Hierarquias democráticas e direito à aprendizagem corporativa

Autores

  • André Antunes Martins UFF

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol33n22017.70758

Palavras-chave:

hierarquia, democracia, organização, gestão, educação.

Resumo

Neste trabalho realizamos um estudo das composições de força como constituidoras da(s) realidade(s), valendo-nos dos argumentos deleuzianos. Consideramos as possibilidades de insubmissão das hierarquias democráticas (linhas/força ativa) e do controle/centralização das hierarquias gerenciais (pontos/força reativa), sobretudo, no que tange às propostas de gestão e aprendizagem das corporações financeiras. Nossa questão principal vinculou-se à perspectiva de que não se trata de superação de hierarquias, como comumente poderíamos supor, mas de provocar outras formas organizativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Antunes Martins, UFF

Doutor em Educação pela Universidade Federal Fluminense/RJ. Atualmente é professor adjunto na mesma universidade do doutoramento. Desenvolve pesquisa no campo das ações coletivas e das políticas públicas com foco na gestão democrática educacional. Também atuou em redes públicas de ensino na educação básica.

Referências

BALL, Stephen J. Diretrizes Políticas Globais e Relações Políticas Locais em Educação. Currículo sem Fronteiras, v.1, n.2, pp.99-116, Jul/Dez 2001. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol1iss2articles/ball.pdf. Acesso em: 05 de dezembro 2016.

ALVES, José Cláudio Souza. DEBATE LANÇAMENTO DA REVISTA MOVIMENTO. SOBRE VIOLÊNCIA. Direção/produção: NUFIPE/UFF. Niterói/RJ, 2016. Não disponível.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche et la philosofhie. 6ª Edição. Editora Quadrige/Puf, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia (vol. 4). Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 1997.

______.;______. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia (vol. 1). Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 1995.

GESTÃO ESCOLAR PARA RESULTADOS DE APRENDIZAGEM: DIREITOS, AUTONOMIA E EQUIDADE. Direção/produção: Instituto Unibanco e Folha de São Paulo. Seminário Internacional Caminhos para a Qualidade da Educação Pública: Gestão Escolar. São Paulo, 2015. Disponível em: https://tvuol.uol.com.br/video/escolas-precisam-de-padroes-claros-diz-executivo-do-instituto-unibanco-04024C9B306CE4A95326. Acessado em: 04 de julho de 2016.

INSTITUTO UNIBANCO. 2015 - Relatório de atividades. Disponível em: http://www.institutounibanco.org.br/wp-content/uploads/2016/08/Relatorio-2015-InstitutoUnibanco.pdf. Acesso em: 19 de set.2016.

______. Modelo e método, Circuito de Gestão. Disponível em: http://www.institutounibanco.org.br/metodo/#. Acesso em: 1 de outubro de 2016.

LAPOUJADE, David. Deleuze, os movimentos aberrantes. Tradução de Laymert Garcia dos Santos. São Paulo: n-1 edições, 2015.

LIMA, Licínio. A Escola como Organização Educativa. Uma abordagem sociológica. 3ª Edição. São Paulo: Cortez, 2008.

MARTINS, André. Democracia, micropolítica e os dispositivos de gestão educacional gerencial. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 2, p. 453-465, abr./jun. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2175-623654948. Acesso em: 11 de agosto de 2016.

MOVIMENTO PELA BASE NACIONAL COMUM. Leitura Crítica BNC. Movimento pela Base Nacional Comum. Balanço preliminar, dezembro de 2015. Disponível em: http://movimentopelabase.org.br/wpcontent/uploads/2015/12/BNC_leitura_critica_Movimento_dez_15MEC_VF.pdf. Acesso em: 19 de set.2016.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 2ª Edição. São Paulo: Cortez, 2002.

WEBER, Max. Economia e Sociedade, Fundamentos da sociologia compreensiva. Volume 2. Brasília: Fundação Universidade de Brasília, 1999.

Downloads

Publicado

2017-09-01

Como Citar

Martins, A. A. (2017). Hierarquias democráticas e direito à aprendizagem corporativa. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 33(2), 309–321. https://doi.org/10.21573/vol33n22017.70758