Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Temática Livre - Artigos

v. 9 n. 1 (2022): Edição Temática Livre

O mercado de carbono como instrumento para a resiliência climática

Enviado
May 31, 2022
Publicado
2022-12-02

Resumo

O estudo busca correlacionar as necessidades de mitigação e adaptação ocasionadas pelas mudanças climáticas com um instrumento internacionalmente criado para incorporação das externalidades negativas decorrentes da emissão de gases de efeito estufa: o mercado do carbono. Foi analisado o cenário internacional de cooperação perante as mudanças do clima, que culminaram com o Acordo de Paris e as metas globais para a redução de emissões. Após, discorreu-se sobre o contexto nacional de tutela dos direitos ecológicos e de promoção de políticas públicas sobre o tema, em especial, apresentou-se o projeto de lei que cria o Mercado Brasileiro de Redução de Emissões. Demonstra-se, ao fim, que o mercado de carbono é uma importante ferramenta de resiliência para o sistema socioeconômico posto.

Referências

  1. AUDIÊNCIA PÚBLICA Interativa sobre o Mercado Brasileiro de Redução de Emissões (PL 528/21). Brasília: Câmara dos Deputados, 2021. (172 min.), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=DUp4qY9tcFw. Acesso em: 20 set. 2021.
  2. BATTAGLINI, Elena. A interpretação de local: além da sustentabilidade no desenvolvimento regional. In: FLORIT, Luciano Félix; SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce; PHILIPPI JUNIOR, Arlindo. Ética Socioambiental. Barueri: Manole, 2019. p. 508-521.
  3. BECK, Ulrich. Sociedade de Risco: Rumo a uma Outra Modernidade. 2. ed. São Paulo: 34, 2011.
  4. BRASIL. COMITÊ INTERMINISTERIAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA. Plano Nacional Sobre Mudança do Clima. Brasília: Governo Federal, 2008. 132 p. Disponível em: https://antigo.mma.gov.br/estruturas/smcq_climaticas/_arquivos/plano_nacional_mudanca_clima.pdf. Acesso em: 11 abr. 2022.
  5. BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, 31 ago. 1981.
  6. BRASIL. Decreto nº 2.653, de 1º de julho de 1998. Promulga a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, assinada em Nova York, em 9 de maio de 1992. Brasília, 01 jul. 1998.
  7. BRASIL. Decreto nº 10.145, de 28 de novembro de 2019. Dispõe sobre o Comitê Interministerial sobre Mudança do Clima, 28 nov. 2009a.
  8. BRASIL. Lei nº 12.187, de 28 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências. Brasília, 29 dez. 2009b.
  9. BRASIL. Projeto de Lei nº 528, de 23 de fevereiro de 2021. Regulamenta o Mercado Brasileiro de Redução de Emissões (MBRE) determinado pela Política Nacional de Mudança do Clima – Lei nº 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Brasília, 23 fev. 2021. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1965628
  10. BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 708. Relator: Ministro Roberto Barroso. Brasília, 2020a.
  11. BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 6121. Relator: Ministro André Mendonça. Brasília, 2019.
  12. BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade Por Omissão nº 59. Relator: Ministra Rosa Weber. Brasília, 2020b.
  13. CEBDS. Conselho Empresarial Brasileiro Para O Desenvolvimento Sustentável. Proposta de Marco Regulatório para o Mercado de Carbono Brasileiro. Cebds, 2021. Disponível em: https://cebds.org/wp-content/uploads/2021/08/cebds.org-mercado-de-carbono-marco-regulatorio-mercado-carbono-marco-regulatorio-sem-olhos.pdf. Acesso em: 20 set. 2021.
  14. CANOTILHO, J.J.G.; LEITE, J.R.M (org.). Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. 6. Ed. São Paulo: Saraiva, 2015.
  15. CARSON, Rachel. Primavera Silenciosa. 2. Ed. São Paulo: Melhoramentos, 1969.
  16. CAÚLA, Bleine Queiroz; RODRIGUES Francisco Lisboa. O estado de coisas inconstitucional ambiental. Revista de Direito Público Contemporânea, ano 2, v. 1, n. 2, p. 137-151, jan.-jul. 2017. Disponível em: http://www.rdpc.com.br/index.php/rdpc/article/view/42 . Acesso em: 10 abr. 2022.
