Avaliação externa das escolas em Portugal: atores, conhecimentos, modos de regulação

Autores

  • Luís Miguel Carvalho
  • Estela Costa

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol33n32017.79302

Palavras-chave:

avaliação das escolas, hibridação, políticas públicas, regulação da educação

Resumo

O artigo centra-se na construção e reconstrução do modelo de avaliação externa das escolas em Portugal em dois momento - 2006 e 2011 - pondo em evidência continuidades e mudanças relacionadas com os atores e com os conhecimentos mobilizados para a construção dos modelos avaliativos, bem como o fortalecimento da avaliação como dispositivo de regulação das práticas de administração das escolas. O artigo mostra as vicissitudes da ativação de modos de intervenção avaliativos em agências da administração central da educação historicamente constituídas como agências de supervisão e controlo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Miguel Carvalho

Professor Catedrático do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Estela Costa

Professora Auxiliar doInstituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Referências

AFONSO, Almerindo J. Do desequilíbrio do pilar da autoavaliação no modelo de avaliação externa: apontamentos. In CNE, Avaliação Externa das Escolas. Lisboa: Conselho Nacional de Educação, 2015, p. 217-224.

AFONSO, Natércio; COSTA, Estela. La politique d'évaluation institutionnel d’écoles au Portugal. Recherches Sociologiques et Anthropologiques, nº 2, p 39-52, 2012.

AFONSO, Natércio; COSTA, Estela. Avaliação externa das escolas: um instrumento de regulação baseado no conhecimento, (155-189). In J. Barroso & N. Afonso (Org.). As políticas educativas em Portugal: mobilização de conhecimento e modos de regulação. Fundação Manuel Leão, 2011.

BRUNSSON, Niels; JACOBSSON, Bengt. The contemporary expansion of standardization. In Brunsson, N., Jacobsson, B. [and associates], A World of Standards (1-17). Oxford: Oxford University Press, 2000.

BARROSO, João. Les nouveaux modes de régulation des politiques éducatives en Europe. In Dutercq, Y. (dir.) Les Régulations des Politiques d’Éducation (151-171). Rennes, Presses Universitaires de Rennes, 2005.

BARROSO, João. Autonomia e Gestão da Escola. Lisboa, Ministério da Educação, 1997.

BARROSO, João; CARVALHO, Luís Miguel; AFONSO, Natércio; FONTOURA, Madalena; COSTA, Estela. The social and cognitive mapping of policy: the education sector in Portugal. Research report, project KnowandPol, Orientation 1, 2008. Disponível em http://www.knowandpol.eu

CARVALHO, Luís Miguel, As políticas públicas de educação sob o prisma da ação pública. Currículo sem Fronteiras, vol. 15, nº 2, 314-333, 2015.

CARVALHO, Luís Miguel; COSTA, Estela; AFONSO, Natércio. Espaces, acteurs et modalités de l’hybridation politique. Spirale – Revue de Recherches en Éducation, nº 51, p. 15-30, 2013.

CNE - Conselho Nacional e Educação. Parecer 3/2010: Parecer sobre Avaliação externa das Escolas (2007-2009). Lisboa: Conselho Nacional de Educação,2010. Disponível em: http:// http://www.cnedu.pt/pt/deliberacoes/pareceres?start=10

FREEMAN, Richard. The work the document does. Journal of Health Politics, Policy and Law, vol 31, nº 1, p. 51-70, 2006.

FREEMAN, Richard; MAYBIN, J. Documents, practices and policy. Evidence & Policy, vol. 7, nº 2, p. 155-70, 2011.

GRAY, Adrian Supporting school improvement: the role of inspectorates across Europe. A report from the Standing International Conference of Inspectorates (SICI). Brussel: SICI, 2014. Disponível em : http:// http://www.sici-inspectorates.eu/Activities/Development-and-Research/Research/The-Role-of-Inspectorates-Across-Europe

GTAEE. Propostas para um novo ciclo de avaliação externa das escolas. Relatório final. Lisboa, Ministério da Educação, 2011.

IGE. Avaliação Externa das Escolas. Referentes e instrumentos de trabalho, Lisboa, Ministério da Educação, 2006.

