TERRITORIALIZAÇÃO NA ATENÇÃO BÁSICA EM MARABÁ-PA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Gabriel Brito Procópio, Carlos Podalirio Borges de Almeida

Resumo


A territorialização na Atenção Básica à Saúde abrange a identificação e o conhecimento das complexidades e necessidades sociais em saúde das populações, comunidades e indivíduos. Este relato de experiência é uma descrição sobre a atividade de estágio supervisionado obrigatório de discentes do curso de Saúde Coletiva de uma Instituição Pública de Ensino Superior na região Sudeste do estado do Pará (PA). A atividade foi desenvolvida no Centro de Saúde Enfermeira Zezinha no município de Marabá, PA. O estágio obrigatório foi dividido em cinco etapas específicas, seguindo uma sequência: 1) Levantamento das informações (características demográficas e de morbidades) sobre a área adscrita do Centro de Saúde Enfermeira Zezinha, com os profissionais de saúde da Estratégia Saúde da Família; 2) Visitas domiciliares com profissionais da saúde (médicos, enfermeiros e agente comunitário de saúde); c) Identificação das principais doenças e agravos de saúde enfrentados pela comunidade da área de serviço de saúde da Estratégia Saúde da Família; d) Elaboração de um mapa da comunidade de abrangência da Estratégia Saúde da Família; e) Elaboração dos relatórios parcial e final. Por meio das visitas domiciliares foram identificados problemas sanitários e sociais que abrangem as vulnerabilidades nas condições de moradia e saneamento básico, até aspectos relacionados ao estado de adoecimento dos moradores. As doenças crônicas não transmissíveis se destacaram pelas taxas elevadas, principalmente a hipertensão arterial sistêmica. O estágio supervisionado proporcionou aos discentes uma compreensão sanitária sobre os aspectos sociais, comunitários, urbanização e condições de moradia. Esta experiência proporcionou, aos discentes, conhecimentos sobre a realidade sociossanitária desta população, por meio da territorialização na área adstrita do Centro de Saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, I. F. G. Desigualdades e políticas públicas de habitação no Brasil. Dissertação (Mestrado em Economia). Universidade Federal da Bahia (UFBA). 158p. Salvador, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/8907/1/Isaura%2520Almeida.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

ARAÚJO, G. B. A. et al. Territorialização em saúde como instrumento de formação para estudantes de medicina: relato de experiência. SANARE, Sobral, v. 16, n. 1, p. 124-129, jan./jun. 2017. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1103/614. Acesso em: 20 abr. 2020.

ARCÊNCIO, R. A. Tecnologias em saúde para análise espacial e diagnóstico situacional dos territórios: contribuições para a enfermagem. Rev. Bras. Enferm., São Paulo, v. 68, n. 6, p. 999-1000, nov./dez. 2015. DOI: 10.1590/0034-7167.2015680601i. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n6/0034-7167-reben-68-06-0999.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

BANDEIRA, O. A. et al. Desafios do saneamento básico na habitação popular: um estudo de caso do residencial jardim cerrado em Goiânia-GO. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 14, n. 25, p. 1788, 2017. Disponível em: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2017a/soc/desafios%20do%20saneamento.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

BARBOSA NETO, H. J. et al. Relato de experiência das atividades de territorialização por residentes multiprofissionais em saúde coletiva. Id on Line Rev. Mult. Psic., Jaboatão dos Guararapes, v. 11, n. 39, p. 292-299, 2017. Disponível em: https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/991/1418. Acesso em: 20 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 10.836, de 9 de janeiro de 2004. Cria o Programa Bolsa Família, altera a Lei nº 10.689, de 13 de junho de 2003 e dá outras providências. Diário Oficial: República Federativa do Brasil: seção 1, Brasília, DF, 9 jan 2004. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2004/lei-10836-9-janeiro-2004-490604-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 20 abr. 2020.

BRASIL. Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Programa de Modernização do Setor Saneamento – PMSS. Unidade de Gerenciamento do Programa – UGP/PMSS. Ferramentas Metodológicas para Diagnóstico Situacional de Sistemas e de Prestadores de Serviços de Abastecimento de Água. Brasília, jan. 2006. Disponível em: https://nexusbr.com/downloads/saneamento/Metodologia%20Diagnostico%20Situacional%20Sistema%20de%20Abas%20Agua.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de orientações sobre o Bolsa Família na Saúde. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_orientacao_sobre_bolsa_familia.PDF. Acesso em: 20 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial: República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Acesso em: 20 abr. 2020.

BEZERRA, A. C. V.; BITOUN, J. Metodologia participativa como instrumento para a territorialização das ações da Vigilância em Saúde Ambiental. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 10, p. 3259-3268, 2017. DOI: 10.1590/1413-812320172210.17722017. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2017.v22n10/3259-3268/pt. Acesso em: 20 abr. 2020.

CAIRES, E. S.; SOUZA JÚNIOR, P. J. S. Territorialização em saúde: uma reflexão acerca de sua importância na atenção primária. Rev. Eletrônica Acervo Saúde, [s. l.], v. 9, n. 1, p. 1174-1177, 2017. Disponível em: https://www.acervosaude.com.br/doc/REAS2.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

CONSELHO NACIONAL DE SECRETÁRIOS DE SAÚDE (CONASS). Planificação da atenção primária à saúde. Oficina 3 – Territorialização em saúde. Guia do Facilitador. Goiás, abr. 2016. Disponível em: https://www.saude.go.gov.br/images/imagens_migradas/uploads/2017/07/manual-oficina-3-territorializacao.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

COSTA, T. S. M. A.; FONSÊCA, G. S. F. Experiências docentes e discentes. Integração ensino-serviço-comunidade no curso de medicina: um relato de experiência. Rev. Saberes Plurais: educação na saúde, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 15-26, 2019. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/saberesplurais/article/view/89786/53659. Acesso em: 20 abr. 2020.

COSTA, T. C.; VASCONCELOS, T. B. Processo de territorialização da residência multiprofissional na cidade de Quixadá/CE: relato de experiência. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, Salvador, v. 15, n. 1, p. 73-81, 2016. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/cmbio/article/view/14363/11101. Acesso em: 20 abr. 2020.

CUNHA, M. A.; BORJA, P. C. O programa de aceleração do crescimento no estado da Bahia e os desafios da universalização do saneamento básico. Urbe – Rev. Bras. Gest. Urbana, Curitiba, v. 10, nov. 2018. Supl.1. DOI: 10.1590/2175-3369.010.supl1.ao09. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/urbe/v10s1/2175-3369-urbe-2175-3369010SUPL1AO09.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

GARBIN, C. A. S. et al. O cuidado para pessoas com HIV/AIDS sob a ótica de agentes comunitários de saúde. Rev. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. e0018508, 2019. DOI: 10.1590/1981-7746-sol00185. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v17n1/0102-6909-tes-17-1-e0018508.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (org.). Métodos de pesquisa. Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica. Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. Disponível em: www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

GIVISIEZ, G. H. N.; OLIVEIRA, E. L. Privacidade intradomiciliar: um estudo sobre as necessidades de ampliações em residência. Rev. Bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, v. 30, n. 1, p. 199-223, jan./jun. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepop/v30n1/v30n1a10.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

GUANAES-LORENZI, C.; PINHEIRO, R. L. A (des) valorização do agente comunitário de saúde na Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 8, p. 2537-2546, 2016. DOI: 10.1590/1413-81232015218.19572015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n8/1413-8123-csc-21-08-2537.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estatísticas de Gênero, uma análise dos resultados do censo demográfico 2010. Proporção de famílias com mulheres responsáveis pela família. Estudos e pesquisas, informação demográfica e socioeconômica. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv88941.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

JUSTO, L. G. et al. A territorialização na Atenção Básica: um relato de experiência na formação médica. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 21, p. 1345-1354, 2017. Supl. 1. DOI: 10.1590/1807-57622016.0512. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v21s1/1807-5762-icse-21-s1-1345.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

LIMA, E. V. C. et al. Territorialização na atenção à saúde da família: um espaço geográfico, social e político em permanente transformação das práticas de saúde. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA. Departamento de Saúde. Feira de Santana, 2011. p. 1020-1023.