  17. IPCC, 2022: Climate Change 2022: Impacts, Adaptation, and Vulnerability. Contribution of Working Group II to the Sixth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [H.-O. Pörtner, D.C. Roberts, M. Tignor, E.S. Poloczanska, K. Mintenbeck, A. Alegría, M. Craig, S. Langsdorf, S. Löschke, V. Möller, A. Okem, B. Rama (eds.)]. Cambridge University Press. In Press.
  18. LEITE, José Rubens Morato (coord.). Manual de Direito Ambiental. São Paulo: Saraiva, 2015.
  19. MANCUSO, Stefano. Revolução das plantas. São Paulo: Ubu Editora. 2019.
  20. MEADOWS, Donella H. et al. Limits to Growth: a report for the club of rome's project on the predicament of mankind. New York: Universe Books, 1972. 211 p.
  21. NATIONS, United. Report of the United Nations Conference on the Human Environment. Estocolmo, nov. 1973. Disponível em: https://www.un.org/ga/search/view_doc.asp?symbol=A/CONF.48/14/REV.1 Acesso em: 18.04.2022.
  22. NATIONS, United. Report of the World Commission on Environment and Development: Our Common Future, 1987. Disponível em: http://www.un-documents.net/our-common-future.pdf . Acesso em: 18.04.2022.
  23. NATIONS, United. Paris Agreement. Paris, 12, dez. 2015.
  24. SARLET, Ingo Wolfgang; FERSTENSEIFER, Tiago. Curso de Direito Ambiental. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2021.
  25. SARLET, Ingo Wolfgang; FERSTENSEIFER, Tiago. Direito Constitucional Ambiental: constituição, direitos fundamentais e proteção do ambiente. 5ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2017.
  26. SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 13. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2018.
  27. SEIFERT JUNIOR, Carlos Alberto. Institucionalização e Desinstitucionalização das Políticas Públicas ambientais no Brasil: da concepção à onda reversa. 2021. 131 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós Graduação em Políticas Públicas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2021. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/224760/001126897.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 14 set. 2021.
  28. SILVA, Christian Luiz da (org.). Políticas Públicas e indicadores para o Desenvolvimento Sustentável. São Paulo: Saraiva, 2010.
  29. SEEG (Brasil). Análise das emissões brasileiras de Gases de Efeito Estufa: e suas implicações para as metas climáticas do brasil 1970 - 2020. Brasil, 2021. Disponível em: https://seeg-br.s3.amazonaws.com/Documentos%20Analiticos/SEEG_9/OC_03_relatorio_2021_FINAL.pdf. Acesso em: 01 abr. 2022.
  30. SEROA da Motta, Ronaldo. As Vantagens Competitivas do Brasil nos Instrumentos de Mercado do Acordo de Paris. Instituto Clima e Sociedade: Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: https://59de6b5d-88bf-463a-bc1c-d07bfd5afa7e.filesusr.com/ugd/d19c5c_1b6e834d726841ccbd697bc88382c93d.pdf
  31. Acesso em: 15 set. 2021.
  32. SQUEFF, Tatiana de Almeida Freitas Rodrigues Cardoso. Análise Econômica do Direito Ambiental: perspectivas internas e internacional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.
  33. TALANOA. A Política Nacional de Mudança do Clima em 2020: estado de metas, mercados e governança assumidos na Lei 12.187/2009. Rio de Janeiro, Brasil, 2020. Disponível em: https://www.oc.eco.br/wp-content/uploads/2020/12/Politica-Nacional-de-Mudanc%CC%A7a-de-Clima.pdf . Acesso em: 05 out. 2021.
  34. UNFCCC. Kyoto Protocol Reference Manual: on accounting of emissions and assigned amount. Bonn: Climate Change Secretariat (Unfccc), 2008. Disponível em: https://unfccc.int/resource/docs/publications/08_unfccc_kp_ref_manual.pdf. Acesso em: 05 out. 2021.
  35. WALKER, Brian et al. Resilience, Adaptability and Transformability in Social-Ecological Systems, vol. 9, n. 2, Ecology & Society, (2004). Disponível em: www.ecologyandsociety.org/vol9/iss2/art5/. Acesso em: 19 abr. 2022.
  36. WEDY, Gabriel. Desenvolvimento sustentável na era das mudanças climáticas: um direito fundamental. São Paulo: Editora Saraiva Educação, 2018.
  37. Neoliberalism: The Contemporary Debate. New York: Columbia University Press, 1993.

Downloads

Não há dados estatísticos.