AVALIAÇÃO DO PROTOCOLO DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Autores

  • Ângela Barreto Santiago Santos Serviço de Medicina Interna, Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Porto Alegre, RS, Brasil.
  • Betina Vidotto Imhof Serviço de Medicina Interna, Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Porto Alegre, RS, Brasil.
  • Andréia Biolo Serviço de Medicina Interna, Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Porto Alegre, RS, Brasil.

Palavras-chave:

protocolo, infarto agudo do miocárdio

Resumo

Existem dados na literatura nacional e internacional sugerindo que a implementação de protocolos melhora desfechos. Contudo, sabe-se que as mudanças obtidas não são mantidas a longo prazo. Nós desenvolvemos este projeto para reavaliar o Protocolo de Infarto Agudo do Miocárdio implementado no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Foram utilizados indicadores de qualidade para comparar dados deste Hospital com os existentes em literatura
internacional. Dados dos indicadores de qualidade assistencial foram coletados no sistema de prontuários informatizado Avaliou-se 48 pacientes atendidos na emergência com diagnóstico de infarto agudo do miocárdio (IAM).Vinte e sete do 48 pacientes tiveram IAM com supra de segmento ST. Aspirina foi prescrita em 93,8% e beta-bloqueador em 70,8% dos pacientes nas primeiras 24 horas. Na alta hospitalar, aspirina foi prescrita em 92,7% e beta-bloqueador em
85,4% dos pacientes. O inibidor da enzima de conversão (IECA) foi prescrito em 70,7% e estatina em 85,4%. Setenta e nove por cento dos pacientes foram a cateterismo cardíaco, 56,3% a angioplastia e 6,3% a revascularização miocárdica. Concluímos que os dados obtidos no HCPA são semelhantes aos descritos na literatura internacional, porém aquém do ideal. 

Unitermos: protocolo; infarto agudo do miocárdio

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-02-07

Como Citar

1.
Santiago Santos Ângela B, Imhof BV, Biolo A. AVALIAÇÃO DO PROTOCOLO DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO. Clin Biomed Res [Internet]. 7º de fevereiro de 2020 [citado 7º de dezembro de 2022];26(1). Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/100346

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)