Escolinha de Arte de São Paulo: março de 1968 a junho de 1971. Terceiro Capítulo: a experiência com televisão

Autores

  • Ana Mae Tavares Bastos Barbosa Universidade de São Paulo (USP) - São Paulo/SP Universidade Anhembi Morumbi (UAM) - São Paulo/SP
  • Sidiney Peterson Ferreira de Lima Universidade Estadual Paulista - UNESP - São Paulo/SP

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.62413

Resumo

Este último capítulo do ensaio visual sobre a Escolinha de Arte de São Paulo (EASP)[1] apresenta um estudo de caso com uma criança de sete anos de idade, filho de Ana Mae Barbosa e estudante da Escolinha de Arte. Em 1968, Frederico[2]sofreu de uma grave hepatite e, ao mesmo tempo, teve de ser operado do apêndice. Os médicos, frente à criança, discutiram sobre a gravidade do caso, mencionando o perigo de morte. A criança teve que ficar isolada com a mãe por mais de um mês em um quarto anexo à lavanderia, no subsolo de sua casa, sem nenhum outro contato para não contaminar a irmã, naquele momento, com dois anos de idade. O menino não podia levantar nem para ir ao banheiro e, portanto, ficava, a maior parte do tempo, assistindo à televisão. A educação quase sempre suspeitou do valor da imagem aceitando-a, apenas, como ilustração ou expressão de aula.  Naquela época, se discutia muito acerca dos perigos educacionais e formativos da televisão para as crianças, como hoje se discute a dependência do computador e dos celulares. A pedagogia visual dava seus primeiros passos e foi usada intensamente com Frederico neste período. Logo após assistir a um filme que a própria criança escolhia, a mãe incentivava-o a desenhar algo do filme. Esses desenhos, feitos no período de quase dois meses, formam a narrativa que aqui apresentamos. Fica a cargo do leitor a interpretação acerca das transformações operadas no desenho da criança depois da experiência televisiva. Da nossa parte, consideramos que as qualidades de seu desenho se ampliaram em direção a uma narrativa mais rica e a um grafismo mais complexo e movimentado. O ensaio se subdivide em cinco momentos:  o primeiro com desenhos feitos por Frederico durante aulas na Escolinha de Arte de São Paulo, antes de adoecer; o segundo são desenhos de quando foi internado; no terceiro momento temos desenhos realizados durante a recuperação, isolado em um quarto, conforme já mencionado. O momento seguinte são desenhos feitos uma semana antes de receber alta. Finalizamos com um desenho feito no retorno da criança às aulas na EASP. Consideramos que neste desenho ele retorna à exploração de materiais e abordagem estética

[1]    Nos três capítulos contamos com a colaboração da designer Ana Basaglia.

[2]    Para este ensaio, Frederico Barbosa autorizou a revelação do seu nome. Ele é poeta e sua mais recente publicação é o livro ‘Na Lata’, São Paulo: Iluminuras, 2013. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Mae Tavares Bastos Barbosa, Universidade de São Paulo (USP) - São Paulo/SP Universidade Anhembi Morumbi (UAM) - São Paulo/SP

Possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco (1960), mestrado em Art Education pela Southern Connecticut State College (1974) e doutorado em Humanistic Education pela Boston University (1978). Atualmente é Professora Titular aposentada da Universidade de São Paulo e professora da Universidade Anhembi Morumbi. Foi presidente da International Society for Education through Art (InSEA), da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP) e diretora do Museu de Arte Contemporânea da USP. Tem livros e artigos publicados em diversos países. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Arte/Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino da Arte e contextos metodológicos, História do Ensino da Arte e do Desenho, Ensino do Design, Administração de Arte, Multiculturalidade, Estudos de Museus de Arte e Estudos Visuais. 

Sidiney Peterson Ferreira de Lima, Universidade Estadual Paulista - UNESP - São Paulo/SP

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE, 2010), mestrado em Artes pela Universidade Estadual Paulista (UNESP, 2014). Experiência na área de Educação, Educação em Museus e Mediação Cultural. Tem desenvolvido pesquisas com foco na história do ensino de artes e na formação de arte/educadores no Brasil.

Downloads

Publicado

2016-04-30

Como Citar

BARBOSA, A. M. T. B.; LIMA, S. P. F. de. Escolinha de Arte de São Paulo: março de 1968 a junho de 1971. Terceiro Capítulo: a experiência com televisão. Revista GEARTE, [S. l.], v. 3, n. 1, 2016. DOI: 10.22456/2357-9854.62413. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/62413. Acesso em: 1 jul. 2022.