Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Temática Livre - Artigos

v. 9 n. 1 (2022): Edição Temática Livre

"Da Casa-Grande para a Senzala”: : o surgimento do coronavírus e o agravamento das vulnerabilidades das empregadas domésticas no Brasil

Enviado
May 31, 2022
Publicado
2022-12-02

Resumo

A pandemia de Covid-19 assolou o mundo deixando um rastro de destruição em todos os lugares. Além das consequências diretas da infecção, repercutiu nas condições de vida de grande parte da população, sobretudo entre os grupos mais vulneráveis, como a população negra, que ocupa os postos de trabalho mais precários, dentre eles, a categoria de empregadas domésticas. O Brasil conta com uma população de mais de cinco milhões de trabalhadores/as domésticos/as, sendo que a maioria desse grupo é composto por mulheres negras, pobres e periféricas. Objetivamos neste artigo debater como a pandemia de Covid-19 agravou o cenário de vulnerabilidades de mulheres negras empregadas domésticas, pobres e moradoras da periferia, tomando como exemplo os casos da primeira vítima do coronavírus no Rio de Janeiro e da morte do menino Miguel, filho de uma empregada doméstica. Mediante uma revisão bibliográfica, buscamos discutir as questões de classe, raça e gênero que permeiam a profissão de empregadas domésticas, contextualizando com as heranças do Brasil escravocrata e colonial. Embora nos últimos anos essa categoria tenha conseguido algumas conquistas legais, ainda é um dos trabalhos pior remunerados, com quase nenhum prestígio e muita precarização. Predominantemente exercido por mulheres, o trabalho doméstico representa um cenário de muita vulnerabilidade, que se agrava ainda mais em tempos de crise como na pandemia do coronavírus e o Estado precisa de um olhar aguçado para combater as desigualdades e a pobreza decorrente dessas situações.

Referências

  1. ALMEIDA, Raquel Mesquita. A morte de Miguel em tempos de pandemia: um estudo de caso a partir da importância do luto na filosofia de Judith Butler. Dilemas, Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, Reflexões na pandemia, p. 01-15, 2021. Disponível em: https://www.reflexpandemia2021.org/texto-100. Acesso em: 05 jan. 2022.
  2. ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro, 2019. 264p.
  3. BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha. Mulher, casa e família: cotidiano nas camadas médias paulistanas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1990. p. 40-59.
  4. BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Tradução Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017. 288p.
  5. COSTA, Joaze Bernardino. Decolonialidade e interseccionalidade emancipadora: a organização política das trabalhadoras domésticas no Brasil. Revista Sociedade e Estado, v. 30, nº 1, janeiro /abril. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/se/a/tjznDrswW4TprwsKy8gHzLQ/. Acesso em: 08 jul. 2020.
  6. COSTA, Sérgio. Desigualdades, interdependências e afrodescendentes na América Latina. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v. 24, n. 2, p. 123-145, novembro 2012.
  7. DUARTE, Isabella. Empregadas domésticas negras no cenário da pandemia: aspectos sobre a vulnerabilidade. Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v. 24, n. 49. p. 75-92, jul./out 2020. Disponível em: http://lexcultccjf.trf2.jus.br/index.php/revistasjrj/article/view/441. Acesso em: 12 jan. 2022.
  8. FREYRE, Gilberto. Casa-grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48 ed. São Paulo: Global, 2003.
  9. GUIMARÃES, Antonio S. Racismo e Antirracismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1999.
  10. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD CONTÍNUA: Principais destaques da evolução do mercado de trabalho no Brasil 2012-2020. Rio de Janeiro: IBGE, 2021. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/17270-pnadcontinua.html?edicao=27762&t=downloads. Acesso em: 10 jan. 2022.
  11. MELO, Maria Luisa de. Primeira vítima do RJ era doméstica e pegou coronavírus da patroa no Leblon. Uol Notícias, 19 de março de 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/03/19/primeira-vitima-do-rj-era-domestica-e-pegou-coronavirus-da-patroa.htm. Acesso em: 10 jan. 2022.
  12. PINHEIRO, Luana et al. Os desafios do passado no trabalho doméstico do século XXI: reflexões para o caso brasileiro a partir dos dados da PNAD Contínua. Texto para Discussão. Brasília: IPEA, 2019. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/9538. Acesso em: 12 nov. 2021.
  13. PINHEIRO, Luana; TOKARSKI, Carolina; VASCONCELOS, Marcia. Vulnerabilidades das trabalhadoras domésticas no contexto da pandemia de Covid-19 no Brasil. Nota Técnica. N. 75. Brasília: IPEA, 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=35791. Acesso em: 12 jan. 2022.
  14. SANCHES, Solange. Trabalho doméstico: desafios para o trabalho decente. Estudos Feministas, Florianópolis, 17(3): 879-888, setembro-dezembro, 2009. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/ref/v17n3/v17n3a16.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2020.
  15. TELLES, Edward. Racismo à brasileira: Uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume Dumará, Fundação Ford, 2003.

Downloads

Não há dados estatísticos.