Rasgo como arte

Autores

  • Claudia Teresinha Washington Universidade Federal do Rio Grande, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.22456/2179-8001.124259

Palavras-chave:

Arte, Rasgo, Espaço, Corpo

Resumo

O presente artigo trata da noção de rasgo desenvolvida em pesquisa realizada no Programa de Pós-graduação em Arte da Universidade de Brasília. O rasgo é tratado como uma ação artística que desestabiliza o espaço tautológico, definido como rede.  Nesse movimento ele engendra outros espaços e corpos. Diferencia-se de procedimentos comuns em arte, como a dobra e o nó, pois pressupõe a ruptura das tramas. As suas formas e os seus usos em obras artísticas são um contraponto ao enclausuramento simbólico da arte. Rasgar é uma das ações mais elementares em reposta aos limites.

Abstract

This article deals with the notion of rip developed in a research carried out at the Programa de Pós-graduação em Arte da Universidade de Brasília. The rip is treated as an artistic action that destabilizes the tautological space, defined as a net. In this movement it engenders other spaces and bodies. It differs from common procedures in art, such as the fold and the knot, as it presupposes the rupture of the wefts. Its forms and uses in artistic works are a counterpoint to the symbolic enclosure of art. Ripping is one of the most elementary actions in response to limits

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Teresinha Washington, Universidade Federal do Rio Grande, Brasil

Pesquisadora associada do Institut ACTE – Arts Créations Théories Esthétiques (eixo de pesquisa Arts, science et societés), École des Arts de la Sorbonne, France. Membro do grupo de pesquisa Observatório de Arte Pública, meio ambiente e novos gêneros, Universidade Federal do Rio Grande, Brasil. Claudia Washington é uma artista que explora os espaços como campos de tensões e fluxos materiais, sociais e geológicos. Seu trabalho inclui: instalações no espaço público, performances, trabalhos coletivos, exposições em museus, pesquisa acadêmica. Neles incorpora fotografia, instalação, desenho, traje, textos e vídeo, inclinados ao estabelecimento de situações participativas. Doutora em Arte, pela Universidade de Brasília – UnB e Mestre em Arts Plastiques et Création Contemporaine pela Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne.

Referências

ANA: depoimento [jan. 2010]. Entrevistadores: C. Washington e L. De Araújo. Guaíra-PR, 2010. Entrevista concedida ao Projeto Trânsito à Margem do Lago, FUNARTE, 2010.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. Trad. Iraci D. Poleti. 2. Ed. São Paulo : Boitempo, 2004.

BREA, José Luiz. "Ornamento y utopia - Evoluciones de la escultura en los años 80 y 90" in: Arte, proyectos y ideas. ANO IV, num. 4, Universidad Politécnica de Valencia – Vice Rectorado de Cultura, Mayo de 1996.

CARERI, Francesco. Walkscapes – el andar como practica estetica. Land & Scapes Series. Barcelona: Editor GG, 2002.

CARVALHO, Flávio. Experiência n.º 2: realizada sobre uma procissão de Corpus-Christi: uma possível teoria e uma experiência. Rio de Janeiro: Nau, 2001.

CAUQUELIN, Anne. Arte contemporânea: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Ed. Vozes, 1994.

COLETIVA TETE-A-TETA. Alexandra Martins e Mariana Brites. Corpo, Performance e Política, Brasília (DF), 2013. Disponível em: <http://www.uneb.br/enlacandosexualidades/files/2015/07/relatos-experiencia-pelos-pelos.pdf>. Último acesso em: 20/12/2018.

D'ANGELO, Biagio. Áudio. 1:11 h. Arquivo do autor. Palestra de Renata Azevedo Requião no Colóquio Retina Internacional Movimentos Autofotobiografemáticos. Museu Nacional da República de Brasília. Programa de Pós-Graduação em Arte – UNB, #14.ART-UnB, Université Saint Denis – Paris VIII, Capes. 2015.

DELEUZE, Gilles. A dobra: leibniz e o barroco. Tradução: Luiz B. L. Orlandi. 2.ª edição. São Paulo: Papirus, 2000.

DUCHAMP, Marcel. Manual of Instructions for the assembly of Étant donnés: 1° la chute d'eau, 2° le gaz d'éclairage..., 1966. Medidas: 29.5 x 25 x 4.5 cm. Doação de Cassandra Foundation, 1969. Disponível em: http://www.philamuseum.org/exhibitions/324.html?page=3>. Último acesso em: 5 nov 2015.

