Perspectivas para a formação dos profissionais da saúde: educação interprofissional em foco

Juliana Maciel de Souza Lamers, Ramona Fernanda Ceriotti Toassi

Resumo


A presença da educação interprofissional (EIP) nos currículos da graduação em saúde reforça as atitudes para o trabalho colaborativo em equipe, por meio de um amplo reconhecimento e respeito às especificidades de cada profissão. Este ensaio discute perspectivas para a formação dos profissionais da saúde, a partir do conceito e princípios da EIP. Está organizado em três momentos. O primeiro traz reflexões teórico-conceituais de educação interprofissional em saúde e a inter-relação com o Sistema Único de Saúde (SUS), o segundo apresenta dados sobre a saúde da população brasileira e a formação médica no Brasil e o terceiro trata das possibilidades e desafios para o estabelecimento da educação interprofissional nos cursos de graduação em saúde. Os argumentos apresentados reforçam a relevância da inserção dos fundamentos teóricos e experiências de EIP na formação de profissionais da saúde, a partir da graduação e ao longo de sua trajetória profissional. Pesquisas devem ser consideradas no sentido de trazer mais conhecimento sobre como a EIP pode ser efetivamente planejada e implementada, estabelecendo seu papel em melhorar a colaboração interprofissional no trabalho em equipe e aumentar a qualidade do cuidado em saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUILAR-DA-SILVA, R. H.; SCAPIN, L. T.; BATISTA, N. A. Avaliação da formação interprofissional no ensino superior em saúde: aspectos da colaboração e do trabalho em equipe. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, v. 16, n. 1, p. 165-182, mar. 2011.

BARR, H. et al. Effective interprofessional education: arguments, assumption & evidence. Oxford: Blackwell, 2005.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília, 1988.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pró-saúde: programa nacional de reorientação da formação profissional em saúde. Ministério da Saúde, Ministério da Educação. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 77p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012 (Série E. Legislação em Saúde).

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Brasília, 2014.

CAMPOS, G. W. S. A saúde, o SUS e o programa “Mais Médicos”. Centro Brasileiro de Estudos em Saúde. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2018.

CANADIAN INTERPROFESSIONAL HEALTH COLLABORATIVE. College of Health Disciplines. University of British Columbia. A national interprofessional competency framework. Vancouver, Canadá, Feb. 2010. Disponível em: < https://www.cihc.ca/files/CIHC_IPCompetencies_Feb1210.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Demografia Médica 2015: População médica cresce mais que a geral, mas persistem desigualdades na sua distribuição. Brasília: 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2018.

COSTA, N. M. S. C. Docência no Ensino Médico: por que é tão difícil mudar? Rev. bras. educ. méd., Rio de Janeiro, v. 31, n. 1, p. 21-30, 2007.

CYRINO, E. G. et al. O Programa Mais Médicos e a formação no e para o SUS: por que a mudança? Esc. Anna Nery Rev. Enferm., Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 5-6, jan./mar. 2015.

ELY, L. I. Vivência multiprofissional na graduação em cenários de prática do sistema único de saúde: a potencialidade para a educação interprofissional. Porto Alegre: UFRGS, 2017. 116f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino na Saúde) – Programa de Pós-Graduação Ensino na Saúde, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional de saúde 2013: acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. 100p.

______. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. 137p.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa. Genebra: 2010. Disponível em: http://www.who.int/hrh/nursing_midwifery/en/ Acesso em: 17 jul. 2018.

PEDUZZI, M. et al. Educação interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, n. 47, v. 4, p. 977-983, 2013.

PEDUZZI, M. O SUS é interprofissional. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 20, n. 56, p. 199-201, 2016.

REEVES, S. et al. Interprofessional education: effects on professional practice and healthcare outcomes (update). Cochrane Database of Systematic Reviews, Issue 3, 2013.

REEVES, S. Porque precisamos da educação interprofissional para um cuidado efetivo e seguro. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 20, n. 56, p. 185-196, 2016.

SOUZA, G. C. A.; COSTA, I. C. C. O SUS nos seus 20 anos: reflexões num contexto de mudanças. Saúde Soc., São Paulo, v. 19, n. 3, p. 509-517, 2010.

TOASSI, R.F.C. et al. O ensino nos serviços de atenção primária do Sistema Único de Saúde (SUS) na formação de profissionais de saúde no Brasil. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 17, n. 45, p. 385-392, abr./jun. 2013.

TOASSI, R. F. C; LEWGOY, A. M. Práticas Integradas em Saúde I: uma experiência inovadora de integração intercurricular e interdisciplinar. Interface comun. saúde educ., Botucatu, v. 20, n. 57, p. 449-461, abr./jun. 2016.

VENDRUSCOLO, C.; PRADO, M. L.; KLEBA, M. E. Integração ensino-serviço no âmbito do Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 9, p. 2949-2960, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.