ENTRE A LUZ E A LOUCURA: OS APRISIONAMENTOS DE CAMILA E DE BERTHA A PARTIR DAS NARRATIVAS DE CHARLOTE BRONTE E JEAN RHYS E DE LUÍS ANTONIO DE ASSIS BRASIL

Lis Yana De Lima Martinez, Ricardo Cortez Lopes

Resumo


À luz é dado o caráter de representar a razão. É ela o que guia as almas perdidas dos marinheiros à deriva. Luz é antagônica à sombra. Sombra, então, é sinônimo da falta da razão. Para Jung (1991), sombra é para onde enviamos todas as partes do nosso ser que não seriam socialmente aceitas. Partes que não podem ser trazidas à luz do dia. Um sábio é dito como um ser iluminado. Este trabalho, busca lidar questões latentes às ações sombrias das personagens Bertha Mason (segundo Brontë e Rhys), refletindo a possível busca constante da personagem por criar/reproduzir luz, e Camila, refletindo sua possível busca constante por liberdade. Para tanto, retomaremos questões da construção do sujeito racional e do sujeito feminino. Pretendemos, neste artigo, fazer a aproximação entre as personagens a partir de duas categorias (casamento e morte, a busca por luz) que são recorrentes em suas narrativas. 

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.85669

Direitos autorais 2018 Lis Yana De Lima Martinez, Ricardo Cortez Lopes

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

E-ISSN: 22388915 / ISSN Impresso: 0102-6267

LICENÇA

Os artigos publicados na revista estão sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

INDEXADORES

  

     

   

 

           Imagen relacionada

   

Flag Counter