Esta é uma versão desatualizada publicada em 2021-12-19. Leia a versão mais recente.

As Proposições de Lygia Clark e suas Ressonâncias nas Instituições Artísticas

Autores

  • Thaís Fernanda Rocha Magalhães Universidade Federal de Mato Grosso
  • Maria Thereza De Oliveira Azevedo Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.22456/2179-8001.118745

Palavras-chave:

Arte contemporânea Brasileira. Lygia Clark. Crítica Institucional. Estudos Curatoriais.

Resumo

Este artigo procura estabelecer um diálogo entre arte contemporânea brasileira e os espaços possíveis para que essa prática heterogênea possa ser experienciada. Para o nosso recorte, buscaremos refletir a respeito do modo como a artista Lygia Clark operou uma série de conceitos e proposições que contribuem para a discussão em torno da crítica institucional, estudos curatoriais e reestruturação de arquiteturas que possam acolher trabalhos propositivos cuja materialidade é um elemento secundário. Dentro desta pesquisa, acercaremos a expressão “estado singular da arte sem arte” que sugere o questionamento de alguns códigos canônicos do sistema da arte.

 

Abstract
This article seeks to discuss issues such as the relevance, fragility and recomposition of spaces that are intended to systematize, organize and disseminate artistic thought, especially when the work of art demands settings that exceeds the conventional arrangement of art objects. Therefore, we will approach the case of Lygia Clark, an artist whose work challenges the modes of reception practiced in the canonical art system. Thus, articulating two notions created by the artist, proposer and singular state of art without art, we propose a framework to investigate the limits and possibilities of institutional spaces destinated to the fruition of Contemporary Art

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Fernanda Rocha Magalhães, Universidade Federal de Mato Grosso

Artista Visual, pesquisadora e professora formada em Artes Visuais, pela Escola de Belas Artes da UFMG, com trabalho final sobre a arte ameríndia brasileira. Doutoranda em Estudos de Cultura Contemporânea na Universidade Federal de Mato Grosso na linha de pesquisa Poéticas Contemporâneas, sob orientação da professora Dra. Maria Thereza Azevedo. O título de sua pesquisa de doutorado é Caminhando com Lygia Clark: a nostalgia do singular estado de Arte sem Arte. Produz esculturas e faz pesquisas em desenho, pintura, fotografia e registra parte da cartografia da sua tese em experimentos entre o lápis, a aquarela e as palavras. Participante, desde 2018, do Grupo de pesquisa Artes Híbridas, Intersecções, Contaminações, Transversalidades.

Maria Thereza De Oliveira Azevedo, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Artes Cênicas pela USP. Cineasta, propositora de Poéticas Urbanas. Pesquisadora Associada do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea. ECCO/UFMT. Orienta Mestrado e doutorado em Poéticas Contemporâneas. Líder do Grupo de Pesquisa Artes Híbridas: intersecções, contaminações, transversalidades. No Grupo de pesquisa desenvolveu as seguintes pesquisas integradas: Artes da cena em Abya yala: feminismos e decolonialidade (2016) Corpo, performance, escritas e espaços: as artes da cena no contemporâneo.(2015) Transversalidades: artes visuais, teatro e cinema.(2014) Arte, cidade e interconexões.(2012) Derivas percursos, imagens e escutas: imersões sobre a cidade de Cuiabá.(2009). Coordenou o projeto Cidade Pensada em 2012 e o projeto Cidade Possível em 2016. Lider do Coletivo à deriva de intervenções urbanas, desde 2009.

Referências

CAUQUELIN, Anne. Arte Contemporânea: Uma Introdução. Trad. Rejane Janowitzer. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

CAUQUELIN, Anne. Frequentar os Incorporais: Contribuição a uma Teoria da Arte Contemporânea. Trad. Marcos Marciolino. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BARTHES, Roland. Como Viver Junto: Simulações Romanescas de Alguns Espaços Cotidianos. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BASTOS, Rafael José de Menezes. Música nas Sociedades Indígenas das Terras Baixas da América do Sul: Estado da Arte. In: MANA, Vol. 13, n. 2, outubro de 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132007000200001 (Acesso em 06/09/2021).

BARTHES, Roland. Como Viver Junto: Simulações Romanescas de Alguns Espaços Cotidianos. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional [1998]. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOURRIAUD, Nicolas. Formas de Vida: A arte moderna e a invenção de si. Trad. Dorothée de Bruchard. São Paulo: Martins Fontes, 2011a.

BOURRIAUD, Nicolas. Radicante: por uma estética da globalização. São Paulo, Martins Fontes, 2011.

CLARK, Lygia. Breviário sobre o corpo. concinnitas | ano 16, volume 01, número 26, julho de 2015.

CLARK, Lygia. Da supressão do objeto (anotações) [1975] In: Escritos de artistas: anos 60/70 I. Glória Ferreira e Cecília Cotrim (orgs,). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

CLARK, Lygia; OITICICA, Helio; FIGUEIREDO, Luciano (Org.). Lygia Clark – Helio Oiticica: Cartas, [1964-1974]. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.

CLARK, Lygia. A propósito da Magia do Objeto [1965], in Lygia Clark. Col. Arte Brasileira Contemporânea. Funarte, Rio de Janeiro,1980.

