O PAPEL DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE FRENTE AO DESAFIO DA NOVA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA

Helena Pereira Rodrigues da Silva, Michele Neves Meneses, Denise Bueno, Ramona Fernanda Ceriotti Toassi

Resumo


Este ensaio propõe-se a discorrer sobre o papel do Agente Comunitário de Saúde (ACS) à luz do novo texto da Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Partindo da atuação específica desse profissional, o artigo busca contribuir com reflexões acerca do modelo de atenção à saúde que poderá se consolidar a partir dessas transformações. O ACS é essencial na implementação do Sistema Único de Saúde (SUS) por fortalecer a integração entre os serviços de Atenção Básica à Saúde e a comunidade. É personagem protagonista na efetivação de uma prática que considere o conceito ampliado de saúde. Seu trabalho tem como principal objetivo contribuir para a qualidade de vida das pessoas e da comunidade, atuando desde a identificação dos fatores que interferem na saúde, promoção da saúde e prevenção de doenças, exercendo inclusive a função de estimular e organizar as reivindicações da comunidade. As mudanças no texto da PNAB devem ser acompanhadas com atenção, uma vez que o ACS enquanto profissional da equipe da Estratégia Saúde da Família, é um agente promotor de saúde que dialoga com as pessoas em seus territórios e que atua nas desigualdades em saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


BORNSTEIN, V. J.; STOTZ, E. N. Concepções que integram a formação e o processo de trabalho dos agentes comunitários de saúde: uma revisão da literatura. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 259-268, jan./fev. 2008.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Sistema Integrado de Orçamento e Planejamento (SIOP). Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei 8080/90. Lei orgânica da saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, set. 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1886/GM, de 18 de dezembro de 1997. Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. Brasília: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, dez. 1997.

BRASIL. Presidência da República. Constituição (1988). Emenda constitucional n. 51, de 15 de fevereiro de 2006, modifica a Constituição Federal ao acrescentar os §§ 4º, 5º e 6º ao art. 198 da mesma. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, fev. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 204, de 29 de janeiro de 2007. Regulamenta o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços de saúde, na forma de blocos de financiamento, com o respectivo monitoramento e controle. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, jan. 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. O trabalho do Agente Comunitário de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 110p.

BRASIL. Presidência da República. Lei Federal 12.994, de 17 de junho de 2014. Altera a Lei no 11.350, de 5 de outubro de 2006, para instituir piso salarial profissional nacional e diretrizes para o plano de carreira dos Agentes Comunitários de Saúde e dos Agentes de Combate às Endemias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, jun. 2014.

BRASIL. Emenda Constitucional 95, de 15 de novembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº. 2.436 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, set. 2017a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.992 de 28 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o financiamento e transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, dez. 2017b.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Lei nº 7.498, de 25 de Junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências. Legislação para o Exercício da Enfermagem, 1986. 6p. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Decreto 94.406, de 08.06.87. Regulamenta a Lei nº. 7498/86, que dispõe do exercício da Enfermagem e dá outras providências. In: SÃO PAULO. Conselho Regional de Enfermagem. Documentos básicos de Enfermagem. São Paulo, 2001.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Resolução 567, 29 de janeiro de 2018. Regulamenta a atuação da Equipe de Enfermagem no Cuidado aos pacientes com feridas. Brasília: Diário Oficial da União, fev. 2018.

COSTA, S. M. et al. Agente Comunitário de Saúde: elemento nuclear das ações em saúde. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 18, n. 7, p. 2147–2156, jul. 2013.

EVANS, D.; HSU, J.; BOERMA, T. Universal health coverage and universal access. Bull. World Health Organ., Geneve, v. 91, p. 546-546, 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2018.

LAVOR, A. C. H.; LAVOR, M. C.; LAVOR, I. C. Agente comunitário de saúde: um novo profissional para novas necessidades da saúde. SANARE Revista de Políticas Públicas, Sobral, ano V, n. 1, p. 121-128, jan./mar. 2004.

MARIANO, C. M. Emenda constitucional 95/2016 e o teto dos gastos públicos: Brasil de volta ao estado de exceção econômico e ao capitalismo do desastre. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, v. 4, n. 1, p. 259-281, jan./abr. 2017.

REIS, J. R. F.; BORGES, C. F. Contribuições históricas e políticas para a formação de agentes comunitários. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 98-120, 2016.

ROCHA, C. H.; TEIXEIRA, J. R. Complementaridade versus substituição entre investimento público e privado na economia brasileira: 1965-1990. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 50, n. 3, p. 378-384, jul./set. 1996.

SCHIER, A. C. R. Serviço Público: garantia fundamental e cláusula de proibição de retrocesso social. Curitiba: Íthala, 2016.

SCHERER, M. D. A. et al. Rupturas e resoluções no modelo de atenção à saúde: reflexões sobre a estratégia saúde da família com base nas categorias kuhnianas, Interface Comunic., Saúde, Educ., Botucatu, v. 9, n. 16, p. 53-66, set. 2004/fev. 2005.

SILVA, J. A.; DALMASO, A. S. W. Agente de saúde comunitário: o ser, o saber, o fazer. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p. 1433-1434, set./out. 2004.

STIGLITZ, J. O preço da desigualdade. Lisboa: Bertrand, 2014.

STUCKLER, D.; BASU, S. A economia desumana: por que mata a austeridade. Portugal: Bizancio, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.