QUEM APRENDE O QUE E COM QUEM? EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E INTERSETORIALIDADE COMO DESAFIOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS

Dagmar Estermann Meyer, Luiz Fernando Calage Alvarenga, Sandra dos Santos Andrade, Jeane Félix, José Geraldo Soares Damico

Resumo


O artigo resulta de pesquisa realizada em parceria com as Secretarias de Saúde, Educação e Assistência Social de um município da Grande Porto Alegre, Rio Grande do Sul, responsáveis pela implementação de programas de ‘inclusão social’. Apoia-se na educação permanente em saúde em articulação com teorizações pós-estruturalistas e a análise cultural. O trabalho de campo envolveu a realização de um curso de formação com técnicos (as) e gestores (as), e também grupos focais. Esta análise explora dimensões de duas questões que direcionaram a pesquisa: que aprendizagens podem ser construídas em processos educativos participativos desta natureza? E quem aprende o que, com quem, sobre o quê? Discutiram-se ‘cenas’ que colocaram a intersetorialidade em foco, permitindo o reposicionamento de técnicos (as) e da equipe de pesquisa em relação aos aprendizados esperados. Destaca-se, especialmente, o que foi identificado como entraves e desafios para a implementação e a efetivação da intersetorialidade.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política nacional de educação permanente em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 63 p. (Série B. Textos básicos de saúde).

CECCIM, R. B. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface Comunic., Saúde, Educ., Botucatu, v. 9, n. 16, p. 161-177, set. 2004/fev. 2005.

CECCIM, R. B.; FERLA, A. A. Educação e saúde: ensino e cidadania como travessia de fronteiras. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 6, p. 443-456, 2009.

CECCIM, R. B. Desenvolvimento de competências no trabalho em saúde: educação, áreas do conhecimento e profissões no caso da saúde. Tempus: Actas de Saúde Coletiva, Brasília, v. 6, p. 253-277, 2012.

COSTA, B.; BRONZO, C. Intersetorialidade no enfrentamento da pobreza: o papel da implementação e da gestão. In: FARIA, C. A. (Org.). Implementação de políticas públicas: teoria e prática. Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, 2012.

DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1995.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1995. p. 231-249.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. Paulo: Martins Fontes, 2004.

GILES, J.; MIDDLETON, T. Studying culture: a practical introduction. Oxford: Blackwell Publishers, 1999.

HALL, S. Representation: cultural representation and signifying practices. London: Sage; Open University, 1997.

JUNQUEIRA, L. A. P. Intersetorialidade, transetorialidade e redes sociais na saúde. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 6, p. 35-45, 2000.

KERGOAT, D. Da divisão do trabalho entre os sexos. Tempo Social, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 88-96, 1989.

MEYER, D. E. E. Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica. In: MEYER, D. E. E.; PARAÍSO, M. A. (Org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em Educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 47-62.

MEYER, D. E. E. et al. Políticas públicas: imperativos e promessas de inclusão social. Ensaio, Rio de Janeiro, v. 22, n. 85, p. 1001-1026, 2014a.

MEYER, D. E. E. et al. Vulnerabilidade, gênero e políticas sociais: a feminização da “inclusão social”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 2, p. 885-904, 2014b.

MULLER, P. S. I. Análise das políticas públicas. Pelotas: Educat, 2002.

PACKER, M. The science of qualitative research. New York: Cambridge University Press, 2011.

PARAÍSO, M. A. Raciocínios generificados no currículo escolar e possibilidades de aprender. In: LEITE, C. et al. (Org.). Políticas, fundamentos e práticas do currículo. Porto: Porto Editora, 2011. p. 147-160.

SANTIN, G.; HILLESHEIM, B. Educação permanente em saúde e governamentalidade biopolítica: uma análise genealógica. Revista Polis e Psique, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 43-60, 2013.

SASSAKI, R. K. Panorama geral da inclusão social. In: SEMINÁRIO DE POLÍTICAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE LIMEIRA SOBRE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, 1., 2003, Limeira. Anais...Limeira, 2003.

SHORE, C.; WRIGHT, S. Anthropology of policy: critical perspectives on governance and power. London: Routledge, 1997.

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

THOENIG, J. C. Politique publique. In: BOUSSAGUET, L.; JACQUOT, S.; RAVINET, P. (Org.). Dictionnaire des politiques publiques. Paris: Les Presses de Sciences Po, 2006. p. 328-335.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.