ESPAÇO E PODER. "Entrevista de Michel Foucault a Paul Rabinow". Tradução de Heloísa Buarque de Holanda e Lucia 212Canedo, in: Cidade – Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n° 23. IPHAN, p. 138-145, 1994.

FARIAS, Agnaldo. "São Paulo, Ó Quão Dessemelhante!" in: Catálogo da 25.ª Bienal de São Paulo – Iconografias metropolitanas, livro Cidades. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, p. 250-251, 2002.

FONTANA, Lúcio. Página do artista no website do museu Guggenheim. Disponível em: <https://www.guggenheim.org/artwork/artist/lucio-fontana>. Último acesso: dezembro de 2018.

FUNDAÇÃO BIENAL DE SÃO PAULO. 25° Bienal de São Paulo, 2002. Disponível em: <http://www.bienal.org.br/post.php?i=349>.Último acesso em: 5 nov 2015.

GUATTARI, Felix. As três ecologias. Campinas, SP: Papirus, 1990.

GUTAI ART MANIFESTO. Disponível em <http://web.guggenheim.org/exhibitions/gutai/data/manifesto.html>. Último acesso em: 20 dez 2018.

JUÍZES 12. O Conflito de Jefté contra Efraim, in: Biblia Sagrada, Nova Versão Internacional, Copyright © 1993, 2000, Biblica.

MARGARIDA: depoimento [jan. 2010]. Entrevistadores: C. Washington e L. De Araújo. Guaíra-PR, 2010. Entrevista concedida ao Projeto Trânsito à Margem do Lago, FUNARTE, 2010.

MEDEIROS, Maria Beatriz de. Aisthesis: estética, educação e comunidades. Chapecó: Argos, 2005.

MEDEIROS, Maria Beatriz de. Bernard Stiegler: reflexões (não) contemporâneas. Chapecó: Editora Argos, 2007.

MEDEIROS, Maria Beatriz de. "Performance, Charivari e Política", in: Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 47-59, jan./abr. 2014. Disponível em:<http://www.seer.ufrgs.br/presenca>. Último acesso em: 10 agosto 2015.

MURAKAMI, Saburo. ARTCOURT Gallery. Tenmabashi, Kita-ku, Osaka, 2017.

POSSÍVEL. Glossário de termos leibinizianos. Disponível em: <http://www.leibnizbrasil.pro.br/leibniz-glossario.htm>. Último acesso em: 20 dez 2015.

RANCIÈRE, Jacques. Le partage du sensible : esthétique et politique. Paris: La Fabrique éditions, 2012.

SALCEDO, Doris. Shibboleth. Tateshots, vídeo, color, 2007, 5:06 min. Disponível em: <https://www.tate.org.uk/art/artists/doris-salcedo-2695/doris-salcedo-shibboleth>. Último acesso em: 29 nov 2018.

SANTOS, Milton. Da Totalidade ao Lugar. São Paulo: Edusp, 2005.

SERRES, Michel. Os cinco sentidos: filosofia dos corpos misturados – 1. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

SILVA, Raquel; COSTA, Marcus de Lontra (Orgs.). Celeida Tostes. Rio de Janeiro: Memória Visual, 2014.

VÍDEO. Marcel Duchamp's installation "Étant donnés" at the Philadelphia Museum of Art in Philadelphia, color, 1:25 min. Disponível em: <https://youtu.be/nzMznyyLwyM>. Último acesso em: 5 nov 2015.

WALLIS, Jonathan. "Case Open and/or Unsolved: Étant donnés, the Black Dahlia Murder, and Marcel Duchamp’s Life of Crime", in: Rutgers Art Review, Vol. 20, Rutgers The State University of New Jersey, Department of Art History, 2003. Disponível em: <https://www.academia.edu/8791977/_Case_Open_and_or_Unsolved_%C3%89tant_donn%C3%A9s_the_Black_Dahlia_Murder_and_Marcel_Duchamp_s_Life_of_Crime_>. Último acesso em: 10 dez 2018.

WASHINGTON, Claudia Teresinha. Rasgo: a arte de engendrar espaço. 2019. 221 f. il., Tese (Doutorado em Artes)—Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

ª BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO. Catálogo. Editora: Maria Otilia Bocchini, São Paulo, 1983. Disponível em: <http://issuu.com/bienal/docs/namea77ef4>. Acesso em: 5 nov 2015.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-02-28

Como Citar

Washington, . C. T. . (2022). Rasgo como arte. PORTO ARTE: Revista De Artes Visuais, 26(46). https://doi.org/10.22456/2179-8001.124259

Edição

Seção

DOSSIÊ: Espaços Maleáveis