História e Trauma: sobre três pinturas de Frank Stella

Barbara Mangueira do Nascimento

Resumo


 

Algumas Black Paintings de Frank Stella, a despeito do pertencimento aos primórdios do minimalismo – que buscava recusar uma narratividade externa à superfície da pintura, levavam títulos com referências ao nazismo (Arbeit Macht Frei, Reichstag e Die Fahne Hock). Este artigo visa refletir sobre as possibilidades de manuseio, em um dado contexto espacial e temporal, de referências que pertencem ao escopo da história e memória de eventos traumáticos, a partir da compreensão de que essas condições se transformam de acordo com o contexto social e político, permitindo diferentes formas de mobilização de um trauma social.

 

Abstract

 

Some Black Paintings by Frank Stella, despite belonging to the beginnings of minimalism – which sought to refuse an external narrative on the surface of the painting, carried titles with references to Nazism (Arbeit Macht Frei, Reichstag and Die Fahne Hock). This article aims to reflect on the possibilities of handling, in a given spatial and temporal context, references that belong to the scope of history and memory of traumatic events, from the understanding that these conditions are transformed according to the social and political context , allowing different ways of mobilizing social trauma.



Palavras-chave


Frank Stella. Black Paitings. Nazismo. Minimalismo. Trauma.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDER, Jeffrey C. On the Social Construction of Moral Universals: The “Holocaust” from War Crime to Trauma Drama. European Journal of Social Theory, Londres, vol. 5, 1, pp. 5 – 85, 2002.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna – Do iluminismo aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BODIN, Claudia; BRUDERLIN, Markus; STEMMRICH, Gregor. Frank Stella: The Retrospective Works (1958-2012). Berlim: Hatje Cantz, 2012.

CHAVE, Anna C. Minimalism and the Rhetoric of Power. Arts Magazine, vol. 64, nº5. pp. 44 – 63, Janeiro de 1990.

DANTO, Arthur. Após o Fim da Arte: A Arte Contemporânea e os Limites da História. São Paulo: Odysseus Editora, 2006.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 2010.

HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

JUDD, Donald. Objetos específicos. In: COTRIM, Cecilia; FERREIRA, Glória (org.). Escritos de artistas anos 60/70. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuições à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

LEVI, Primo. É Isto um Homem? Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

MEYER, James. Minimalism. Nova Iorque: Phaidon Press Limited, 2000.

NOVICK, Peter. The Holocaust in American Life. Nova York: Mariner Books, 2000.

PASTOUREAU, Michel. Preto: história de uma cor. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2011.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

STELLA, Frank. Questões para Stella e Judd. In: COTRIM, Cecília; FERREIRA, Glória (org.) Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

THACKER, Eugene. Black on Black. 2013 In: Inverse Journal. Disponível em: https://www.inversejournal.com/2019/02/01/black-on-black-by-eugene-thacker/ (acesso 26/10/20).




DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.108820

Direitos autorais 2021 Barbara Mangueira do Nascimento

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

PORTO ARTE: e-ISSN 2179-8001


INDEXADORES

PROPESQ

"

LATINDEX

Resultado de imagem para redib logo