A ÁFRICA E A HISTORIOGRAFIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Akinbode Fasakin

Resumo


Este artigo examina o que chamamos de historiografia de Relações Internacionais (RI) da África, uma avaliação da contribuição de acadêmicos africanos para o estudo da história e da disciplina de RI. Faz-se isso com base no mito que cerca a historiografia das RI, o papel bastante limitado das contribuições africanas e um conjunto de critérios retirados dos trabalhos de Schmidt e Bell sobre a escrita das RI. Embora reconheçam as RI de Hoffmann como uma ciência social americana, eles sugerem que a historiografia de um campo deve destacar perspectivas obscuras, pesquisadores que professam conscientemente as RI como sua disciplina e instituições que contribuem para o desenvolvimento da disciplina. Embora estudiosos das RI africanos atendam a alguns desses critérios, incluindo instituições e acadêmicos que se autodeclaram como acadêmicos de RI, a hegemonia americana e seu concorrente europeu cúmplice no campo influenciam muito os escritos acadêmicos africanos e as práticas que adotam no estudo das relações internacionais. Enquanto acadêmicos africanos trazem perspectivas africanas sobre questões globais para descobrirem o que eles fazem, eles respondem principalmente a tons teóricos, metodológicos e práticos estabelecidos em outros lugares, alguns até mesmo contrariando essas visões dominantes de teorias “importadas”, sem necessariamente desenvolver filosoficamente fundamentados estudos sobre RI na perspectiva africana. Consequentemente, embora as contribuições africanas para a disciplina e história da RI pareçam marginais, os escritores africanos de RI podem expandir seus impactos explorando a disciplina da História - uma visão que representa a natureza eclética da RI - e basear-se na história e nos eventos africanos para fornecer dados teóricos e filosóficos e insights empíricos para o estudo de RI na África. Embora a teoria pós-colonial seja um exemplo de tal reflexão, os estudiosos africanos de relações internacionais farão contribuições significativas para o campo por meio da introspecção, em vez de dependerem dos cânones orientados para o Ocidente.


Palavras-chave


África; Historiografia de RI; Perspectiva africana.

Texto completo:

PDF (English) PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2448-3923.80408

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Estudos Africanos (RBEA)

e-ISSN 2448-3923; ISSN 2448-3907

Publicação do CEBRAFRICA/UFRGS