COHEN, Ana Paula Carvalho. Reconstituição de um corpo de obra: arte, vida, museus e os diferentes modos de habitá-los. 129 f. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica) — Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2020.

DANTO, Arthur C. Após o Fim da Arte: A Arte Contemporânea e os Limites da História. Trad. Saulo Krieger. São Paulo: Editora Odysseus, 2006.

DISERENS, Corinne; ROLNIK, Suely (orgs.). Lygia Clark: da obra ao acontecimento. Somos o molde. A você cabe o sopro. Catálogo de exposição organizada pelo Musée des Beaux-Arts de Nantes, França (8 de outubro a 31 de dezembro de 2005) e pela Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil (25 de janeiro a 26 de março de 2006), com curadoria de Suely Rolnik e Corinne Diserens. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2006.

ERNST, Bruno, O Espelho Mágico de Escher. [1978]. Trad. Maria Odete Gonçalves Koller. Colônia, 2007

FRASER, Andrea O que é Crítica Institucional? In: concinnitas | ano 15, volume 02, número 24, dezembro de 2014.

FREIRE, Cristina. Arte Conceitual. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2006.

GUATARRI, Felix. Caosmose: Um novo paradigma estético [1992]. Trad. Ana Lucia Oliveira e Lucia Claudia Leão. São Paulo: Editora 34, 2012.

GULLAR, Ferreira. Teoria do não-objeto. Jornal do Brasil, Suplemento Dominical. Rio de Janeiro, 20 dez. 1960

MILLIET, Maria Alice. Lygia Clark: obra-trajeto. São Paulo. EDUSP. 1992.

OITICICA, Hélio, PAPE, Lygia, SALOMÃO, Waly. Aspiro ao grande Labirinto. Rio de Janeiro Editora Rocco, 1986.

OLIVEIRA, Emerson Dionisio G. De.; COUTO, Maria De Fátima Morethy (Orgs.). Instituições da arte. Porto Alegre, RS: Editora Zouk, 2012.

OSÓRIO, Camilo. ARTE, Não-ARTE E A PARTIR DA ARTE. In: pRÊMIO PIPA. 2019. Disponível em: https://www.premiopipa.com/2019/01/arte-nao-arte-e-a-partir-da-arte-texto-critico-de-luis-camillo-osorio/ Acesso em: 11 de fevereiro de 2020.

RAMÍREZ, Mari Carmen. Tactics for Thriving on Adversity: Conceptualism in Latin America, 1960-1980. in: Global Conceptualism: Points of Origin 1950s - 1980s. Queens Museu of Art. New York, 1999.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível – Estética e política. Trad. Mônica Costa Netto. São Paulo: Editora 34, 2005.

ROCHA, Glauber. Uma Estética da Fome. In: Revista Civilização Brasileira, n.3, julho, 1965. Disponível em: http://www.contracampo.com.br/21/esteticadafome.htm Acesso em: 21 de setembro de 2021

ROLNIK, Suely. Arte cura? Lygia Clark e o híbrido arte / clínica. In: concinnitas | ano 16, volume 01, número 26, julho de 2015 Disponível em: <http://caosmose.net/suelyrolnik/pdf/Artecli.pdf>. Acesso em: 29mar. 2020.

ROLNIK, Suely. Memória do corpo contamina do museu. concinnitas ano 9, volume 1, número 12, julho 2008.

ROLNIK, Suely. DISERENS, Corine (Orgs). Uma terapêutica para tempos desprovidos de poesia. In: Lygia Clark: da obra ao acontecimento. Somos o molde. A você cabe o sopro. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2005b.

ROLNIK, Suely. Um singular estado de arte. Folha de S. Paulo, 4 de dezembro de 1994, Seção 6, p.16.

ROLNIK, Suely. Por um estado de arte: a atualidade de Lygia Clark. In TRANS. arts. cultures. Media, Vol. 1, no. 2, 1966. Passim, inc., New York; pp. 73-82. In Núcleo Histórico: Antropofagia e Histórias de Canibalismos, São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1998; pp. 456-467.

WANDERLEY, Lula. O Dragão Pousou no Espaço: Arte contemporânea, sofrimento psíquico e o objeto relacional de Lygia Clark, Rio de Janeiro. Editora Rocco. 2002.

WANDERLEY, Lula. No Silêncio Que as Palavras Guardam: O Sofrimento Psiquico, O

Objeto Relacional de Lygia Clark e as Paixões do Corpo. Org. Kaira M. Cabañas. São Paulo: Editora n-1. 2021

Lygia Clark: Uma retrospectiva. Exposição dedicada a Lygia Clark pelo Itaú Cultural. Disponível em: http://www.itaucultural.org.br/lygia-clark-uma-retrospectiva-observe-interaja-participe-da-arte. Acesso em: 10 de maio de 2018.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-12-19

Versões

Como Citar

Magalhães, T. F. R., & Azevedo, M. T. D. O. (2021). As Proposições de Lygia Clark e suas Ressonâncias nas Instituições Artísticas. PORTO ARTE: Revista De Artes Visuais (Qualis A2), 26(46). https://doi.org/10.22456/2179-8001.118745

Edição

Seção

Artigo e Ensaio | Article and Essay