LASCOUMES, Pierre; LE GALÈS, Patrick. Introduction: understanding public policy through its instruments – from the nature of instruments to the sociology of public policy instrumentation, Governance, vol. 20, nº 1, p.1-21, january 2007.

LASCOUMES, Pierre ; Le GALÈS, Patrick (dir.). Gouverner par les instruments. Paris: Presses de Sciences Po, 2005

LINDBLAD, Sverker; POPKEWITZ, Thomas. Educational restructuring. International perspectives ontravelling policies. Greenwich: Information age publishing, 2004.

LIMA, Licínio C. Elementos de análise organizacional das políticas e práticas de avaliação escolar. In WERLE, Flávia Obino Corrêa (org). Avaliação em larga escala: questões polémicas. Brasília: Liber Livro, 2012, p. 15-38.

MAROY, Christian. Convergences and hybridization of educational policies around 'postbureaucratic' models of regulation. Compare: A Journal of Comparative and International Education, vol. 39, nº 1, p. 71-84, 2009.

OZGA, Jenny; JONES, Robert. Travelling and embedded policy, Journal of Education Policy, vol 21, nº 1, p. 1-17, 2006.

PIETERSE, Jan Nederveen. Globalization as hybridization. In F. Lechner & J. Boli (eds.). The Globalization Reader (99-105). Oxford. Blackwell Publishers Inc, 2000.

POPKEWITZ, Thomas. Globalization/Regionalization, knowledge, and the educational practices, In POPKEWITZ, T.S. (Ed.) Educational Knowledge (3-27). Albany, State University of NYP, 2000.

PORTUGAL, Despacho 4150/2011, de 4 de Março, Lisboa, 2011.

RIZVI, Fazal; LINGARD, Bob. Globalizing Education Policy. London, Routledge, 2009.

ROCHA, Patrícia. Que ruturas e que continuidades: do antigo para o novo ciclo de avaliação externa das escolas. Relatório de estágio. Mestrado em Ciências da Educação, Administração Educacional, IE-ULisboa, Dezembro de 2012.

SANTIAGO, Paulo; DONALDSON, Graham; LOONEY, Anne; NUSCHE, Deborah.OECD Reviews of Evaluation and Assessment in Education: Portugal 2012. OECD Publishing, 2012.Disponível em: http://dx.doi.org/10.1787/9789264117020-en

SOUSA, A. (2014) Construções da autoavaliação de escolas. Discursos e sentidos. Tese de Doutoramento. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto.

SYNEVA - Quality Assurance through Synergy of Internal and External Evaluation of Schools. Examples of Interesting Practice of Internal and External Evaluation of Schools, 2006. Disponível em: https://www.openeducationeuropa.eu/en/project/synevanet

SICI (STANDING INTERNATIONAL CONFERENCE OF GENERAL AND CENTRAL INSPECTORATES OF EDUCATION). Effective School Self-Evaluation, 2003.Disponível em: www.edubcn.cat/rcs_gene/extra/05.../plugin-essereport.pdf

STEINER-KHAMSI, Gitta, Understanding policy borrowing and lending, In G. Steiner-Khamsi and F. Waldow (eds.), World Yearbook of Education 2012: Policy Borrowing and Lending in Education, London: Routledge, 2012.

TRISTÃO, E. (2016). A autoavaliação como instrumento das políticas de avaliação externa das escolas. Tese. 2016, 294p. (Doutorado em Educação). Universidade de Lisboa, Lisboa, 2016.

ZANTEN, Agnès van; BALL, Stephen. Comparer pour comprendre: globalisation, reinterpretations nationales et recontextualisations locales, Revue de l’Institut de Sociologie, vol, nº 4, p. 112-131, 2000.

Downloads

Publicado

2017-12-31

Como Citar

Carvalho, L. M., & Costa, E. (2017). Avaliação externa das escolas em Portugal: atores, conhecimentos, modos de regulação. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 33(3), 685–705. https://doi.org/10.21573/vol33n32017.79302

Edição

Seção

Dossiê: A Nova Gestão Pública no contexto escolar: internacionalização de uma agenda para a educação do século XXI