Arquitetura escolar: diálogos entre o global, o nacional e o regional na história da educação

Tatiane de Freitas Ermel (Brasil), Marcus Levy Benconstta (Brasil)

Resumo


ARQUITETURA ESCOLAR: DIÁLOGOS ENTRE O GLOBAL, O NACIONAL E O REGIONAL NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

            O ano de 2018 marcou duas décadas da publicação no Brasil da obra organizada por Antonio Viñao Frago e Agustín Benito Escolano, intitulada “Currículo, Espaço e Subjetividade: arquitetura escolar como programa” (1998)[1]. Considerada na época a “caixa preta” dos estudos na área de história da educação, o espaço e a arquitetura escolar tem sido explorados em diversas pesquisas estudos no país, exercitando uma importante interlocução entre história, educação e arquitetura[2].

Revisitando a importância desta publicação, que teve sua segunda edição em 2001, este dossiê propõe dialogar sobre a arquitetura escolar em perspectiva global, nacional e regional, enfatizando o momento de configuração e de consolidação das redes de ensino primária em diferentes países e a constituição da escola como uma instituição independente das demais, o que lhe configurou uma identidade própria. Nesta conjuntura, consideramos a concepção funcional e simbólica que a arquitetura escolar incorporou, tanto nos meios urbanos como nos rurais, acompanhando as demandas pedagógicas, as questões higiênicas, assim como os discursos em torno da formação do cidadão através da escola. 

A historiografia da arquitetura escolar brasileira nos últimos anos expressa nos diferenciados temas e tópicos abordados, a sua importância para o campo da História da Educação. É evidente que algumas lacunas necessitam ser melhor investigadas, tanto do ponto de vista dos recortes temporais como de novas prospecções temáticas. E,  no intuito de visibilizar a trama discursiva e as ações que permeiam essas diferentes dimensões, consideramos, por um lado, a circulação das ideias pedagógicas no âmbito internacional e, por outro, as particularidades nacionais e regionais. Para tanto, objetivamos nesta proposta refletir sobre a arquitetura destinada para a escola primária em diferentes espaços geográficos, entre as últimas décadas do século XIX e primeiras décadas do XX, valendo-se de diferentes pressupostos teóricos-metodológicos.

Nesta perspectiva, consideramos relevante a discussão acerca da transposição de modelos internacionais, os discursos contrastantes, os projetos, as materialidades, as incorporações simbólicas, assim como as representações e a construção visual dos edifícios escolares no traçado urbano e, também, de sua configuração enquanto elemento considerado essencial para a melhoria e/ou qualidade das atividades de ensino e aprendizagem. Ainda, consideramos importante analisar a atuação dos intelectuais e diferentes profissionais, sobretudo médicos, pedagogos, engenheiros e arquitetos na elaboração de discursos e modelos em torno do espaço escolar idealizado, projetado e construído para infância moderna.

Os artigos que integram esse dossiê trazem experiências de seis países, sendo eles: Itália, Luxemburgo e Suíça, da Europa; Argentina, Brasil e México, da América Latina. O estudo de Marianne Helfenberger e Catherina Schreiber apresenta a discussão em torno da construção do cidadão através dos edifícios escolares em uma conjuntura multilingual, analisando os casos de Luxemburgo e Suíça. As autoras problematizam a importância destes espaços no âmbito nacional e local, convertendo-se em agentes de planificação social e tensionando aspectos da arquitetura escolar no processo de unificação e diferenciação dos indivíduos.

Analisando o caso da Itália, Valéria Viola retrata os discursos nacionalistas direcionados para a construção dos espaços escolares pelo regime facista, delineando sua fisionomia através do estudo de diferentes fontes arquivísticas e impressas. A autora identifica um lento processo de instalações e de desenvolvimento dos edifícios escolares, entre os anos 1909 e 1939, destacando a figura ministerial de Giuseppe Bottai e a importância do Regulamento de 1939, que desvincula a ideia de edifício escolar de qualquer tipo de adaptação. Além disso, o mesmo Regulamento expressa as indicações para construções de escolas rurais, compreendidas como elemento fundamental de construção da civilização facista.

Em sua pesquisa sobre o México, Carlos Ibarra analisa as mudanças empreendidas pela Reforma Constitucionalista na Cidade do México, entre os anos de 1914 e 1917, valendo-se do movimento de desenvolvimento da educação e a expansão da rede de ensino para as camadas populares. O autor evidencia o movimento de construção dos edifícios escolares de acordo com as necessidades funcionais e higiênicas, problematizando a descentralização educativa do Estado e a perspectiva local, através do empoderamento dos municípios e a coação dos proprietários agrícolas, industriais e de mineração para o estabelecimento escolas em suas respectivas jurisdições.

O estudo desenvolvido por Nicolás Arata nos remonta ao momento da inauguração de um conjunto de 54 edifícios escolares, na cidade de Buenos Aires/Argentina, entre os anos de 1884 e 1886. O autor analisa o movimento de expansão e redefinição dos espaços escolares inserido em um processo de reformas sociais em um sentido mais amplo, e, entre palavras e ações, as insígnas deste evento inaugural, destacando os discursos, os rituais e a repercussão deste empreendimento na imprensa.

