A IMPORTÂNCIA DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA A CONSOLIDAÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

Larissa Weber, Roger dos Santos Rosa

Resumo


O presente ensaio situa historicamente o processo de reorganização do modelo assistencial em saúde brasileiro, priorizando o campo da saúde mental. A análise avança até a instituição da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Apresenta uma reflexão acerca da contribuição da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde (PNEPS) para a consolidação da RAPS no Brasil. São apresentados quatro aspectos da PNEPS que fortaleceram o modelo de atenção psicossocial em rede vigente: (i) construção de espaços de reflexão e de crítica a respeito das práticas assistenciais que caracterizaram o modelo anterior e das que estão em vigência no modelo atual; (ii) contribuição para desmistificar a crença de que os usuários da saúde mental são perigosos, incapazes e desprovidos de direitos de cidadania; (iii) oferta de um financiamento maior para a educação permanente àqueles municípios que priorizam a cobertura de equipes de saúde da família e de equipes de saúde mental; e (iv) valorização das especificidades regionais no processo de efetivação das mudanças propostas pelo modelo do trabalho em rede. As ações de educação permanente em saúde mental, ao apresentar para as próximas gerações de trabalhadores da saúde mental coletiva o histórico das práticas assistenciais ocorridas no período anterior à Reforma Psiquiátrica, influenciarão positivamente na consolidação das melhorias já conquistadas e na busca por novos avanços.


Texto completo:

PDF

Referências


BARTH, P. O.; LOPES, L. F. M.; ALMEIDA, C. C. A influência da educação permanente sobre os enfermeiros: um desafio para atender a saúde mental. Revista de Enfermagem, Frederico Westphalen, v. 10, n. 10, p. 39-46, 2014.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 set. 1990.

BRASIL. Lei nº 10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo tecnoassistencial em saúde mental. Brasília, 2001a.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Relatório Final da III Conferência Nacional de Saúde Mental. Brasília, 2001b, 213p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 ago. 2007. Seção 1, p. 34.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 30 dez. 2011. Seção 1, p. 59-61.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 31 dez. 2010. Seção 1, p. 88.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS: Brasília, nov. 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança do modelo de atenção. Relatório de Gestão 2003-2006. Brasília, jan. 2007, 85p.

CAMPOS, G. W.S.; DOMITTI, A. C. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 399-400, fev. 2007.

ITÁLIA. Lei 180, de 13 de maio de 1978. Controles e tratamentos sanitários voluntários e obrigatórios, 1978.

LANCETTI, A.; AMARANTE, P. Saúde Mental e Saúde Coletiva. In: CAMPOS, G.W.S. et al. (Orgs.). Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006, p. 615-634.

MÂNGIA, E. F. Formação e educação permanente para produzir boas práticas em saúde mental. Rev. Ter. Ocup., São Paulo, v. 20, n. 2, p. i-ii. maio/ago. 2009.

PANDE, M. N. R.; AMARANTE, P. D. C. Desafios para os Centros de Atenção Psicossocial como serviços substitutivos: a nova cronicidade em questão. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 42, p. 2067-2076, abr. 2011.

RIO GRANDE DO SUL. Lei 9.716, de 07 de agosto de 1992. Dispõe sobre a Reforma Psiquiátrica no Rio Grande do Sul, determina a substituição progressiva dos leitos nos hospitais psiquiátricos por rede de atenção integral em saúde mental, determina regras de proteção aos que padecem de sofrimento psíquico, especialmente quanto às internações compulsórias e dá outras providências. Porto Alegre, 7 ago. 1992.

SILVA, N. S. et al. Desenvolvimento de recursos humanos para atuar nos serviços de saúde mental. Revista Texto e Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 22, n. 4, p. 1144-1149, out./dez. 2013.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Primary Health Care. Genebra: WHO, 1978.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.