Testemunho: entre a oralidade e a visualidade

Autores

  • Tiago da Silva Coelho Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Universidade do Extremo Sul Catarinense - Unesc, Instituto Federal de Santa Catarina - IFSC. http://orcid.org/0000-0002-7766-5604

DOI:

https://doi.org/10.22456/2179-8001.108840

Palavras-chave:

Testemunho. Oralidade. Visualidade. Trauma.

Resumo

O presente artigo apresenta uma discussão sobre a importância do testemunho visual, tendo por base a querela iniciada com a exposição Memória dos campos. Fotografias dos campos de concentração e extermínio nazistas de 1933-1999”, apresentada em Paris em janeiro de 2001. As reflexões propostas aqui têm por objetivo discutir as diferentes perspectivas e abordagens sobre os testemunhos como processo de ressignificação do trauma, de modo a ressaltar as disputas entre os processos de depoimentos orais e produções pictóricas.

 

Abstract

This article presents a discussion on the importance of visual testimony, based on the dispute that started with the exhibition “Memoir of the Camps. Photographs of Nazi concentration and extermination camps, 1933-1999”, presented in Paris in January 2001. The reflections proposed here aim to discuss the different perspectives and approaches on the testimonies as a process of resignification of trauma, in order to emphasize the disputes between the processes of oral statements and pictorial productions.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago da Silva Coelho, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Universidade do Extremo Sul Catarinense - Unesc, Instituto Federal de Santa Catarina - IFSC.

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Professor dos Cursos de História e Artes Visuais da Universidade do Extremo Sul Catarinense – Unesc e professor de História do Instituto Federal de Santa Catarina – IFSC, Câmpus Araranguá.

Referências

BURKE, Peter. Testemunha ocular: o uso de imagens como evidência histórica. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

DANZIGER, Leila. Shoah ou Holocausto: a aporia dos nomes. Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG. Belo Horizonte, v. 1, n. 1, out. 2007. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.17851/1982-3053.1.1.50-58>. Acesso em: 7 mar. 2020.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Imagens apesar de tudo. Lisboa. KKYM, Imago, 2012.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Remontagens do tempo sofrido. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Imagens apesar de tudo. São Paulo: Editora 34, 2020.

FABRIS, Annateresa. Abjeção e segredo:5 a fotografia como testemunho e ficção. Ide (São Paulo), São Paulo, v. 38, n. 60, p. 99-112, dez. 2015 .

Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31062015000200008&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 10 jul. 2019.

JABLONKA, Ivan. La historia es una literatura contemporánea: manifiesto por las ciencias sociales. Buenos Aires: FCE, 2016.

JELIN, Elizabeth. La lucha por el pasado: como construimos la memoria social. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina, 2018.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto : Ed. PUC-Rio, 2006.

LA CAPRA, Dominick. La historia y sus limites. Barcelona: Bellaterra, 2016.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

RICOEUR, Paul. A memória, a história e o esquecimento. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

ROBIN, Régine. A memória saturada. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2016.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-06-05

Como Citar

Coelho, T. da S. (2021). Testemunho: entre a oralidade e a visualidade. PORTO ARTE: Revista De Artes Visuais, 26(45). https://doi.org/10.22456/2179-8001.108840

Edição

Seção

DOSSIÊ: Arte e Trauma