Seria a "cordialidade oficial brasileira" a diplomacia do "homem cordial"?

Felipe Kern Moreira

Resumo


O propósito deste artigo consiste em analisar o paradigma da ‘cordialidade oficial brasileira’, conforme foi concebido pelo historiador Amado Cervo, em perspectiva com o conceito de ‘homem cordial’, mais conhecido a partir da obra “Raízes do Brasil”, de Sérgio Buarque de Hollanda. O artigo faz referência à construção de ambos os conceitos e aponta diferenças as quais permitem conhecer que a ‘cordialidade oficial’ não é a diplomacia do ‘homem cordial’.

Palavras-chave


História da Política Externa Brasileira; Amado Cervo; ‘cordialidade oficial’

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.38062



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS