A experiência de uma clínica forasteira: algumas considerações

Ana Carolina Perrella

Resumo


Este artigo tem como objetivo abordar a experiência de uma clínica forasteira, a partir da posição de analista nos coletivos Clínica do Cuidado e da Psicanálise na praça Roosevelt. Interessa-me pensar as singularidades de uma clínica fora do setting analítico tradicional, bem como problematizar a emergência das forças do fora no plano da clínica e seus desdobramentos no “entre” analítico. A aposta que se faz é a de uma clínica que se abre ao acaso, aos riscos e as incertezas das vida urbana, capaz de produzir deslocamentos nos territórios do viver.

Abstract
This article aims to address the experience of a foreign clinic, starting from the position of analyst in the collectives Clínica do Care and Psychoanalysis in Praça Roosevelt. I am interested in thinking about the singularities of a clinic outside the traditional analytical setting, as well as problematizing the emergence of outside forces in the clinic plan and its consequences in the analytical “between”. The bet that is made is that of a clinic that opens itself to chance, to the risks and uncertainties of urban life, capable of producing displacements in the territories of living.


Palavras-chave


Arte. Psicanálise. Clínica

Texto completo:

PDF

Referências


BRUM, E. Vidas barradas de Belo Monte. Uol Notícias, 18 de fevereiro de 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2018.

COIMBRA, C.; NASCIMENTO, M. L. Programas compensatórios: seduções capitalistas? Rio de Janeiro: UFF, 2005. Disponível em: . Acesso em 20 mar. 2018.

DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 2010.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2013.

GAGNEBIN. J.-M. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2016.

GONDAR, J; ANTONELLO, D.F. O analista como testemunha. Psicologia USP, n. 1, vol. 27, p. 16-23, 2016.

KATZ, I; BRUM, E; DUNKER, C. Refugiados de Belo Monte. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2018.

KATZ, I; DUNKER, C. Clínica de Cuidado nas margens do Rio Xingu: uma intervenção psicanalítica junto à a população ribeirinha atingida por Belo Monte. In: ENCONTRO: CLÍNICAS REPUBLICANAS E DEMOCRÁTICAS, CLÍNICAS PÚBLICAS E ABERTAS. São Paulo, Instituto Sedes Sapientiae, 2017. Disponível em: Acesso em: 10 out. 2020.

KHEL, M. R. Ressentimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2014.

PELBART, P.P. Da clausura do fora ao fora da clausura: loucura e desrazão. São Paulo: Iluminuras, 2009.

PERRELLA, A.C. A experiência de uma clínica forasteira. 2019. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica)- Núcleo de Estudos da Subjetividade. Pontifícia Univesidade Católica de São Paulo (PUC/SP). São Paulo. 2019. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/22095/2/Ana%20Carolina%20Perrella.pdf. Acesso em: 01 out. 2020.

ROSA, M. D. Psicanálise, Política e Cultura: A clínica em face da dimensão sócio-política do sofrimento. 2015. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica)- Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. São Paulo. 2015.

ROLNIK, S.B. Toxicômanos de identidade. In: LINS, D. Cultura e subjetividade: saberes nômades. Campinas: Papirus, 1997. p. 19-24.

ROMAGNOLI, R. C. A invenção como resistência: por uma clínica menor. Vivência, n. 32, p. 97-107, 2007.




DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.108805

Direitos autorais 2020 Ana Carolina Perrella

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

PORTO ARTE: e-ISSN 2179-8001


INDEXADORES

PROPESQ

"

LATINDEX

Resultado de imagem para redib logo