Mulheres deixam traços nas águas?

Autores

  • Alcione Corrêa Alves Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-8915.48291

Resumo

Este artigo, mediante análise do romance Adèle et la pacotilleuse, de Raphaël Confiant, visa a examinar a centralidade da memória às construções identitárias da protagonista Céline Alvarez Bàà. Como aporte teórico à compreensão das construções identitárias no romance de Confiant, recorre-se fundamentalmente ao conceito de memória, apropriado de Paul Ricoeur (2006); e à noçãodelugar, conforme Édouard Glissant (1996), a fim de dar conta da relação entre a globalidade e a localidade, “telle qu´on puisse, sans défaire le lieu, sans diluer le lieu, l´ouvrir”. Como hipótese de trabalho, considera-se que, enquanto Céline privilegiaria o legado materno resolvendo suas construções identitárias em termos de deslocamentos, talvez Bàà enuncie uma pergunta que, não necessariamente, se satisfaça desta maneira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alcione Corrêa Alves, Universidade Federal do Piauí

Departamento de Letras

Área de Literaturas de língua francesa

Downloads

Publicado

2014-10-27

Como Citar

ALVES, A. C. Mulheres deixam traços nas águas?. Organon, Porto Alegre, v. 29, n. 57, 2014. DOI: 10.22456/2238-8915.48291. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/organon/article/view/48291. Acesso em: 25 set. 2022.