A poética do trauma em Roland Barthes. Uma alegoria fotográfica

Cristiano Bedin da Costa, Marcos da Rocha Oliveira

Resumo


Trata-se da relação entre o trauma e o gesto poético em Roland Barthes. Para tanto, toma-se a fotografia como alegoria para o ato de criação, a partir do efeito de real a ela vinculado. Ao articular o sujeito ao apelo do sentido, a arte, enquanto realismo traumático, assume como princípio a moralidade do signo, pela qual ocupa-se em colocar em marcha a máquina das linguagens, tornando assim circunstancial o que é tido como natural na existência humana.

Abstract

It refers to the relationship between trauma and poetic gesture in Roland Barthes. For that, photography is taken as an allegory for the act of creation, from the effect of real linked to it. When articulating the subject to the appeal of sense, art, as a traumatic realism, assumes the morality of the sign as a principle, by which it is concerned with setting in motion the language machine, thus making circumstantial what is considered natural in human existence. 


Palavras-chave


Trauma. Poetics. Roland Barthes. Photography.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Por uma ontologia e uma política do gesto. Tradução de Vinícius Honesko. Belo Horizonte: Chão de Feira, 2018.

BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre fotografia. Tradução de Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BARTHES, Roland. Aula. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1996.

BARTHES, Roland. Roland Barthes por Roland Barthes. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Estação Liberdade, 2003a.

BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso. Tradução de Márcia Vléria Martinez de Aguiar. São Paulo: Martins Fontes, 2003b.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Tradução de Mario Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BARTHES, Roland. A preparação do romance I: da vida à obra. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005a.

BARTHES, Roland. Inéditos, vol. 3: imagem e moda. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2005b.

BARTHES, Roland. Mitologias. Tradução de Rita Buongermino, Pedro de Souza e Rejane Janowitzer. Rio de Janeiro: DIFEL, 2006.

BARTHES, Roland. O império dos signos. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso. Tradução de Isabel Pascoal. Lisboa: Edições 70, 2009.

DERRIDA, Jacques. As mortes de Roland Barthes. Tradução de Mauro Guilherme Pinheiro Koury. RBSE – Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 7, n.20, p. 264-336, ago. 2008. Disponível em . Acesso em: 20 nov. 2020.

DIDI-DIDI-HUBERMAN, Georges. Un conocimiento por el montaje. Edições Minerva, 2007. Disponível em: . Aceso em: 20 nov. 2020.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico. Tradução de Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 1993.

FONTANARI, Rodrigo. A concepção de vazio em Roland Barthes. Alea, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 37-53, Dec. 2018 . Disponível em: . Acesso em: 30 Nov. 2020.

FOSTER, Hall. O retorno do real: A vanguarda no final do século XX. Tradução de Célia Euvaldo. São Paulo: Ubu, 2017.

MOTTA, Leda Tenório da. Barthes em Godard: críticas suntuosas e imagens que machucam. São Paulo: Iluminuras, 2015.

MOTTA, Leda Tenório da; FONTANARI, Rodrigo. A tentação do haikai e a experiência traumática da fotografia em Roland Barthes. Aletria: Revista de Estudos de Literatura, v. 24, n. 2, p. 127-139, ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2020.

RICHARD, Jean-Pierre. Roland Barthes, dernier paysage. Paris: Verdier, 2006.




DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.109531

Direitos autorais 2021 Cristiano Bedin da Costa, Marcos da Rocha Oliveira

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

PORTO ARTE: e-ISSN 2179-8001


INDEXADORES

PROPESQ

"

LATINDEX

Resultado de imagem para redib logo