A importância de Inalda Xavier para a constituição do patrimônio das artes visuais da UFRPE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.102063

Palavras-chave:

Artes visuais. Inalda Xavier. UFRPE. Oficina Guaianases. Litogravura.

Resumo

Este artigo pretende destacar a importância da artista Inalda Xavier para a constituição do acervo das artes visuais da Universidade Federal Rural de Pernambuco, identificado através de um processo de catalogação de artes realizado pelo projeto “Artes Visuais da UFRPE: revelações identitárias a partir do patrimônio artístico-histórico”, no período de fevereiro a maio de 2019. Apresentamos um painel sobre a história das artes visuais de Pernambuco, especificamente, do período em que Inalda fez parte, destacando a sua contribuição para o campo das artes de Pernambuco e identificamos a influência da artista sobre a construção do patrimônio artístico visual da universidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Énery Gislayne de Sousa Melo, Universidade Federal Rural de Pernambuco — UFRPE, Recife/PE

Doutora e Mestra em Ensino das Ciências com ênfase em Física. Licenciada em Física pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. Atua no ensino de Artes e de Física, e desenvolve atividades de ensino e de popularização da astronomia por meio do projeto Desvendando o Céu Austral. Integra o grupo de pesquisa em Ensino de Ciências e Contemporaneidade (GECIC), trabalhando principalmente nos seguintes temas: uso do teatro no ensino de ciências, aproximações entre a física e as artes, formação de professores, história e filosofia da ciência, representações sociais de ciências e metodologias do ensino de física. Coordenadora do projeto Artes da UFRPE.

Julio Cesar Fernandes Vila Nova, Universidade Federal Rural de Pernambuco — UFRPE, Recife/PE

Doutor em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professor Adjunto 2 do Departamento de Letras da Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE, desde 2009. Tem experiência na área de linguística e ensino de línguas inglesa e portuguesa. É membro do Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL/UFPE). Atua na área de formação de professores e na área de produção cultural. Tem interesse em estudos culturais, gêneros do discurso e letramento.

Vera Conceição Alves Patello, Universidade Federal Rural de Pernambuco — UFRPE, Recife/PE

Graduanda do curso de Artes Visuais/Digitais da Universidade Federal Rural de Pernambuco, integrante do projeto Artes da UFRPE.

Josimar Alves Monteiro, Universidade Federal Rural de Pernambuco — UFRPE, Recife/PE

Graduando do último período do curso de Licenciatura em Artes Visuais da UFRPE. Integrante dos projetos de pesquisa e de extensão Artes da UFRPE.

Referências

ACERVO EDUCATIVO. Catálogo da exposição do Museu de Arte Contemporânea. Olinda: MAC, 2016.

ANUÁRIO PERNAMBUCANO DE ARTE. Catálogo. Recife: Editora Negócios, 2012.

ANUÁRIO PERNAMBUCANO DE ARTE. Catálogo de exposição da Arte Maior Galeria. Recife: Arte Maior Galeria, 2014.

ANUÁRIO PERNAMBUCANO DE ARTE. Catálogo de exposição do Museu do Estado de Pernambuco. Recife: MEP, 2016.

ATEMPORAL. Catálogo de exposição da galeria UFFICI. Recife: Gráfica JB, 2011.

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte: anos 1980 e novos tempos. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BERTELLO, Maria Augusta. Minimanual de pesquisa em arte. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BELTING, Hans. O fim da história da arte. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

BORDIEU, Pierre. O amor pela arte: os museus de arte na Europa e seu público. São Paulo: Zouk, 2003.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte. Brasília, DF: Ministério da Educação, 1998.

BAZILI, Fabiana Lopes; ZAMPERETTI, Maristani Polidori. A cultura visual na educação das artes visuais: uma pesquisa no ensino fundamental. Revista Travessias, Cascavel, v. 7, n. 1, p. 95-110, 2013.

CARDOSO, Lúcia de Fátima Padilha; SANTOS, Hassan Fellipe dos; TORRES, Niedja Ferreira dos Santos. Recife arte pública: a cidade como campo para ações educativas. In: CADENGUE, Antonio Edson; CONSTÂNCIO, Rudimar. Vida artista: diálogos entre arte/educação e filosofia. Recife: SESC Pernambuco, 2017. p. 911-917. Disponível em: http://congressoarteeducacao.sescpe.com.br/. Acesso em: 27 jun. 2019.

CARVALHO, Maria Auxiliadora; OTERO, Maria Mercedes Dias Ferreira; BARBOSA, Josefa Pereira. Acesso e preservação da coleção Oficina Guaianases de Gravuras. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 16, n. 2, p. 133-137, 2006.

CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 2010.

CLÁUDIO, José. Memória do Atelier Coletivo/Artistas de Pernambuco/Tratos da arte de Pernambuco. Recife: Editoria CEPE, 2010.

GASPAR, Lúcia. Movimento de Cultura Popular. Fundação Joaquim Nabuco, Recife, 2009. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/. Acesso em: 30 maio 2019.

MARTINS, Conceição; LEITÃO, Maria do Rosário de Fátima de. Prédio da reitoria da UFRPE: resgate histórico 1935-2009. Recife: Editora Universitária da UFRPE, 2009.

MARTINS, Jiçara. Um olhar… versos e imagens. Belo Horizonte: Mazza, 2004.

BRITO NETO, José Bezerra de. Carteira de artista: memórias da Associação de Artistas Plásticos de Pernambuco (1968 – 1970). In: ENCONTRO NACIONAL DE HISTÓRIA ORAL, 13., 2016, Porto Alegre. Anais […]. Porto Alegre: Universidade do Rio Grande do Sul, 2016.

OLINDA. Catálogo Olinda arte em toda parte. Olinda: Prefeitura de Olinda, 2011.

OTERO, Maria Mercedes Dias Ferreira (org.). Coleção histórica da Oficina Guaianases de gravuras. Recife: Néctar, 2008.

RECIFE. Lei nº 7.427, de 19 de outubro de 1961. Código de Urbanismo e Obras: codificação das normas de urbanismo e obras. Câmara Municipal do Recife, Recife, 1962. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/legislacao-municipal/2880/leis-de-recife. Acesso em: 30 maio 2019.

RECIFE. Lei nº 16.292, de 29 de janeiro de 1997. Regula as atividades de edificações e instalações no Município do Recife. Diário Oficial do Munícipio, Recife, 31 jan. 1997. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/legislacao-municipal/2880/leis-de-recife. Acesso em: 30 maio 2019.

RECIFE. Imagens do Recife. Recife: Prefeitura do Recife, 1980.

AABB. Um estímulo à cultura em favor do progresso. Revista AABB, Recife, v. 3, n. 9, 1963.

RIBEMBOIM, Jacques, SOUZA, Wilton. Boa Vista: berço das artes plásticas pernambucanas. Olinda: Babbecco, 2014.

RIBEIRO, Sousa Emanuela; ARAÚJO, Bruno de Melo; NEWTON JUNIOR, Carlos. Catálogo da exposição Universidade Federal de Pernambuco: patrimônio artístico em exibição. Recife: Editora UFPE, 2017.

SALLES, Monsenhor Francisco. Folhas secas. Recife: Editora da Academia Pernambucana de Letras, 1972.

SOUZA, Francisco de Sousa. O Movimento de Cultura Popular do Recife 1959-1964. 2014. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

THIOLLENT. Michel. Metodologia da pesquisa-ação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1988.

UFRPE. Projeto pedagógico curricular do curso de Licenciatura em Artes Visuais com ênfase em digitais. Recife: UFRPE, 2019.

UFRPE. Projeto pedagógico curricular do curso de Especialização em Artes e Tecnologias. Recife: UFRPE, 2018.

Downloads

Publicado

2021-03-27

Como Citar

MELO, Énery G. de S.; VILA NOVA, J. C. F.; PATELLO, V. C. A.; MONTEIRO, J. A. A importância de Inalda Xavier para a constituição do patrimônio das artes visuais da UFRPE. Revista GEARTE, [S. l.], v. 8, n. 1, 2021. DOI: 10.22456/2357-9854.102063. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/102063. Acesso em: 25 jun. 2022.

Edição

Seção

Ensino de Artes Visuais em diferentes campos