MARTINES, W. R. V.; MACHADO, A. L.; COLVERO, L. A. A cartografia como inovação metodológica na pesquisa em saúde. Tempus - Actas de Saúde Coletiva, Brasília, v. 7, n. 2, p. 203-211, 2013.

MARTINS, A. C. T. et al. O Projeto AcolheSUS na Atenção Primária à Saúde do Distrito Federal, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 6, p. 2095-2103, 2019. DOI: 10.1590/1413-81232018246.08492019. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v24n6/1413-8123-csc-24-06-2095.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

MINAS GERAIS. Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais. Qualificação profissional: Agente Comunitário de Saúde. Unidade 3 - A Ação do ACS no Diagnóstico e Planejamento das Ações de Saúde. Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: ESP-MG, 2012. Disponível em: http://esp.mg.gov.br/wp-content/uploads/2012/09/ACS-Unidade-3-Guia-do-Aluno.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

MONKEN, M.; BARCELLOS, C. Vigilância em saúde e território utilizado: possibilidades teóricas e metodológicas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 898-906, maio-jun. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v21n3/24.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

MULLER, E. P. L; CUBAS, M. R; BASTOS, L. C. Georreferenciamento como instrumento de gestão em unidade de saúde da família. Rev. Bras. Enferm., São Paulo, v. 63, n. 6, p. 978-982, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n6/17.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

NEVES, R. T. N. A. Mapeamento do território coberto pela USF Adelmo Alves Terto no

Município de São José do Belmonte - PE. Monografia (Curso de Especialização de Sistema e Serviços de Saúde) – Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2011. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/28535/1/370.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

PEIXOTO, M. T. et al. Formação médica na Atenção Primária à Saúde: experiência com múltiplas abordagens nas práticas de integração ensino, serviço e comunidade. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 23, p. e170794, 2019. Supl. 1. DOI: 10.1590/interface.170794. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v23s1/pt_1807-5762-icse-23-s1-e170794.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

PINTO, R. M. F. et al. Condição feminina de mulheres chefes de família em situação de vulnerabilidade social. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 105, p. 167-179, jan./mar. 2011. DOI: 10.1590/S0101-66282011000100010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n105/10.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

RAUPP, L. et al. Saneamento básico e desigualdades de cor/raça em domicílios urbanos com a presença de crianças menores de 5 anos, com foco na população indígena. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 35, p. e00058518, 2019. Supl. 3. DOI: 10.1590/0102-311x00058518. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v35s3/1678-4464-csp-35-s3-e00058518.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A.; SILVEIRA, M. L. (org.). Território, Globalização e fragmentação. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1998.

SANTOS, A. L.; RIGOTTO, R. M. Território e territorialização: incorporando as relações produção, trabalho, ambiente e saúde na atenção básica à saúde. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 387-406, nov. 2010/fev. 2011. DOI: 10.1590/S1981-77462010000300003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v8n3/03.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

SENNA, M. C. M; BRANDÃO, A. A; DALT, S. Programa Bolsa Família e o acompanhamento das condicionalidades na área de saúde. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 125, p. 148-166, jan./abr. 2016. DOI: 10.1590/0101-6628.060. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n125/0101-6628-sssoc-125-0148.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

SILVA, J. M. Gênero e sexualidade na análise do espaço urbano. Geosul, Florianópolis, v. 22, n. 44, p. 117-134, jul./dez. 2007. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/%20geosul/article/viewFile/12612/11775. Acesso em: 20 abr. 2020.

SILVA, A. M. P.; ROJAS, F. L. L. Cartografia em saúde: mapeando as experiências, desafios e possibilidades no cotidiano do trabalho. Revista Ciência e Estudos Acadêmicos de Medicina, Cáceres, n. 5, p. 30-41, jan/jul. 2016. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/927/1408. Acesso em: 20 abr. 2020.

SILVA, F. S. et al. Foco e cobertura do programa Bolsa Família em crianças das coortes de nascimento BRISA, Ribeirão Preto (São Paulo) e São Luís (Maranhão), Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 35, n. 6, p. e00159718, 2019. DOI: 10.1590/0102-311X00159718. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v35n6/1678-4464-csp-35-06-e00159718.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.