Do despertar à omissão estratégica: a política econômica e externa africana entre os governos militar e democráticos da década de 1990

Vico Denis Sousa de Melo

Resumo


A política externa brasileira, nos anos cinqüenta do período republicano, teve o despertar da importância com o continente africano, tendo o seu auge à época do regime militar, especialmente no governo de Ernesto Geisel. Nesse momento, o Brasil, inclusive, reconheceu de forma pioneira a independência e o governo de Angola. Nas décadas de oitenta e noventa, essa relação com o continente tem o seu ponto de inflexão, dada a crise econômica e a emergência de uma nova postura e posicionamento internacional do país. Baseava-se, de certa forma, em percepções governamentais específicas sobre o papel que cabia ao Brasil nas relações internacionais e as formas de traçar estratégias de desenvolvimento.


Palavras-chave


Política Externa; Relações Sul-Sul; Política Econômica

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.19115



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS