O Trote Universitário como Violência Espetacular

Antonio Alvaro Soares Zuin

Resumo


As origens dos trotes são tão antigas quanto à própria universidade. As barbáries cometidas pelos veteranos em seus calouros, por ocasião do ingresso na vida universitária, podem ser observadas desde as primeiras universidades europeias. Esse artigo tem como principal objetivo investigar as determinações históricas do trote universitário e argumentar que, diante da chamada sociedade do espetáculo, o trote encontra, nas novas tecnologias, um espaço bastante profícuo não só para ser divulgado, como também para reforçar o seu recrudescimento. Nessa sociedade, somente as imagens de barbáries mais cruéis, incluindo as dos trotes, é que se destacarão frente às demais e, assim, conquistarão a atenção dos seus consumidores que se tornam ávidos pelo contato com estímulos audiovisuais cada vez mais chocantes e agressivos.


Palavras-chave


Trote. Universidade. Sociedade do Espetáculo. Teoria Crítica. Indústria Cultural.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais

Educação & Realidade - ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online)

 

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Apoio e Indexação:

LATINDEX

 

Crossref Similarity Check logo