ANÁLISE ACÚSTICA DE /l/ PRÉ E PÓS-VOCÁLICO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: DESCRIÇÃO COM BASE NA INFLUÊNCIA DO POLONÊS COMO LÍNGUA DE IMIGRAÇÃO

Autores

  • Aline Rosinski Universidade Federal de Pelotas
  • Giovana Ferreira-Gonçalves Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-8915.122560

Resumo

Este artigo apresenta uma análise de /l/ do português brasileiro, produzida em uma comunidade influenciada pelo polonês como língua de imigração. O segmento no polonês caracteriza-se como menos velarizado (GUSSMANN, 2007) em início e final de sílaba. Assim, analisou-se se, no português de contato com o polonês, a consoante apresenta as mesmas características, em ambas as posições silábicas. Para a investigação, analisaram-se acusticamente produções de /l/ pré-vocálico de falantes de português e polonês como língua de imigração, habitantes da comunidade investigada. Para a análise, foram medidos os valores de F2, F1 e da sua diferença, para determinar o nível de velarização dos segmentos, seguindo Brod (2014) e Recasens (2004). Para comparação com os dados analisados neste estudo, foram retomadas as produções de /l/ pós-vocálico apresentadas em Rosinski (2019). A análise revelou que, tanto em posição pré-vocálica como pós-vocálica, o segmento caracteriza-se como menos velarizado, ainda que, em início de sílaba, os níveis de velarização tenham sido menores. Tem-se, portanto, uma caracterização específica da produção do segmento para a comunidade de fala investigada, cujas práticas sociais – como orações e cantigas recitadas e conversas informais –, realizadas especialmente em seus núcleos familiares, promovem o contato linguístico e tornam peculiar o português local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-07-07

Como Citar

ROSINSKI, A.; FERREIRA-GONÇALVES, G. ANÁLISE ACÚSTICA DE /l/ PRÉ E PÓS-VOCÁLICO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: DESCRIÇÃO COM BASE NA INFLUÊNCIA DO POLONÊS COMO LÍNGUA DE IMIGRAÇÃO. Organon, Porto Alegre, v. 37, n. 73, p. 224–244, 2022. DOI: 10.22456/2238-8915.122560. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/organon/article/view/122560. Acesso em: 27 jan. 2023.