A pesquisa dos organizadores deste dossiê remete ao caso do Brasil, mais especificamente, sobre a arquitetura escolar de duas capitais do sul do país, as cidades de Curitiba/PR e de Porto Alegre/RS, analisando o processo de implementação da escola graduada e suas relações com o traçado urbano. Valendo-se de um exercício reflexivo comparativo, os autores consideraram o estabelecimento de relações entre o interior e o exterior, reconstruindo o significado da arquitetura escolar, nessas duas cidades, e sua representação para o cenário da construção de escolas no Brasil, nos primeiros decênios do século XX.

As investigações sobre arquitetura escolar acima apresentadas desvelam conjunturas históricas que propulsionaram discursos e ações em torno dos espaços escolares. Dentre seus elementos funcionais e simbólicos, estão matizadas propostas educativas, programas governamentais, reformas políticas, concepções pedagógicas, demandas de diferentes grupos sociais e os diversos sujeitos que conceberam e que transformaram essas edificações em lugares memoráveis.


[1] Cabe assinalar que a obra publicada no Brasil esteve vinculada ao dossiê sobre Espaços Escolares, organizado na Revista Historia de la Educación/Salamanca e publicanda em 1994, com 23 artigos e bibliografia específicia sobre o tema. Sobre, ver Escolano (1993-94) e Viñao (1993-94).

[2] Para citar algumas das primeiras produções brasileiras, específicas do campo da História da Educação: Faria Filho (1996); Souza (1997), Moussatche; Mazzoti; Mazzoti (2000), Baltar (2001), Buffa; Pinto (2002), Buffa; Nosella (2002), Dórea (2003) e Bencostta (2005).


Texto completo:

PDF

Referências


BALTAR, Francisca Maria Teresa dos Reis. Arquitetura de escolas no século XIX. Primeiras escolas construídas no Brasil. História da Educação, Asphe, v. 5, n. 10, p. 53-84, set. 2001.

BENCOSTTA, Marcus Levy Albino (org.). História da educação, arquitetura e espaço escolar. São Paulo: Cortez, 2005.

BUFFA, Ester; NOSELLA, Paolo. Schola mater. A antiga Escola Normal de São Carlos, 1911-1933. São Carlos: Editora da Universidade Federal de São Carlos/Fapesp, 2002.

BUFFA, Ester; PINTO Gelson de Almeida. Arquitetura e educação: organização do espaço e propostas pedagógicas dos grupos escolares paulistas, 1893-1971. São Carlos: Brasília: EdUFSCar, INEP, 2002.

DÓREA, Célia Rosângela Dantas. Anísio Teixeira e a arquitetura escolar: planejamento escolas, construindo sonhos. 2003. 255 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, História, Política, Sociedade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

ESCOLANO BENITO, Agustín. La arquitetura como programa: espacio-escuela y curriculum. Revista Historia de la Educación, n. 12-13, p. 97-120, 1993-94.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Dos pardieiros aos palácios: forma e cultura escolares em Belo Horizonte - 1906/1918. 1996. 362 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

MOUSSATCHE, Helena; MAZZOTI, Alda Judith Alves; MAZZOTI, Tarso Bonilha. Arquitetura escolar: imagens e representações. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 81, n. 198, p. 229-315, mai./ago. 2000.

SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de civilização: um estudo sobre a implantação dos Grupos Escolares no estado de São Paulo (1890-1910). 1997. 285 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

VIÑAO FRAGO, Antonio. Del espacio escolar y la escuela como lugar: propuestas y cuestiones. Revista Historia de la Educación, n. 12-13, p. 17-74, 1993-94.

VIÑAO FRAGO, Antonio. El espacio escolar: introducción. Revista Historia de la Educación, n. 12-13, p. 11-16, 1993-94.

VIÑAO FRAGO, Antonio; ESCOLANO BENITO, Agustín. Currículo, espaço subjetividade: a arquitetura como programa. Trad. Alfredo Veiga Neto. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



====================================================================

REVISTA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO / HISTORY EDUCATION JOURNAL

QUALIS/CAPES 2016: Educação - A1 / Ensino - A1 / História - A2 / Interdisciplinar - A2 / Direito - A2 / Linguística e Literatura - B1 / Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo - B1

ISSN online: 2236-3459

E-mail: rhe.asphe@gmail.com

Facebook RHE

Twitter RHE 

Google + (Plus) 

Academia RHE

Linkedin RHE


INDEXADORES / INDEXERS

Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras

Dialnet - Fundación Dialnet

Doaj - Directory of Open Access Journals

Educ@ Scielo FCC - Indexador online de periódicos na área da Educação

EZB - Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Electronic Journals Library)

Google Acadêmico - Google Scholar

Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal

LatinRev - Red Latinoamericana de Revistas Académicas en Ciencias Sociales y Humanidades

OEI - Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciência y la Cultura - Biblioteca Digital

Periódicos Capes - Portal de Periódicos Capes / MEC

PKP - Public Knowledge Project

Qualis Periódicos - Plataforma Sucupira

Redalyc - Sistema de Información Científica Redalyc / Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal

Redib - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

Scielo - Scientific Electronic Library Online

Scopus - Abstract and citation database of peer-reviewed literature: scientific journals, books and conference proceedings

SJR - Scimago Journal & Country Ranking

Sumários.org - Sumários de Revistas Brasileiras

 

PATROCINADORES / SPONSORS

Associação Sul-Rio-Grandense de Pesquisadores em História da Educação - Asphe

Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC/RS

Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Universidade de Caxias do Sul - UCS

Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI

 

AGÊNCIAS DE FOMENTO

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes