Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigos

v. 4 n. 2 (2017): Destaques do VI Seminário Discente do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DESENVOLVIMENTO, EXTENSÃO RURAL E GÊNERO: o “social” e suas metamorfoses na ascar

  • Lucas Woltmann
Enviado
December 18, 2017
Publicado
2017-12-18

Resumo

Esta pesquisa reside no estudo da Associação Sulina de Crédito e Assistência
Rural (ASCAR), prestadora de serviços de extensão rural desde 1955.   Estruturada em duas áreas de atuação, “técnica” e “social”, atento, sobretudo, à segunda, materialização do campo de conhecimentos e intervenção surgida no século XIX a partir da emergência do Estado de bem-estar social, no qual temas como pobreza, saúde e educação se converteram em problemas que requeriam formas de planejamento social e de intervenção, visando seu ajustamento a parâmetros modernos de vida e de pensamento. Sendo a área “social” historicamente associada às mulheres, como promotoras e assistidas da extensão rural, o objetivo da pesquisa consiste em compreender que papeis as relações de gênero desempenharam na história da instituição, buscando analisar suas implicações contemporâneas. Para tal, foram realizadas análises  documentais e entrevistas junto a quinze extensionistas, interpretando-as à luz de conceitos e problemas ligados a gênero e ao discurso desenvolvimentista. Os resultados parciais apontam a existência de disputas internas na instituição em virtude de uma histórica desvalorização da área “social”, das mulheres que a praticam e dos saberes que aportam, movimentos que, associados às metamorfoses na extensão rural e ao risco de perda da certificação socioassistencial cedida à associação, conduzem a um repensar do papel desses agentes e da extensão rural.

Downloads

Não há dados estatísticos.