Tradutores medievais e tradutoras feministas: a mesma ética de tradução?

Autores

  • Cristian Cláudio Quinteiro Macedo UFRGS
  • Ana Karina Borges Braun UFRGS

Resumo

O objetivo do presente artigo é traçar um paralelo entre os tradutores medievais franceses e as tradutoras feministas canadenses. Para tanto, o autor buscou cinco pontos de comparação. Primeiramente a apropriação do texto de partida, ou seja, em que medida os dois grupos de tradutores, separados geográfica e temporalmente, lidavam com o texto de partida em suas traduções, seja melhorando-os, adaptando-os ou reorganizando-os. Também comparou a busca por legitimidade, quer dizer, os tradutores medievais levantando a questão da tradução para o vulgar diante da autoridade do latim e, por sua vez, as tradutoras feministas buscando legitimar a voz feminina diante do discurso patriarcal. Os esquemas e o didatismo nos prefácios foram outro ponto de comparação, sendo utilizados por ambos os grupos, seja em seu desenho formal, seja em seu papel educativo. As intervenções na língua também foram observadas: os tradutores medievais precisavam criar palavras na língua vulgar para dar conta das significações do latim, e as tradutoras feministas apagavam as marcas sexistas da língua, desconstruindo e reconstruindo palavras. O último ponto de comparação, a visibilidade do tradutor ou da tradutora em sua tradução, demonstrou o quanto os dois grupos
deixavam transparente sua presença nos textos traduzidos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristian Cláudio Quinteiro Macedo, UFRGS

Doutorando em Letras na UFRGS.

Ana Karina Borges Braun, UFRGS

Doutora em Letras pela UFRGS.

Downloads

Publicado

2022-09-05