O Clichê: notas para uma derrota do pensamento. Por uma consciência ingênua

Flávio Henrique Albert Brayner

Resumo


Em que sentido o clichê, a frase feita e repisada, o jargão – que já há algum tempo invadiram o vocabulário pedagógico – podem representar uma estratégia de refamiliarização com um mundo tornado estranho,
em que nossos conceitos deixaram de ser adequados, e passaram a indicar um perigo para o pensamento? Partindo de uma imagem de Camus (Sísifo) e passando pelo exame de Arendt sobre o caso Eichmann, em que o clichê é associado a uma derrota do pensamento, o artigo propõe uma tarefa insólita: um retorno a uma consciência ingênua, não como relação beata e desarmada diante do mundo, e sim como produção de um novo dicionário capaz de vivificar, linguisticamente, a atitude ad-miração diante das coisas.

 


Palavras-chave


Linguagem. Derrota do Pensamento. Estranhamento do Mundo. Consciência Ingênua.



Direitos autorais

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo