COSMOPOLÍTICAS DA TRADUÇÃO

A POTÊNCIA EPISTÊMICA DAS LITERATURAS NEGRAS E INDÍGENAS

Autores

  • Alan Alves-Brito Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-8915.130954

Resumo

Um dos grandes desafios para o corpo de conhecimento brasileiro, em todas as áreas do conhecimento, é a desarticulação do racismo em suas variadas facetas, sendo o racismo epistêmico, institucional e linguístico de maior interesse no presente ensaio. Ancorado nas ideias de intelectuais negros e indígenas que têm pensado a relação entre a linguagem e as questões étnico-raciais, decoloniais e contracoloniais, alinhando-se às lutas políticas dos movimentos sociais negros e indígenas, apresento uma discussão sobre as cosmopolíticas da tradução. Assim, são apontados vários aspectos que precisam ser levados em conta nos estudos da tradução para que as literaturas negras e indígenas possam ter o seu potencial epistêmico reconhecido na academia, na educação básica e nos espaços de divulgação das ciências da linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-07-27

Como Citar

ALVES-BRITO, A. COSMOPOLÍTICAS DA TRADUÇÃO: A POTÊNCIA EPISTÊMICA DAS LITERATURAS NEGRAS E INDÍGENAS. Organon, Porto Alegre, v. 38, n. 75, 2023. DOI: 10.22456/2238-8915.130954. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/organon/article/view/130954. Acesso em: 30 nov. 2023.