o racismo colonialista do quotidiano e, sobretudo, não se conseguiu demolir a antinegritude como afeto predominante na configuração do socius pós-colonial. O texto compreende três momentos analíticos, tomando como objetos: (i) comentários de internautas leitores de um importante jornal do país a respeito de um dos traços mais racializados do carnaval cabo-verdiano; (ii) reflexões de imigrantes a respeito da relação entre cabo-verdianos e os imigrantes africanos; (iii) a história de vida de um imigrante, para descortinar nela traços de antinegritude tramando as relações dos próprios imigrantes entre si.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eufémia Vicente Rocha, Universidade de Cabo Verde

Doutorado e Mestrado em Ciências Sociais pela Universidade de Cabo Verde (2014 e 2009, respectivamente); é licenciada em História - Ramo Científico pela Universidade do Minho, Portugal (2005). Atualmente é professora auxiliar da Universidade de Cabo Verde. Pesquisadora vinculada ao Laboratório de Pesquisa em Ciências Sociais (LPCS) e ao Centro de Investigação e Formação em Gênero e Família (CIGEF), ambos da Universidade de Cabo Verde (UniCV). Atua na área das Ciências Sociais e tem experiência principalmente nos seguintes temas: Migrações e Mobilidades Oeste-Africanas, Relações Étnico-Raciais, Religião, Gênero.

José Carlos Gomes dos Anjos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998). Pós-doutorado em Ecole Normale Superieure de Paris (2007). Atualmente é professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul atuando na Pós-Graduação em Sociologia e Desenvolvimento Rural. Trabalha com Sociologia de elites e Relações Interétnicas, Políticas públicas, elites intelectuais, desigualdade racial. 

Referências

AJARI, Norman. La dignite ou la mort : éthique et politique de la race. Paris: Les empécheurs de penser en rond, 2019.

ANJOS, José Carlos dos. A eclosão do turismo sexual em Cabo Verde. In: AS CIÊNCIAS SOCIAIS EM CABO VERDE: QUEM SOMOS E PARA ONDE VAMOS?, 2012, Praia. Anais [...]. Praia: Universidade de Cabo Verde, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/10961/1244.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

DAUN E LORENA, Maria. Classe, memória e identidade em Cabo Verde: uma etnografia do carnaval de São Vicente. 2017. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade de Lisboa, 2012.

DIAS, Juliana B. O carnaval do Mindelo, Cabo Verde: reflexões sobre a festa e a cidade. PragMATIZES-Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura, v. 6, n. 11, p. 95-108, 2016. https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v0i11.10435

DO CANTO, Paulino. As fronteiras insulares no contexto da mobilidade/migrações internacionais: o caso de Cabo Verde (África). Alamedas, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 76–97, 2021. DOI: 10.48075/ra.v9i1.26896. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/alamedas/article/view/26896. Acesso em: 7 nov. 2021.

DO CANTO, Paulino. Mobilidades, Fronteiras e Integração Regional: livre circulação de pessoas na CEDEAO? O caso de Cabo Verde. 2020. Dissertação (Mestrado em Integração Regional Africana) – Universidade de Cabo Verde, Praia, 2020.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

FURTADO, Clementina. Mobilidade na CEDEAO. As condições de entrada e de regularização dos cidadãos comunitários em Cabo Verde. In: ÉVORA, I. (org.). Diáspora cabo-verdiana: temas em debate. Lisboa: CEsA/ISEG, 2016. p. 106-128.

FURTADO, Clementina. As migrações da África Ocidental em Cabo Verde: atitudes e representações. 2012. Tese (Doutorado em Ciências Sociais e Políticas) – Universidade de Cabo Verde, Praia, 2012.

HARTMAN, Saidiya V. et al. Scenes of subjection: terror, slavery, and self-making in nineteenth-century America. Oxford: Oxford University Press, 1997.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo quotidiano. Lisboa: Orfeu Negro, 2019.

MÁRIO Lúcio quis levar Mandingas de Ribeira Bote para o carnaval da Praia. Notícias do Norte, 30 jan. 2013. Disponível em: https://noticiasdonorte.publ.cv/10466/mario-lucio-quis-levar-mandingas-de-ribeira-bote-para-o-carnaval-da-praia/

MARRIOTT, David. Corpsing; or, The matter of black life. Cultural Critique, v. 94, p. 32-64, 2016. https://doi.org/10.5749/culturalcritique.94.2016.0032

MARRIOTT, David. On black men. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2000.

NEVES, Maria dos A. Artes, tradições e educação em Cabo Verde. Mandingas do Mindelo: estórias da história. 2018. Dissertação ( Mestrado em Educação Artística) – Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Viana do Castelo, 2018. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11960/2062.

ROCHA, Eufémia V. Mandjakus são todos os africanos, todas as gentes pretas que vêm de África: xenofobia e racismo em Cabo Verde. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade de Cabo Verde.

SEXTON, Jared. Amalgamation schemes: antiblackness and the critique of multiracialism. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2008.

WILDERSON III, Frank B. The vengeance of vertigo: Aphasia and abjection in the political trials of black insurgents. InTensions, v. 5, p. 1-41, 2011.

WILDERSON III, Frank B. Red, white & black. Durham: Duke University Press, 2010.

Downloads

Publicado

2022-05-31

Como Citar

ROCHA, E. V.; ANJOS, J. C. G. dos. Traços de antinegitude em Cabo Verde. Sociologias, [S. l.], v. 24, n. 59, p. 108–136, 2022. DOI: 10.1590/15174522-120600. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/120600. Acesso em: 14 ago. 2022.