Material Curricular Paulista de Matemática: opção de uso por professores de um município paulista

Autores

  • Maria Raquel Miotto Morelatti Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP http://orcid.org/0000-0002-9962-8513
  • Eliane Maria Vani Ortega Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP http://orcid.org/0000-0002-9962-8513
  • Leny Rodrigues Martins Teixeira Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP Programa de Pós-graduação em Educação http://orcid.org/0000-0003-4984-8187
  • Monica Furkotter Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) Programa de Pós-graduação em Educação http://orcid.org/0000-0003-3479-5289
  • Oscar Massaru Fujita Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP Grupo de Pesquisa GPEA http://orcid.org/0000-0001-5685-5196
  • Luiz Fernando Carvalho Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP Programa de Pós-graduação em Educação http://orcid.org/0000-0002-0605-8532
  • Alex Ribeiro Batista Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP Programa de Pós-graduação em Educação http://orcid.org/0000-0001-5533-3978

Palavras-chave:

Currículo, Proposta Curricular, Professores de Educação Básica, Ensino de Matemática

Resumo

Este artigo analisa o material referente ao Currículo de Matemática do Estado de São Paulo, vigente a partir de 2008, e as percepções dos professores quanto à sua utilização. Trata-se de uma investigação qualitativa, de delineamento analítico-descritivo, fundamentada na análise do material e no questionário aplicado a 80 professores de Matemática da rede pública de ensino do município de Presidente Prudente (SP). O material não aponta mudanças significativas nos conteúdos em relação a currículos anteriores, mas estabelece situações de aprendizagem como organizadoras do ensino. Os resultados evidenciam que a maioria dos professores não usaria espontaneamente o material. As justificativas por eles apresentadas se referem predominantemente à falta de teoria do material e à defasagem de conhecimento do aluno.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Raquel Miotto Morelatti, Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP

Maria Raquel Miotto Morelatti é licenciada em Matemática pela FCT/UNESP/Presidente Prudente, mestre em Matemática pela UFSCar e doutora em Educação (Currículo) pela PUC/SP. Atualmente é docente do Departamento de Matemática e Computação, Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação e líder do Grupo de Pesquisa Ensino e Aprendizagem como Objeto da Formação de Professores (GPEA) da FCT/UNESP/Presidente Prudente - SP. 

Eliane Maria Vani Ortega, Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP

Eliane Maria Vani Ortega é doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP/Marília) e Graduada em Matemática pela UNESP/Presidente Prudente. Atua como professora no departamento de Educação da FCT-Unesp de Presidente Prudente. Desenvolve pesquisas no campo da Educação Matemática e é membro do Grupo de Pesquisa Ensino e Aprendizagem como objeto da Formação de Professores (GPEA).

Leny Rodrigues Martins Teixeira, Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP Programa de Pós-graduação em Educação

Leny Rodrigues Martins Teixeira é graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), mestre e doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela USP). Atualmente é docente do Programa de Pós-graduação em Educação da UNESP/PP orientando trabalhos nas temáticas: aprendizagem escolar, aprendizagem de conceitos matemáticos, ensino e aprendizagem e formação de professores. É membro do Grupo de Pesquisa Ensino e Aprendizagem como Objeto da Formação de Professores (GPEA).

Monica Furkotter, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) Programa de Pós-graduação em Educação

Monica Fürkotter é licenciada em Matemática com mestrado e doutorado em Matemática. Atualmente é docente da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste), atuando no curso de Pós-graduação em Educação, Mestrado. Orienta pesquisas em nível de iniciação científica e mestrado. É membro do Grupo de Pesquisa Ensino e Aprendizagem como objeto da Formação de Professores (GPEA).

Oscar Massaru Fujita, Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP Grupo de Pesquisa GPEA

Oscar Massaru Fujita é doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) e Graduado em Matemática pela UNESP. Atua como professor (G4) no Centro Universitário Toledo Prudente. Membro do Grupo de Pesquisa Ensino e Aprendizagem como objeto da Formação de Professores (GPEA). Suas pesquisas estão direcionadas para a Educação Matemática, a Formação de Professores e a aplicação das TDIC na Educação. 

Luiz Fernando Carvalho, Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP Programa de Pós-graduação em Educação

Luiz Fernando Carvalho é licenciado em Matemática pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP) Campus de Presidente Prudente e mestre em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da mesma Universidade. Atualmente é professor nos anos finais do Ensino Fundamental da rede municipal de Álvares Machado e membro do Grupo de Pesquisa Ensino e Aprendizagem como objeto da Formação de Professores (GPEA). 

Alex Ribeiro Batista, Universidade Estadual Paulista (UNESP) Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT - Presidente Prudente - SP Programa de Pós-graduação em Educação

Alex Ribeiro Batista é licenciado em Matemática pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP) Campus de Presidente Prudente e mestrando em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da mesma Universidade. É membro do Grupo de Pesquisa Ensino e Aprendizagem como objeto da Formação de Professores (GPEA). 

Publicado

2019-10-04

Como Citar

Morelatti, M. R. M., Ortega, E. M. V., Teixeira, L. R. M., Furkotter, M., Fujita, O. M., Carvalho, L. F., & Batista, A. R. (2019). Material Curricular Paulista de Matemática: opção de uso por professores de um município paulista. Educação & Realidade, 44(3). Recuperado de https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/81677

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)